Após rompimento de tubulação, Hospital das Clínicas avalia danos no laboratório

salvador
13.08.2019, 17:51:00
Atualizado: 13.08.2019, 18:26:09
(Márcio Costa e Silva/Arquivo CORREIO)

Após rompimento de tubulação, Hospital das Clínicas avalia danos no laboratório

Mesmo laboratório foi atingido há dois meses por um incêndio

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Um dia após o laboratório de virologia do Hospital Universitário Professor Edgard Santos (Hospital das Clínicas) da Universidade Federal da Bahia (Ufba), no bairro do Canela, ficar alagado por conta de um rompimento de uma tubulação hidráulica, no sétimo andar do prédio, a direção está avaliando, nesta terça-feira (13), os danos causados.

Na manhã de segunda-feira (12), um funcionário do hospital, qur pediu para não ser identificado, procurou o CORREIO para relatar a situação que se encontrava o quinto e o sexto andar da unidade hospitalar, por conta da inundação do domingo.

Recentemente, em junho, um incêndio atingiu o laboratório de pesquisas relacionadas ao vírus HIV e destruiu pesquisas e equipamentos relacionados ao vírus. De acordo com o funcionário, a direção e demais funcionários estão avaliando a extensão dos danos causados.

“Eles apenas fecharam o vazamento, mas nenhum dos 88 diretores apareceu para dar uma satisfação. Está todo mundo muito aborrecido, mas muitos estão com medo de retaliação. Um acidente dessa magnitude era para estar presente pelo menos uma pessoa da direção para dar uma satisfação aos trabalhadores. Estamos vendo ainda tudo o que foi perdido, para fazermos um levantamento se conseguimos recuperar algum dos equipamentos”, lamentou.

A assessoria de comunicação da unidade informou que o alagamento nos andares foi resolvido após o rompimento da tubulação ainda durante a manhã de segunda e que equipes de serviço fizeram a limpeza do local. A assessoria informou ainda que o vazamento não causou impacto na assistência aos pacientes.

Através da assessoria, o superintendente do hospital, Antônio Carlos Lemos, informou que não vai comentar sobre o assunto que já foi resolvido.

Com supervisão do chefe de reportagem Jorge Gauthier

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas