Bancos brasileiros podem se tornar aliados do meio ambiente

sustentabilidade
23.02.2019, 13:00:00
A produção do dendê é uma das commodities leves que podem ser contemplada com as políticas de sustentabilidade adotadas por instituições financeiras (Divulgação)

Bancos brasileiros podem se tornar aliados do meio ambiente

Segundo pesquisa, instituições vão se beneficiar ao alinhar seus portfólios às Metas de Desenvolvimento Sustentável

Nove entre 14 bancos brasileiros podem se beneficiar da implementação de políticas que garantam a produção sustentável de commodities leves, como  carne, soja, azeite de dendê e produção de madeira. Com isso, essas instituições financeiras podem captar a oportunidade de alinhar seus portfólios com as Metas de Desenvolvimento Sustentável e transição para uma economia de baixa emissão de carbono. Foi isso o que mostrou um levantamento realizado pela Fundação Global Canopy, desenvolvido em parceria com a organização não governamental World Wide Fund for Nature (WWF).

A pesquisa mostrou que 64% declararam explicitamente que seus clientes precisam operar legalmente e apenas um banco encorajou as empresas a assegurar o Consentimento Livre, Prévio e Informado, sendo que nenhum exige que as empresas atendam aos principais padrões trabalhistas.

Para se ter ideia da importância da adoção dessas políticas por parte das instituições financeiras, basta lembrar que a produção de commodities leves é um dos principais fatores de desflorestamento tropical e contribui com uma parcela significativa de 15 a 20% de emissões de carbono associadas à perda de florestas em todo o mundo.

Para o associado sênior de Finanças Sustentáveis na Global Canopy, Tom Bregman, o setor bancário na América Latina tem uma oportunidade histórica de garantir a segurança alimentar regional e colher os benefícios de vários trilhões de dólares através de seus portfólios de empréstimos e investimentos.

“Primeiro há uma necessidade real de colocar em prática políticas que avaliem, de modo adequado, os riscos ambientais e sociais daqueles que financiam. A cada ano, mais de nove milhões de hectares de florestas tropicais são liberadas para abrir caminho à produção de commodities leves como azeite de dendê, soja, pecuária e madeira”, ressalta Bregman, que salienta que mais de 30% da pesca mundial ultrapassa limites biológicos.

Com uma postura parecida, o Vice-Presidente de Finanças Internacionais no Fundo Mundial para a Vida Selvagem, Raj Kundra, festeja os sinais de encorajamento de que bancos regionais estejam começando a atuar em áreas como direitos trabalhistas. “A maioria dos bancos avaliados não têm políticas adequadas de commodities leves e frutos do mar para aproveitar a oportunidade de financiar a segurança alimentar do futuro. Esta é a razão porque as ferramentas e orientações do presente são tão importantes”, afirma.

As sugestões para adoção de políticas em prol do desenvolvimento sustentável incluem o uso da Plataforma de Risco de Commodities Leves da Global Canopy, para ajudar os bancos e investidores a analisarem sua exposição aos riscos em cadeias de abastecimento de commodities. A plataforma , por sua vez, contempla uma orientação de materialidade para demonstrar os riscos comerciais frente às empresas, operando de modo insustentável em cadeias de abastecimento, orientação corporativa e um documento informativo a fim de definir expectativas para os conselhos de empresas operando em cadeias de abastecimento.

Espera-se que esses instrumentos ajudem a fomentar o engajamento financeiro mais eficiente da instituição para empresa em torno dos impactos ambientais e sociais associados com a aquicultura e pesca. 



***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas