Apresentado, Maurício Cordeiro quer estrear diante do América-MG

e.c. vitória
30.08.2018, 17:03:00
Atualizado: 30.08.2018, 17:04:10
Maurício estava no futebol de Israel e já está regularizado (Foto: Maurícia da Matta/EC Vitória)

Apresentado, Maurício Cordeiro quer estrear diante do América-MG

Atacante é mais uma opção para o técnico Paulo Cézar Carpegiani

Léo Ceará é a nova sensação na Toca do Leão após marcar o gol do triunfo de 1x0 sobre o Atlético-MG, na rodada passada. Mas o camisa 18 vai ganhar concorrência. Novo reforço do Vitória, o atacante Maurício Cordeiro foi apresentado oficialmente nesta quinta-feira (30) e já está à disposição do técnico Paulo Cézar Carpegiani para estrear sábado (1º), diante do América Mineiro, às 16h, no Barradão. 

Apesar de ter feito a última partida oficial no dia 6 de maio, quando ainda defendia o Ashdod, de Israel, Maurício Cordeiro garante que está bem fisicamente. 

“Eu vim de pré-temporada, na Europa começa agora na metade do ano. Eu fiz a pré-temporada inteira, parei de treinar oito, dez, dias no período que eu voltei ao Brasil. Voltei a treinar agora, estou à disposição, estou bem fisicamente. Agora é esperar a oportunidade”, explicou Maurício, confiante.

E para quem espera um fazedor de gols, o atacante alerta que também pode fazer outras funções no ataque. “Eu sou um atacante alto, mas também sei fazer outras funções, jogar pelas beiradas, buscar um pouco mais a bola, fazer as jogadas pelo meio. Sou bom na marcação, gosto de roubar as bolas, brigar pelo jogo. Eu tento enxergar o jogo, ser inteligente para me adaptar. Esse é o Maurício”, completa o jogador.

No Vitória, Maurício Cordeiro conta com um velho conhecido para se adaptar o mais rápido possível. Ele jogou com Rhayner no Grêmio Barueri, em 2011, e conta que o meia-atacante tem sido um bom aliado nesse retorno ao Brasil. 

“Eu e o Rhayner somos amigos de longas datas. Passamos muito sufoco no início da carreira. Depois ele foi para o Figueirense, eu para o Avaí. Ficamos na mesma cidade e ele me ajudou muito. Eu cheguei para o profissional, mas ficava muito na base do Avaí, ele já era mais velho. Eu só tenho que agradecer a ele. Rhayner está me ajudando aqui também na adaptação, apartamento, família. É um grande amigo”, conta.

Situação delicada
Apesar de ter acabado de chegar ao clube, Maurício Cordeiro sabe que a situação da equipe no Campeonato Brasileiro não é das melhores, afinal, o Vitória está em 16º, com 22 pontos, apenas um à frente da Chapecoense, primeiro time na zona. O atacante afirma que quer usar a experiência adquirida dentro e fora do Brasil para fazer o Vitória subir na tabela. 

“Tive algumas experiências, joguei em alguns times pequenos. Fui para o Avaí na Série A, entrei na turbulência porque a gente caiu para a Série B. Tinha uns 18 anos e entrava pouco, mas sentia como funciona. Agora em Israel, senti isso também, mas como protagonista. O Campeonato Brasileiro é difícil e se a gente não levantar rápido, pode ser que não consiga. Mas o Vitória tem um grande time, um grande treinador e eu acredito muito que a gente vai conseguir brigar lá em cima”. 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas