Arthur Caíke, Lucca e Rogério disputam vaga no ataque do Bahia

e.c. bahia
16.11.2019, 05:00:00
Três atacantes lutam por uma vaga no setor ofensivo do Bahia contra o Palmeiras (Foto: Felipe Oliveira/EC Bahia)

Arthur Caíke, Lucca e Rogério disputam vaga no ataque do Bahia

Sem Artur, setor ofensivo tricolor vai ganhar nova peça contra o Palmeiras

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Os últimos dias de Roger Machado no Bahia têm sido de muitas reflexões. Além do momento turbulento pelo qual o tricolor passa – o Esquadrão não vence há seis jogos na Série A do Campeonato Brasileiro -, o treinador tem desfalques para montar o time que entra em campo contra o Palmeiras, neste domingo (17), às 16h, na Fonte Nova.
 
A principal dúvida de Roger Machado está no ataque. Sem poder contar com Artur, que está com a seleção brasileira sub-23 na disputa do Torneio de Tenerife, na Espanha, o comandante vai ser obrigado a mudar no setor ofensivo. Com Élber e Gilberto garantidos na frente, resta apenas uma vaga e três peças estão na disputa.

Ontem, Roger voltou a fechar o treino no Fazendão e não deu pistas sobre quem vai ser o escolhido para o setor, mas o certo é que a disputa está entre os atacantes Rogério, Arthur Caíke e Lucca.
 
“Artur vive um bom momento. Assim como Élber, jogador que faz nossas transições. Talvez não tenha outro jogador com as mesmas características de condução e velocidade. Tem de velocidade com ataque no espaço, com Arthur Caíke, que talvez tenha mais presença de área que o Arturzinho. O Lucca tem mais jogo apoiado e menos velocidade que o Artur. O Rogério tem a profundidade em velocidade como poucos. É escolher. Uma característica igual não dá para repor. É casar as características e ter uma equipe com equilíbrio e forte no domingo”, explicou o treinador tricolor.

Nessa corrida por um lugar no time, Arthur Caíke leva vantagem. O camisa 77 é praticamente um 12º jogador do Bahia. No Brasileiro, ele participou de 24 dos 32 jogos da equipe. Foram sete como titular e outros 17 saindo do banco de reservas. 

Nesse período, Arthur Caíke marcou quatro gols. Um deles na vitória contra o Grêmio, por 1x0, em Porto Alegre. Foi o último triunfo do Bahia na temporada.

No duelo entre Bahia e Palmeiras, no primeiro turno, Arthur Caíke também teve papel fundamental para o tricolor arrancar o empate por 2x2 na Allianz Arena. Ele esteve envolvido nos lances de pênalti para o tricolor. Gilberto converteu as cobranças e marcou os gols. Com o atacante em campo, o Bahia ganha em presença de área.
 
Já se optar por Lucca, Roger Machado colocará em campo um jogador que chegou a ser titular da equipe após a pausa para a Copa América, mas que perdeu espaço e, nos últimos seis jogos, entrou apenas no segundo tempo do empate contra o Cruzeiro, por 1x1, no Mineirão. Com ele, o Bahia ganha na recomposição no meio-campo e nos chutes de média distância.
 
Enquanto isso, Rogério vive situação curiosa. Ele machucou o braço e ficou um bom tempo no departamento médico. Até aqui, o atacante fez apenas 13 jogos e só foi titular na derrota para o Athletico-PR, por 1x0, na quarta rodada do primeiro turno. 

Com a camisa do Bahia, Rogério tem apenas um gol no Campeonato Brasileiro. Ele balançou as redes na primeira rodada do torneio, marcando um golaço por cobertura quando o tricolor bateu o Corinthians por 3x2, na Fonte Nova. 

Bom retrospecto
Contra o Palmeiras, Roger vai fazer o seu quinto jogo contra um ex-clube. Até aqui ele se mantém invicto: venceu o Grêmio (duas vezes) e Atlético-MG e empatou com o próprio Palmeiras. Apesar do bom retrospecto, ele reconhece que a partida vai ser difícil, já que o time paulista, vice-líder do Brasileirão, ainda persegue o Flamengo na esperança de ser campeão brasileiro.  

“Os objetivos do Palmeiras são do Palmeiras, e os do Bahia são os nossos. Temos que fazer da melhor forma possível para conseguir o triunfo. O campeonato não tem facilidade. O que nós queremos é produzir bem, assim como parte do jogo do Flamengo. Isso vai nos dar garantia de manter o time competitivo”, analisou o treinador tricolor.  
 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas