Bahia bate recorde e registra maior taxa de desemprego dos últimos 9 anos

bahia
27.05.2021, 10:53:00
Atualizado: 27.05.2021, 11:10:22
(Foto: Agência Brasil)

Bahia bate recorde e registra maior taxa de desemprego dos últimos 9 anos

Estado tem mais uma vez a maior taxa de desocupação do país

A taxa de desocupação na Bahia foi de 21,3% no 1º trimestre de 2021, quebrando o recorde de 2020 e ficando no maior patamar para o estado em nove anos - desde o início da série histórica da PNAD Contínua Trimestral, em 2012.  Foi mais uma vez a maior taxa de desocupação do país, empatada com a verificada em Pernambuco (21,3%) e bem acima do indicador nacional, que ficou em 14,7%, também um recorde histórico. Os dados foram divulgados pelo IBGE nessa quinta-feira (27). 

A taxa de desocupação mede a proporção de pessoas de 14 anos ou mais de idade que estão desocupadas (não trabalharam e procuraram trabalho) em relação ao total de pessoas que estão na força de trabalho, seja trabalhando (pessoas ocupadas) ou procurando (desocupadas).

O novo recorde na taxa de desocupação na Bahia (21,3%) foi resultado principalmente do aumento da população desocupada, ou seja do maior número de pessoas que não estavam trabalhando e procuraram trabalho no estado. 

Esse contingente chegou a 1,386 milhão de pessoas no 1o trimestre deste ano, o maior em nove anos, desde o início da série da PNAD Contínua Trimestral. Aumentou 6,9% em relação ao último trimestre do ano passado (+90 mil desocupados) e 5,7% em relação ao 1o trimestre de 2020 (+75 mil desocupados). 

Enquanto a desocupação chegou a um patamar histórico na Bahia, o número de pessoas trabalhando, fosse em ocupações formais ou informais (população ocupada), voltou a cair no 1o trimestre de 2021, após ter registrado uma leve alta no fim do ano passado. 

Entre janeiro e março, os ocupados somaram 5,135 milhões no estado. Isso representou menos 53 mil trabalhadores do que no 4o trimestre de 2020 (-1,0%) e uma retração de 9,9% frente ao 1o trimestre do ano passado. Ou seja, em um ano de pandemia, 565 mil pessoas deixaram de trabalhar na Bahia.

Além da perda de trabalho, que frequentemente leva à busca por um novo, o aumento da desocupação, no 1o trimestre de 2021, também se deveu a um discreto movimento de retorno de parte das pessoas que estavam fora da força (que por algum motivo não estavam trabalhando nem procuraram trabalho).

A população fora da força de trabalho no estado ficou em 5,847 milhões no 1o trimestre de 2021, 0,9% menor que no fim de 2020 (-53 mil pessoas), mas ainda significativamente maior do que a verificada antes da pandemia (+16,2%), com mais 816 mil pessoas nessa condição, frente ao 1o trimestre de 2020.

Dentre os que estão fora da força de trabalho, os desalentados também se reduziram um pouco em relação ao 4o trimestre de 2020. Nos três primeiros meses de 2021, 786 mil pessoas estavam desalentadas na Bahia. O número era 3,4% menor do que o do final de 2020 (-28 mil desalentados), mas ainda ficava discretamente acima do verificado antes da pandemia, com mais 7 mil pessoas nessa condição frente ao 1o trimestre de 2020 (+0,9%).

A população desalentada é aquela que não está trabalhando nem procurando trabalho por uma das seguintes razões: não conseguia trabalho, não tinha experiência, era muito jovem ou idosa ou não encontrou trabalho na localidade. Entretanto, se conseguisse trabalho, estaria disponível para assumir a vaga. 

A Bahia tem o maior número absoluto de desalentados do país ao longo de toda a série da PNAD Continua, desde 2012. No 1o trimestre de 2021, no Brasil, havia 5,970 milhões de desalentados, número recorde para o país, com aumentos tanto frente ao 4o trimestre de 2020 (+3,1% ou +182 mil pessoas) quanto frente ao 1o trimestre de 2020 (+25,1% ou +1,2 milhão de pessoas).

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas