Bahia faz história em concurso mundial de café

economia
29.10.2018, 06:00:00
(Cafeicultores baianos premiados no Cup Of Excellence 2018 (foto: Acervo pessoal) )

Bahia faz história em concurso mundial de café

Cerca de 46% do grãos premiados foram colhidos em fazendas da Chapada Diamantina 

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Os cafeicultores da Chapada Diamantina estão celebrando um resultado espetacular. Eles conquistaram posições de destaque no Cup Of Excellence 2018, o principal e mais tradicional concurso de café especial do mundo.

Entre os 37 premiados na categoria “Pulped Naturals”, de cerejas úmidas despolpadas ou descascadas, 46% saíram de cafezais da Chapada. No total, dezessete produtores de Piatã e um de Barra do Choça, estão na lista dos melhores cafés. O resultado foi divulgado numa cerimônia realizada em Guaxupé, Minas Gerais. 

“Este resultado consolida a Bahia como produtora dos melhores entre os melhores cafés. Através de Piatã, a Chapada Diamantina garante um resultado excepcional de reconhecimento e valorização dos cafés especiais baianos”, analisa Silvio Leite, considerado um dos maiores especialistas em café do mundo e um dos fundadores do sistema de provas.

Este ano, os produtores que cultivam nas terras mais altas da parte central da Bahia foram ainda mais longe e também se destacaram na categoria “Naturals”, cafés naturais colhidos a seco com casca, na qual Minas Gerais tem maior tradição. Eles conquistaram três posições entre os 38 premiados. Dois produtores, também de Piatã, alcançaram a terceira e a quarta posição, um feito inédito. Agora estão entre os 10 melhores cafés especiais da safra 2018.

“O Cup Of Excellence mostra para o mundo que o nosso Brasil é sensacional. Nós temos cafés que brilham, se revelando em todos os cantos do Brasil. E isso é uma mágica muito linda e que emociona. Por isso temos que celebrar. O café especial nos convoca a mergulhar naquilo que é mais sagrado, o essencial do grão que nos encanta”, disse Carmem Lúcia Chaves de Brito, presidente da BSCA, durante o evento de premiação.

Fatores regionais

Os agricultores de Piatã apontam o clima diferenciado da região como um dos principais fatores do sucesso. “Nós temos todas as condições climáticas, de solo, altitude e temperatura favorável a produção de cafés. Aliado a isso, tem o prazer do agricultor em fazer café com qualidade”, explica Glayco Barbosa, secretário de Agricultura de Piatã, e também cafeicultor premiado na categoria “Naturals”.

A maioria parte dos produtores do município de Piatã mantêm fazendas com até quatro hectares. São pequenos produtores familiares. Dos cerca de 300 cafeicultores da região, 120 produzem cafés especiais. São os chamados cafés finos, com sabor e valor diferenciados, e que chegam a custar três vezes mais do que o café commodity.

“O nível dos concorrentes subiu muito, os cafés estão com uma qualidade incrível. Passamos por algumas dificuldades, poucos recursos, mas a insistência vale a pena. Nas xícaras somos todos iguais. A cada ano aprendemos e tentamos melhorar. É muito gratificante receber este reconhecimento”, diz José Renato Rodrigues Alves, um dos cafeicultores premiados nas duas categorias.

Além de oferecer mais renda para o produtor, os cafés especiais impulsionam o turismo rural. A partir de agora, quando começa a época de venda da última safra, as fazendas da região passam a receber a visita de compradores de várias partes do mundo. São pessoas que querem conhecer de perto quem produz e como são feitos os melhores cafés.

“Costumamos dizer que nós não vendemos café, nós vendemos nossa história. Muita gente quer conhecer a forma que produzimos”, acrescenta Glayco Barbosa.


Para os especialistas, o resultado é uma mostra do potencial dos cafés baianos e um incentivo para o setor. “É um coroamento do sucesso da Bahia na qualidade do café. Impulsiona o produtor, principalmente neste momento em que o cafeicultor enfrenta seca e o preço baixo do café commoditie. O café especial dá um reconhecimento e uma renda maior para o produtor”, diz João Lopes Araújo, Presidente da Associação de Produtores de Café da Bahia- Assocafé.

José Renato Rodrigues Alves foi premiado nas duas categorias da 'copa do mundo do café' (foto: acervo pessoal) 


Escolha

O Cup of Excellence é realizado pela Associação Brasileira de Cafés Especiais (BSCA) em parceria com a Alliance for Coffee Excellence (ACE) e a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil). Ao longo de todas as etapas do concurso, 29 juízes de 10 países diferentes, avaliaram mais de mil lotes de cafés especiais da safra 2018. Os vencedores foram escolhidos entre os 300 selecionados para a etapa final.

Os juízes internacionais destacam que os cafés especiais oferecem prazer diferenciado, possuem acidez acentuada, similar à escala de vinhos, e remetem a sabores que lembram mel, chocolate, pêssego e frutas cítricas. Sem marca, os produtores são identificados pela origem, localização da propriedade e pelo nome do produtor. Durante a avaliação a comissão julgadora concede pontos para os melhores grãos, numa escala de pontuação que vai de 0 a 100 pontos. Os cafés premiados possuem mais de 85 pontos. Muitos grãos de Piatã atingiram pontuação maior que 90.

A diferença de posições varia em poucos décimos. Na categoria “naturals”, o produtor Salvador Mesquita, da Chácara São Severino, na zona rural de Piatã, garantiu o terceiro lugar ao atingir a nota 91.91 pontos. Menos de dois décimos de diferença em relação ao segundo colocado, a Fazenda São Pedro, em Minas Gerais, que marcou 92.06 pontos. Já na categoria “Pulped Naturals”, a Chácara Santo Antônio conquistou o quinto lugar com 90.17 pontos. Piatã aparece outras 16 vezes na lista.

Os juízes integram um grupo formado pelas principais compradoras internacionais, vindas dos Estados Unidos, Japão, China, Cingapura, Bulgária, Rússia, Inglaterra, Austrália, Índia e Alemanha.

Leilão

Além do reconhecimento internacional, e de ver toda a safra valorizada com preços que podem triplicar, os cafeicultores ganham com a venda dos próprios lotes premiados.

Por isso, a expectativa dos agricultores se voltam agora para os leilões que serão realizados em novembro. Os lotes premiados serão disputados, via internet, em um leilão que inclui apenas os vencedores de cada categoria.

Ano passado, o concurso registrou o lote mais caro já arrematado na história. A saca de 60 quilos de um produtor de Minas Gerais alcançou R$ 55 mil. O café foi adquirido por japoneses e australianos, que pagaram R$ 917  pelo quilo do café. No mercado internacional, eles chegam a vender a xícara por até 40 dólares. Entre os cafés de Piatã, ao longo de toda a história do concurso, o lote mais caro atingiu cerca de R$ 19 mil. Este ano, os leilões serão realizados entre 29 de novembro e 7 de dezembro.

Exportação

O resultado do concurso foi divulgado na mesma semana em que o Conselho dos Exportadores de Café do Brasil – Cecafé, divulgou novos números das exportações brasileiras do grão commodity, o café mais comum, voltado para venda em escala. Segundo os dados, os cafés do Brasil geraram mais de 3,5 bilhões de dólares entre janeiro e setembro deste ano, com a venda de quase 24 milhões de sacas. O volume representa um crescimento de 7,3% se comparado com o mesmo período do ano passado.

Um dos destaques foi o crescimento das vendas para outros países produtores de café. Eles importaram do Brasil mais de 800 mil sacas do grão desde o início do ano.
Três países foram responsáveis por aproximadamente 90% das importações de café verde brasileiro nesse período. O país que mais comprou foi o México, que adquiriu 174 mil sacas, o equivalente a 44,9% das vendas. Depois veio a Colômbia, que comprou 30,7%, e a Indonésia, com 13,5%.

CUP OF EXCELLENCE 2018 – PARTICIPAÇÃO BAHIA 
 
RESULTADO DA CATEGORIA “PULPED NATURALS” 

5º lugar: SITIO SANTO ANTONIO - PIATà 
6º lugar: FAZENDA HORIZONTE - PIATà  
7º lugar: SÍTIO BONILHA - PIATà 
10º lugar: SÍTIO CRUZ - PIATà 
11º lugar: FAZENDA OURO VERDE - PIATà 
12º lugar: FAZENDA SANTA BÁRBARA - PIATà 
14º lugar: FAZENDA VOLTA DA SERRA - PIATà  
17º lugar: FAZENDA VISTA ALEGRE - PIATà 
18º lugar: FAZENDA PASSAGEM PEDRA - PIATà 
19º lugar: CHÁCARA VISTA ALEGRE - PIATà  
20º lugar: SÍTIO SUMIDOURO - PIATà  
21º lugar: SÍTIO CAFUNDÓ - PIATà  
26º lugar: CHÁCARA UNIÃO - PIATà  
27º lugar: SITIO SÃO SEBASTIÃO - PIATà 
29º lugar: SITIO SANTANA 2 - PIATà 
32º lugar: SÍTIO LARANJEIRA - PIATà  
33º lugar: SITIO LIMOEIRO - PIATà 
37º lugar: FAZENDA SHEKINAH II - BARRA DO CHOÇA - PLANALTO DA CONQUISTA 
 
RESULTADO DA CATEGORIA “NATURALS” 

3º lugar: CHÁCARA SÃO SEVERINO - PIATà 
4º lugar: CHÁCARA VISTA ALEGRE - PIATà
23º lugar: CHÁCARA CAPÃOZINHO - PIATà 
 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas
  • Assinaturas: 71 3480-9140
  • Anuncie: 71 3203-1812
  • Ache Aqui Classificados: 71 3480-9130
  • Redação: 71 3203-1048