Baianos apostam na criatividade para faturar na Páscoa; tem até ovo de empada

salvador
03.04.2019, 05:00:00
Atualizado: 03.04.2019, 20:31:57
Dani, do Brigadeiro dos Sonhos, dobrou a meta de vendas esse ano (Foto: Marina Silva/CORREIO)

Baianos apostam na criatividade para faturar na Páscoa; tem até ovo de empada

No varejo, expectativa é de aumento de 14,9% nas vendas, em relação ao ano passado

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O tão esperado Domingo de Páscoa ainda é no dia 21 de abril. Mas, para quem aproveita a data para faturar, o trabalho já começou há um tempo. Enquanto os pequenos empreendedores usam da criatividade para gerar renda com a venda dos ovos, supermercados exibem corredores dedicados à guloseima e vivem a expectativa de vender, este ano, 14,9% a mais em relação a 2018.

Os dados são da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado da Bahia (Fecomércio) e apontam para um momento positivo. A expectativa de alta se baseia no indicador de consumo das famílias soteropolitanas (ICF), que subiu 16% em um ano.

Nas prateleiras, os preços não devem variar muito em relação ao ano passado, quando a Páscoa movimentou, em todo o Brasil, R$ 13,3 milhões, de acordo com a Associação Brasileira das Indústrias de Chocolates, Amendoim e Balas (Abicab).

Só em 2018, a indústria do chocolate no Brasil produziu 11 mil toneladas de ovos de Páscoa - 26% a mais do que o registrado em 2017, quando a produção já era recorde.

Este ano, a Associação não divulgou números da produção. Mas, em Salvador, só a Perini  estima produzir 17 mil ovos de chocolate.

“Este ano, a produção de ovos da rede é 5% superior a 2018 e o uso do chocolate baiano, premiado internacionalmente, além do genuíno chocolate belga, eleva a qualidade dos nossos produtos e valoriza os produtores regionais”, afirma o gerente de negócios, Marcelo Bueno.

Entre os supermercados, o GBarbosa espera crescer 8% em relação ao ano anterior, principalmente na venda dos tradicionais chocolates em barra e dos ovos de até 100g.

Entre os empreendedores, tem gente até dobrando a meta de venda do ano passado. É o caso da confeiteira Daniela Oliveira, a Dani, do Brigadeiro dos Sonhos (@brigadeirodossonhosoficial). “Ano passado, achei que ia vender 150 ovos e encomendei 200 caixas. O sucesso foi tanto que vendi as 200 e ainda teve gente comprando sem a embalagem. Então, este ano, encomendei 300 caixas e espero vender tudo”, contou.

Dani, que é advogada por formação, já trabalha na Páscoa há cinco anos, quando lançou o ovo de colher. Antes disso, já andava empreendendo no ramo dos doces desde que notou um comportamento inusitado do filho.

“Meu filho não gostava de aniversário e eu não entendia por quê. Até que eu descobri que ele não gostava porque comiam o bolo dele, e  na cabeça dele o bolo era dele e não dos convidados. Aí eu comecei a fazer dois bolos por aniversário, um pros convidados e um pra ele”, conta. 

Empreender
Para quem não conta com a estrutura e o capital de um grande supermercado ou rede de lojas, nem alcançou a experiência já desenvolvida por Daniela, a Páscoa também pode ser um momento de fazer negócio e garantir uma renda extra.

“Está em cima da hora, mas dá para empreender. É preciso programar o pouco tempo que tem e dimensionar a produção. Mesmo que não consiga alcançar o resultado desejado, a tentativa pode servir de experiência”, explicou o analista do Sebrae Fabrício Barreto.

Foi o caso da auxiliar administrativa Aimara Anjos, 19, que encontrou na Páscoa uma forma de driblar a crise: “Eu trabalhava em um laboratório de veterinária e perdi o emprego, fiquei sem saber o que fazer”. Empreender foi a solução com a Miau Gourmet (@miau_gourmet).

“Minha sogra é cozinheira profissional, foi me ensinando e eu acabei tomando gosto. Hoje, encaro isso como profissão”, contou. O negócio, nascido há pouco mais de um mês, já conta com 19 sabores e produtos diferentes. Por dia, Aimara já vende R$ 100. 

Criatividade
Se você pensa que é só chocolate que vende na Páscoa é porque não conheceu a criatividade de Breno Sodré, 22 anos, conhecido como Breno da Empada. O jovem estudante de Gastronomia da Ufba vende empadas na universidade há sete anos, inspirado pelo pai e pela tia, que já trabalhavam com cozinha.

E para quem já faz sucesso com as empadas, por que não transformá-las em ovo? A ‘empadovo’ deu certo e viralizou nas redes. “A ideia veio de uma cliente, mas não levei muita fé, porque  não sabia como fazer numa forma plástica, só tive conhecimento das formas metálicas quando uma outra cliente me mandou o link pra compra”, disse Breno, que, em duas semanas, já tem 60 encomendas nos sabores frango, leite condensado e queijo.

“Não esperava essa repercussão toda, era pra ser só uma brincadeira mesmo. Mas eu tô amando ver as mensagens e compartilhar essa ideia com outros produtores”, concluiu o jovem. 

Breno Sodré já tem 60 encomendas do ovo de empada - a ‘empadovo’
(Foto: Divulgação)

Postos de trabalho
Breno é a prova de que a Páscoa não vive só de chocolate. E também não é positiva só para quem produz os ovos. A Abicab informou que, desde setembro de 2018 até a semana da Páscoa, as indústrias e o varejo geraram 18 mil vagas.

Ou seja, ainda que poucas, ainda há vagas para quem vende e há chances de ser efetivado. “É uma grande oportunidade de quem conseguir passar no processo seletivo mostrar para que veio, mostrar energia, entusiasmo com o trabalho, para tentar demonstrar o potencial que tem de continuidade da atividade”, explicou Wladimir Martins, presidente da Associação Brasileira de Recursos Humanos (ABRH-BA).

“É a primeira data do varejo depois da Liquida Salvador e é muito interessante para crianças. Há movimento no setor de brinquedos, confecção infantil e, é claro, chocolates”, disse Paulo Motta, presidente do Sindicato dos Lojistas do Comércio do Estado da Bahia (Sindlojas). 

Sebrae dá dicas de empreendedorismo
Se você tem vontade de empreender na Páscoa ou fazer o seu negócio acontecer em outros momentos do ano, veja as dicas do analista do Sebrae Fabrício Barreto. 

1.    Quando possível, comece com antecedência: Quando começa com antecedência, o empreendedor tem a possibilidade de testar, submeter para outras pessoas também testarem o produto, dimensionar o custo, a competitividade do preço final e pesquisar o que o mercado está oferecendo, aumentando as chances de êxito nesses períodos festivos. 

2.    Estabeleça uma meta: O primeiro passo do planejamento é levantar o quanto tem para investir e calcular o desafio. É preciso ter em mente que o valor do investimento não deve ser apenas a quantidade máxima que quer vender.  É preciso estabelecer meta e continuar gerenciando.

3.    Cuide da qualidade:  É preciso focar na qualidade, fazendo despertar no produto o valor, porque os clientes não irão avaliar apenas o preço, mas também o que isso representa. Transformar aquilo que é um alimento em um presente.

4.    Inove: Busque produzir algo de qualidade, não deixe de investir na embalagem e de oferecer algo novo, que seja diferente, seja no sabor, atendimento, no tipo de chocolate que estará utilizando. 

5.    Estude: É preciso sempre buscar orientação de especialistas que entendem de empreendedorismo. 

6.    Aprenda com o ano anterior: Mesmo que não consiga alcançar o resultado desejado, um ano  pode servir de experiência para os próximos.
 

*Com supervisão do chefe de reportagem Jorge Gauthier

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas
  • Assinaturas: 71 3480-9140
  • Anuncie: 71 3203-1812
  • Ache Aqui Classificados: 71 3480-9130
  • Redação: 71 3203-1048