Audiência sobre morte de comerciante em 2017 acontece nesta quarta (25)

salvador
25.09.2019, 07:00:00
Atualizado: 25.09.2019, 09:18:22

Audiência sobre morte de comerciante em 2017 acontece nesta quarta (25)

João Paulo é acusado de matar outras duas mulheres, todas com sinal de violência sexual

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.


Acontece nesta quarta-feira (25), às 10h, no Fórum de Sussuarana, mais uma audiência do assassinato da comerciante Nadjane Santos de Jesus, 30 anos.

O acusado do crime, ocorrido no dia 9 de julho de 2017, é João Paulo Castro Moreira. Na ocasião, Nadjane foi sequestrada na Rua Santos Soares, em Itapuã, onde morava, e, depois, desovada na BA-526, na Região Metropolitana de Salvador. Ela tinha saído com o cachorro Mayck para comprar feijão fradinho para fazer o almoço em sua casa. A vítima foi achada morta com marcas de espancamento e violência sexual. 

Nadjane foi encontrada morta em 2017 (Foto: Reprodução)

João Paulo, que nega o crime, responde por homicídio qualificado (motivo torpe, meio cruel, impossibilidade de defesa da vítima e feminicidio) e ocultação de cadáver. Na audiência desta quarta serão ouvidas três testemunhas de defesa.

A mãe de Nadjane, a empregada doméstica Maria Nazaré Xavier dos Santos, deve comparecer à audiência. De acordo com o Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA), pelo menos outras quatro já foram realizadas.

À época do crime, ela chegou a desabafar. “Se foi ele, que apodreça na cadeia, para que mais nenhuma mãe passe pelo que eu estou passando”, disse. 

Outras mortes
O homem também é apontado como autor das mortes de Zenilda Silva da Conceição, 22, que teve seu corpo encontrado no dia 29 de setembro de 2017, que sofreu violência sexual e foi estrangulada, além da recepcionista Marília Matércia Sampaio de Andrade, 32. Ela foi encontrada morta com marcas de violência sexuais na Estrada do CIA-Aeroporto, no dia seguinte.

Marília morava perto de Nadjane (Foto: Reprodução)

Ao CORREIO, familiares da recepcionista disseram acreditar que o suspeito pode ter cometido os dois crimes. O lugar onde o corpo de Marilia foi deixado é perto de onde Nadjane foi encontrada morta. As duas moravam a 15 minutos de distância uma da outra.

João Paulo foi preso um dia depois do corpo de Zenaide ser encontrado, e no mesmo dia em que a recepcionista Marília Matércia Sampaio de Andrade, 32, foi assassinada. Ele, que estava escondido em um imóvel no bairro de Mussurunga, foi autuado em flagrante por homicídio.

Dono de um lava a jato, ele usou o carro de um cliente, uma Toyota Hilux, para abandonar o corpo de Marília na Estrada CIA-Aeroporto. Tanto a família de Marília quanto a de Nadjane acreditam que elas foram forçadas a entrar no veículo.

À época, a delegada Simone Moutinho, responsável pelas investigações, declarou que ele tinha sinais de psicopatia. "A história que ele conta é uma história absurda. Foi um crime que deixou muitos indícios, por isso chegamos rápido à autoria", pontuou.

João Paulo Moreira foi apresentado pela Polícia Civil como suspeito de feminicídio (Foto: Mauro Akin Nassor/CORREIO)

Manifestação
Na época dos crimes, a família e os amigos de Nadjane fizeram uma manifestação em Itapuã, cobrando uma solução para o caso. Na ocasião, o padrasto de Nadjane, o aposentado Antônio José dos Santos, contou que eles também fizeram uma manifestação no local onde ela tinha sido encontrada.

Parentes e amigos de Nadjante percorreram ruas de Itapuã em 2017 cobrando respostas sobre o caso (Foto: Evandro Veiga/Arquivo CORREIO)

No dia em que foi morta, uma câmera de um estabelecimento da rua registrou Nadjane passando com o cachorro às 7h19. Depois, um vizinho disse à família que viu quando a comerciante passou com o cachorro, nesse mesmo horário.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas
Correio.play
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/pf-cumpre-mandados-contra-quadrilha-que-fraudou-mais-de-r-4-milhoes-do-inss/
O grupo é investigado por, pelo menos, 80 benefícios previdenciários suspeitos
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/5-filmes-que-voce-deve-assistir-para-apreciar-as-trilhas-de-ennio-morricone/
Compositor, que morreu aos 91 anos, era grande nome da música no cinema
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/rapper-baiano-hiran-lanca-segundo-disco-galinheiro/
Disco tem participações especiais de Tom Veloso, Majur e outros artistas
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/serie-baiana-que-revela-salvador-sombria-ja-esta-disponivel-no-amazon-prime/
Produção tem roteiro e direção de Julia Ferreira, baiana que estudou cinema em Londres e Madri
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/netos-de-luiz-gonzaga-divulgam-nota-de-nojo-por-uso-de-musica-em-live-de-bolsonaro/
Jair Bolsonaro convidou o presidente da Embratur para tocar durante a live da última quinta
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/moradores-da-lapinha-falam-ao-contrario-e-tem-um-dialeto-o-gualin/
Há meio século, falar ao contrário é considerado sinal de pertença para os moradores “raiz” do bairro da Lapinha
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/elza-soares-aos-90-e-cheia-de-projetos/
Cantora lança releitura de 'Juízo Final' e faz live neste sábado (4), com participação de Flávio Renegado
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/como-tratar-a-dor-da-chikungunya-entenda-fases-da-doenca/
Registro de casos aumentou 440% na Bahia nos últimos seis meses; sintoma pode se tornar crônico e durar anos
Ler Mais