Bahia: cresce a presença de máquina de lavar roupa e cai a de computadores

bahia
24.11.2017, 10:12:00
Atualizado: 24.11.2017, 10:21:26
(arquivo correio)

Bahia: cresce a presença de máquina de lavar roupa e cai a de computadores

Apesar da maior presença, cerca de 1,6 milhão de lares tinha máquina de lavar roupa

O que você prefere ter em casa um computador ou uma máquina de lavar? Entre 2015 e 2016, para o que foi possível comparar, o bem que mais aumentou sua presença nos lares baianos foi a máquina de lavar roupa, que passou a existir em mais 185 mil domicílios, num crescimento de 15,4% em apenas um ano. Os dados foram divulgados nesta sexta-feira (24) na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua) feita pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 

Apesar da maior presença, em 2016, pouco menos de 1 em cada 3 domicílios na Bahia (31,1% ou cerca de 1,6 milhão) tinha máquina de lavar roupa. O percentual era metade do nacional (63,0%) e o quarto menor dentre os estados – acima apenas de Piauí (23,4%), Acre (25,4%) e Maranhão (25,5%).A presença da máquina de lavar era maior nos domicílios de Santa Catarina (90,8%), São Paulo (84,5%) e Rio Grande do Sul (82,8%). 

A existência de microcomputador (inclusive notebooks), em 31,9% dos domicílios baianos, era bem próxima à da máquina de lavar em 2016, porém, em relação a 2015, houve uma pequena redução (-2,0%) na presença dos computadores, que deixaram de existir em 29 mil domicílios na Bahia.

Em 2016, os microcomputadores eram encontrados em menos da metade dos lares brasileiros (46,2%). Eles estavam mais presentes nos domicílios do Distrito Federal (67,3%) e não chegavam a ser encontrados em 1 a cada 5 domicílios do Maranhão (19,0%).
 

A vez do celular 
Na Bahia, apesar da menor presença de computador, de 2015 para 2016 houve crescimento de 19,3% no número de domicílios onde algum morador acessou a Internet, o que ocorreu em 2,7 milhões de lares no estado, pouco mais da metade (52,3%) do total. Isso indica que está aumentando o uso de Internet em equipamentos alternativos aos computadores, como TVs, tablets e smartphones.

De fato, em 2016, na Bahia, embora o computador fosse citado como equipamento para uso da Internet por 51,5% das residências onde houve acesso à Rede, ele ficava em segundo lugar, bem atrás do celular, que foi usado para acessar a Internet em quase todos os domicílios que utilizavam a Rede (95,1%).

As TV foram citadas como equipamento para uso da internet por 9,4% dos domicílios baianos onde houve acesso à Rede, e os tablets aparecem com alternativa de uso em 15,8% dos domicílios com Internet no estado.

No Brasil como um todo, o acesso à Internet no domicílio por parte de algum morador chegou a um percentual de 63,6% em 2016. Desses 94,8% usaram celular, 63,1% usaram computador, 19,0% usaram tablet e 12,1% usaram a TV para acessar a rede.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas