Após ser esfaqueada, dançarina da La Fúria diz sofrer ameaças de morte

salvador
21.04.2019, 21:00:00

Após ser esfaqueada, dançarina da La Fúria diz sofrer ameaças de morte

Segundo ela, as ameaças estariam sendo realizadas por amigos da autora das facadas

Após publicar um vídeo no Instagram falando sobre o ataque que sofreu, a dançarina da banda La Fúria Elisabeth Gonçalves, conhecida como Japa, revelou que tem sofrido ameaças de morte. Ela foi esfaqueada em uma  casa, na noite da última terça-feira (16), no bairro de Itapuã.

Segundo ela, as ameaças estariam sendo realizadas por amigos da autora das facadas e por perfis fake nas redes sociais. "Continuo constantemente  recebendo ameaças de morte de amigos próximos dela e de fakes", disse,  também no Instagram. 

Ainda internada no Hospital Municipal de Salvador, Japa disse nas imagens  que se envolveu com um homem que se dizia solteiro e que foi agredida pela suposta ex-mulher dele. A agressão teria sido motivada por ciúmes.  Em um vídeo, ela disse não ter roubado "o namorado de ninguém". 

Ela disse que não tem raiva, mas quer justiça. "E que Deus tenha  misericórdia da vida de ambos. Fiquei 3 dias sem falar respirando por aparelho. Por isso não me pronunciei logo", afirmou. 

Japa confirmou sua continuidade na banda e disse que espera voltar aos palcos. "Estou melhorando, e com fé em Deus em breve voltando aos  palcos com muita novidade para vocês", contou, na mensagem. 

A autoria e motivação do crime ainda são investigados pela Polícia Civil. Por enquanto, não há registro de ameaças na 12ª Delegacia (Itapuã), que apura o caso. 

Vídeo
No vídeo publicado no Instagram, ela narra a relação que teria provocado a agressão. "Ele tinha dito para mim que era um cara solteiro e desimpedido. Inclusive, tenho conversas, tenho prints, tenho a voz dele fazendo as coisas exatamente que eu estou dizendo aqui. [Ele dizia que] era uma pessoa desimpedida, uma pessoa solteira que realmente tinha terminado um relacionamento recente de três meses", contou.

Ainda na rede social, a dançarina conta que ficou três dias sem poder falar, respirando com a ajuda de aparelhos e diz estar sofrendo com ameaças. Apesar de tudo, ela garante que perdoa a rival e que sequer a conhece.

"Eu não roubei o namorado de ninguém. Eu não sou 'talarica' porque 'talarica' é quando mulheres que tem amizade com outras que pega o namorado da outra. E eu não a conheço", completou.

Relembre o caso
A dançarina foi esfaqueada em Itapuã e, inicialmente, não houve registro de queixa. Porém, a Polícia Civil informou que "mesmo sem registro de ocorrência na 12ª Delegacia de Itapuã, as equipes iniciaram as investigações, a partir de informações preliminares, para identificar os envolvidos, esclarecer os fatos e responsabilizar os possíveis autores". 

A Polícia Civil esteve na casa onde ocorreu o crime e fez uma perícia na quinta-feira (18). O laudo com o resultado deve demorar pelo menos 30 dias para ser concluído.  

Internada desde o dia em que foi esfaqueada, Japa apresentou melhora e foi transferida para a enfermaria do Hospital Municipal de Salvador na sexta-feira (19). A informação foi confirmada ao CORREIO pela assessoria de comunicação da banda neste sábado (20). O estado de saúde dela é considerado estável, mas não há previsão de alta. 

***

Em tempos de desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informações nas quais você pode confiar. E para isso precisamos de uma equipe de colaboradores e jornalistas apurando os fatos e se dedicando a entregar conteúdo de qualidade e feito na Bahia. Já pensou que você além de se manter informado com conteúdo confiável, ainda pode apoiar o que é produzido pelo jornalismo profissional baiano? E melhor, custa muito pouco. Assine o jornal.


Relacionadas