Após vaquinha 'flopar', Rita Cadillac faz propaganda de gel íntimo pra superar crise

em alta
14.07.2020, 08:22:58
Atualizado: 14.07.2020, 08:49:16

Após vaquinha 'flopar', Rita Cadillac faz propaganda de gel íntimo pra superar crise

Ex-chacrete tem usado o auxílio emergencial para pagar as contas

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Foto: Reprodução

Rita Cadillac tem encontrado dificuldades para conseguir pagar as contas durante a crise econômica provocada pela pandemia. Aos 66 anos, ela está com a agenda de shows parada desde março e após recorrer ao auxílio emergencial de R$ 600 do governo, a ex-chacrete tem se dedicado agora a fazer parcerias com empresas no Instagram. A última delas foi uma marca de gel íntimo, que Rita passou a divulgar na rede social.

O merchan surgiu após um grupo de amigos organizar, no mês passado, uma vaquinha virtual que tinha como objetivo arrecadar R$ 4 mil para ajudar a artista a pagar as contas. Apesar de bela, a iniciativa 'flopou' e arrecadou R$ 275, o que fez Rita desistir da ideia e buscar outras alternativas.

Rita usou a parcela do auxílio emergencial, de R$ 600, para pagar parte do condomínio e luz do apartamento em que mora, no bairro Santa Cecília, em São Paulo.

“Quem pediu o benefício foi a cidadã Rita de Cássia. Porque a Rita Cadillac está dormindo desde que começou a pandemia”, disse ela ao Extra em entrevista recente.

Rita chegou a participar de um evento com fãs numa pizzaria, em Pirituba, na Zona Norte de São Paulo. Arrecadou com meet and great e selfies vendidos a R$ 150 , mas ainda está longe da meta. Entre o que chama de recompensas estão: pocket show a 4 mil, em que Rita se apresenta por 40 minutos, jantar na casa dela por R$1,4 mil, R$ 25 por uma foto autografada e R$ 250 por um vídeo personalizado.

Ela conta que não tem casa própria e que guarda uma pequena reserva de dinheiro que só daria para ela se manter até o fim do ano, caso não volte a trabalhar antes.

"Fazia 15 shows por mês e toda a minha agenda até 11 de julho foi cancelada e ia começar a ensaiar uma peça quando a pandemia começou. Graças a Deus, não estou passando por dificuldade. Eu tenho comida. A cidadã pediu como ajuda. Não fiz nada de errado nem nada de ilícito", enfatiza.

Ate então, os únicos trabalhos que pitaram para a Rita foram os de divulgar restaurantes da vizinhança onde ela mora no Instagram. A artista afirma que recebe dinheiro em troca e que faz a divulgação para prestar solidariedade aos donos dos estabelecimentos em meio à crise.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas