Bahia: 95 mortes e 4,5 mil novos casos de covid em 24h

bahia
06.03.2021, 19:20:00
Atualizado: 06.03.2021, 19:35:13
(Paula Froes/Gov BA)

Bahia: 95 mortes e 4,5 mil novos casos de covid em 24h

Desde o início da pandemia, são 12,4 mil mortes, com letalidade de 1,75%. Quase 22 mil têm o vírus ativo

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

No dia em que completa um ano do primeiro caso confirmado de Covid-19 na Bahia, o estado atinge a marca de 710.900 casos da doença. Nas últimas 24h, foram registrados 4.525 casos de Covid-19 (taxa de crescimento de +0,6%) e 4.747 recuperados (+0,7%). Desde o início da pandemia, 676.536 já são considerados recuperados, 21.916 encontram-se ativos e 12.448 tiveram óbito confirmado.

O boletim epidemiológico contabiliza ainda 1.050.942 casos descartados e 168.471 em investigação. Estes dados representam notificações oficiais compiladas pelo Diretoria de Vigilância Epidemiológica em Saúde da Bahia (Divep-BA), em conjunto com as vigilâncias municipais e as bases de dados do Ministério da Saúde até as 17 horas deste sábado (6). Na Bahia, 43.603 profissionais da saúde foram confirmados para Covid-19. 

Neste sábado (6), foram registradas 95 mortes e o número total de óbitos por Covid-19 na Bahia desde o início da pandemia é de 12.448, representando uma letalidade de 1,75%. Dentre os óbitos, 56,31% ocorreram no sexo masculino e 43,69% no sexo feminino. Em relação ao quesito raça e cor, 54,89% corresponderam a parda, seguidos por branca com 20,80%, preta com 14,88%, amarela com 0,55%, indígena com 0,15% e não há informação em 8,73% dos óbitos. O percentual de casos com comorbidade foi de 70,14%, com maior percentual de doenças cardíacas e crônicas (74,23%).

A existência de registros tardios e/ou acúmulo de casos deve-se à sobrecarga das equipes de investigação, pois há doenças de notificação compulsória para além da Covid-19. Outro motivo é o aprofundamento das investigações epidemiológicas por parte das vigilâncias municipais e estadual a fim de evitar distorções ou equívocos, como desconsiderar a causa do óbito um traumatismo craniano ou um câncer em estágio terminal, ainda que a pessoa esteja infectada pelo coronavírus.
 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas