Barradão: conheça como surgiu o maior artilheiro do Vitória

e.c. vitória
16.05.2019, 05:30:00
Atualizado: 16.05.2019, 07:06:41
Barradão foi inaugurado em 1986 mas usado a partir de 1991 (Carlos Catela / Arquivo CORREIO)

Barradão: conheça como surgiu o maior artilheiro do Vitória

No 3º episódio da série, imagens e histórias do estádio que mudou o patamar do Leão

Não é exagero dizer que existem dois Vitórias, um antes do Barradão e outro depois. Os números comprovam: considerando apenas estaduais, foram dez títulos em 80 anos sem o estádio e 19 em 33 anos com ele.

A mudança dá razão aos mais antigos rubro-negros: “O Vitória pensava em construir seu estádio desde a década de 1930. Tanto, que adquiriu terrenos na Ondina, onde hoje é a Ufba, na Vasco da Gama e no Cabula”, conta o pesquisador Luciano Souza Santos, autor do livro Barradão: Alegria, Emoção e Vitória – amplamente usado para esta matéria.

Mas por que o sonho demorou tanto? Nada foi simples. Mesmo quando já tinha o terreno, o processo demorou quase 20 anos. O primeiro passo foi dado em 1972, quando os conselheiros Manoel Pontes Tanajura e Benedito Dourado da Luz adquiriram uma chácara à beira da Estrada Velha do Aeroporto.

Na área de 100 mil m², o Vitória construiu o seu primeiro campo de treinamentos – o Perônio – e a sua primeira concentração para os jogadores, que funcionam até hoje. O terreno fica sob um morro à esquerda do portão principal do atual Barradão.

A Toca do Leão era rodeada por um enorme terreno da prefeitura, cheio de barrancos, para onde o prefeito Clériston Andrade decidiu na mesma época transpor o lixão da cidade.

Em meio à instalação do aterro sanitário, Clériston decidiu doar ao Vitória parte do terreno, uma área de 126 mil m² num barranco que rodeava a Toca do Leão.

Foi aí que os rubro-negros entusiastas do estádio próprio voltaram com força. Entre eles, um ex-presidente da década de 40, antigo remador do clube, chamado Manoel Barradas.

Foi na presidência de José Rocha, a partir de 1983, que o projeto decolou. O clube começou a realizar campanhas a fim de arrecadar fundos e construir o estádio. “A mais conhecida foi a criação do novo hino do Vitória, em que as vendas dos discos foram revertidas para a obra”, conta Luciano Santos.

MUDANÇA DE RUMO

A doação certeira, porém, veio por meio do estado. Em 1985, o governador João Durval colocou máquinas e dinheiro para que a obra fosse finalizada. “Tudo meio que casou. O presidente José Rocha era deputado do mesmo partido de João Durval e todos eram Vitória”, lembra Luciano.

Um ano depois tudo estava pronto. Faltava batizar o estádio. A proposta era homenagear  Clériston Andrade, mas o governador João Durval fez uma observação: Manoel Barradas, maior entusiasta do projeto, deveria ser o escolhido. Barradas, por sinal, era seu sogro.

Recado cumprido. Em 11 de novembro de 1986, o Manoel Barradas foi inaugurado num amistoso contra o Santos, 1x1. O primeiro gol foi marcado por Dino, do Santos. Heyder empatou de pênalti.

Mas o que era o tal ‘Barradão‘? Basicamente, um campo com uma arquibancada menor do que a atual: ocupava todo um lado do campo, mas, no fundo dos gols, acabava antes da primeira trave.

Na inauguração, o homenageado Manoel Barradas hasteou a bandeira do Vitória (Foto: Carlos Catela / Arquivo CORREIO)

Aí, vem a parte mais curiosa: após a inauguração, o estádio ficou completamente ocioso. O Vitória continuou mandando seus jogos na Fonte Nova e usando o Barradão para treinos.

O pesquisador explica: “Me parece que o Vitória quis aproveitar aquele momento político, em que havia uma conjuntura de forças a favor do clube, para concretizar o sonho antigo”. O Vitória partiu, então, para tentar recuperar o tempo perdido no futebol, que havia ficado para trás.

Outra explicação é que o sonho rubro-negro ainda estava incompleto. A região era pouco habitada e o estádio ainda não oferecia banheiros, bares, tribuna de honra da maneira ideal.

GALERIA COM FOTOS DE ARQUIVO:

Em 1989, Barradão estava sem receber jogos há três anos
Em 1989, Barradão estava sem receber jogos há três anos (Walter Seijo / Arquivo pessoal)
Foi feita uma placa para marcar reinauguração em 1991
Foi feita uma placa para marcar reinauguração em 1991 (Walter Seijo / Arquivo pessoal)
Em 1991 não havia nem sinal do centro de treinamentos
Em 1991 não havia nem sinal do centro de treinamentos (Walter Seijo / Arquivo pessoal)
Melhoras foram feitas em 1991, antes de reinauguração
Melhoras foram feitas em 1991, antes de reinauguração (Walter Seijo / Arquivo pessoal)
Vista áerea do Barradão em partida de 1991
Vista áerea do Barradão em partida de 1991 (Walter Seijo / Arquivo pessoal)
Reinauguração do Barradão contra o Olimpia-PAR
Reinauguração do Barradão contra o Olimpia-PAR (Antenor Pereira / Arquivo Correio)
Arquibancadas começaram a ser ampliadas em 1994
Arquibancadas começaram a ser ampliadas em 1994 (Walter Seijo / Arquivo pessoal)
Arquibancadas começaram a ser ampliadas em 1994
Arquibancadas começaram a ser ampliadas em 1994 (Walter Seijo / Arquivo pessoal)
Obras do centro de treinamentos começou em 1994
Obras do centro de treinamentos começou em 1994 (Walter Seijo / Arquivo pessoal)
Instalação dos refletores no Barradão em 1994
Instalação dos refletores no Barradão em 1994 (Walter Seijo / Arquivo pessoal)
Campos de treinamentos começaram a ser feitos em 1995
Campos de treinamentos começaram a ser feitos em 1995
Obras de criação da Avenida Artêmio Valente, 1998
Obras de criação da Avenida Artêmio Valente, 1998 (Walter Seijo / Arquivo pessoal)
Obras de criação da Avenida Artêmio Valente, 1998
Obras de criação da Avenida Artêmio Valente, 1998 (Walter Seijo / Arquivo pessoal)

REINAUGURAÇÃO

O Barradão só voltou à pauta rubro-negra cinco anos depois. Corria o ano de 1991 e Paulo Carneiro, recém-eleito para o seu primeiro mandato, encontrou um clube que havia acabado de cair para a segunda divisão – o Brasileiro daquele ano terminara em maio.

Foi a deixa para o mandatário: “Era uma equação simples: o Vitória havia acabado de cair e ele precisava criar um fato novo para animar a torcida. Reinaugurar o estádio parecia uma ótima ideia. Anos mais tarde, Carneiro admitiu essa ideia”, conta Luciano.

Sem mudanças estruturais significativas em relação a 1986, o Barradão foi reinaugurado em 25 de agosto de 1991 num amistoso contra o Olimpia. Novamente um 1x1, gols de André Carpes para o Leão e Jorge Campos para o time paraguaio.

Na reinauguração, Vitória empatou em 1x1 o Olimpia-PAR (Foto: Antenor Pereira / Arquivo CORREIO)

É nessa fase que surge um dos personagens mais importantes para o Barradão, o diretor de patrimônio Walter Seijo, engenheiro civil.

“É preciso sempre parabenizar aqueles que deram os primeiros passos do Barradão, como José Rocha. Mas o estádio que recebemos era muito básico. Não tinha portaria, bilheteria, banheiros, acesso por carro de maneira ideal. Enfim, não reunia condições de operar”, conta Seijo.

O primeiro jogo oficial veio 20 dias depois, no dia 15 de setembro, diante do Serrano, pelo Campeonato Baiano. O Vitória ganhou por 4x0. O meia Wagner fez o primeiro gol “valendo” do estádio.

A estreia em jogo oficial foi contra o Serrano (Foto: Antenor Pereira / Arquivo CORREIO)

Diferentemente de 1986, após a reinauguração de 1991, o Barradão passou a ser utilizado para jogos. Mas engana-se que foi com frequência. Faltava um dos itens mais básicos para qualquer estádio: a iluminação.

Sem refletores, o Barradão só podia ser utilizado em jogos durante o dia e jamais em partidas da elite do Brasileiro. “Após a reinauguração fomos fazendo algumas obras, mas tudo de maneira muito tímida. Decidimos que só íamos trabalhar para viabilizar mesmo o estádio depois que garantíssemos a iluminação”, conta Seijo.

ILUMINADO

Foi aí que o Vitória teve um acerto digno de loteria: a campanha do vice-campeonato Brasileiro de 1993 - com jogos disputados na Fonte Nova - abriu os olhos dos governantes para a carência do Barradão. Resultado: na véspera do duelo de volta da final com o Palmeiras, o então governador Antonio Carlos Magalhães ligou para Paulo Carneiro, garantindo que realizaria o sonho rubro-negro.

Refletores foram inaugurados contra o Náutico, em 1994 (Foto: Antenor Pereira / Arquivo CORREIO)

A expectativa durou mais um ano. O Barradão inaugurou seus refletores em 1º de outubro de 1994, numa partida contra o Náutico. O destaque, no entanto, não foi a vitória por 2x0, com gols de Everaldo e Ramon Menezes.

Aí, duas curiosidades: aquela partida foi a primeira do Barradão na elite do Brasileiro. Além disso, o duelo começou às 17h, justamente para que os refletores fossem acesos quando a torcida já estivesse nas arquibancadas, causando comoção. Deu certo.

Todos os olhos estavam voltados para o alto, para os quatro pontos de luz. Nas matérias da época, o CORREIO descreveu a emoção de alguns rubro-negros ao verem o campo iluminado pela primeira vez. Alguns chegaram a chorar.

A partir daí o Barradão virou um canteiro de obras. Ampliação das arquibancadas, criação do centro de treinamentos, abertura da Avenida Artêmio Valente e fim do lixão da Canabrava, tudo antes dos anos 2000.

Foram três títulos da Copa do Nordeste, um deles, de 1999, sobre o Bahia e com o jogo de ida no Barradão. Naquele mesmo ano, a campanha de semifinalista brasileiro, com 5x4 sobre o Vasco nas quartas de final.

Iluminado, o artilheiro fez toda a diferença.


OS NÚMEROS DO BARRADÃO

740 jogos
443 vitórias
161 empates
136 derrotas
1.542 gols marcados
771 gols sofridos


7 CURIOSIDADES SOBRE O BARRADÃO:

O projeto original, assinado pelo arquiteto Lev Smarcevski, previa um estádio com arquibancadas por todos os quatro lados do campo.

Lazer: O projeto de 1978 de Smarcevski previa levar a sede social, com ginásio e piscina, para a área atual do centro de treinamentos.

O primeiro treino no Barradão não foi do Vitória, e sim da seleção argentina, que enfrentou o Brasil na Fonte Nova em maio de 1985.

Manoel Barradas, homenageado pelo estádio, era ex-presidente do Vitória nos anos 1940 e sogro do governador João Durval.

O primeiro título do Leão no Barradão foi o Campeonato Baiano de 1995, 1x0 na final contra o Galícia.

Capacidade: Na reinauguração, em 1991, já se falava em 35 mil lugares, mesmo com arquibancadas menores que as atuas.

Greve: O amistoso de reinauguração do Barradão em 1991 aconteceu num dia com greve de ônibus. A diretoria providenciou linhas especiais.
 


Relacionadas
Correio.play
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/conheca-um-dos-destinos-mais-procurados-pelos-soteropolitanos/
Potencial do povoado Baixio atraiu o empreendimento Ponta de Inhambupe
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/pm-morre-apos-ser-baleado-dentro-de-hotel-no-dois-de-julho/
Vídeo mostra hora do disparo, que atingiu o soldado no rosto
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/homem-agride-e-ameaca-de-morte-funcionarios-de-restaurante-em-salvador/
Caso ocorreu na noite desta quinta-feira (23) em empreendimento na Cardeal da Silva
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/esse-cara-vai-me-matar-luisa-sonza-fala-sobre-regressao-de-whindersson-apos-briga/
Youtuber se envolveu em confusão com influencer Carlinhos Maia; entenda
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/plateia-abandona-sessao-por-cenas-de-sexo-explicito-de-filme-em-cannes/
Cena de sexo bastante longa em banheiro entre personagens foi criticada
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/classico-caverna-do-dragao-e-revivido-em-live-action-para-comercial/
A recepção da propaganda foi tão boa que internautas logo pediram um filme
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/juntos-e-shallow-now-5-versoes-do-hit-menos-piores-que-a-de-paula-fernandes/
Tem nos ritmos forró, country e, claro, no estilo pagodão da La Fúria; ouça
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/famoso-no-video-game-drift-conta-ate-com-campeonato-brasileiro/