'Blackout Tuesday': entenda por que o seu feed está cheio de imagens pretas

em alta
02.06.2020, 13:16:00
Atualizado: 02.06.2020, 13:28:14

'Blackout Tuesday': entenda por que o seu feed está cheio de imagens pretas

A ação teve início na indústria da música

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

(Foto: Reprodução)

Nesta terça-feira (2) as redes sociais amanheceram diferentes. Muitos famosos, brasileiros e gringos, postaram imagens pretas como foto de perfil, ou no feed, ao lado das tag indicando "blackout de terça". O protesto faz parte do movimento batizado de Blackout Tuesday e busca chamar atenção para a violência contra negros. A ação faz parte das manifestações que começaram nos EUA depois da morte de George Floyd nas mãos da polícia americana. 

Artistas como Elton John, Cardi B, Dakota Fanning, Naomi Watts, Emilia Clarke, Rihanna, Michael B. Jordan, o brasileiro Neymar, entre outros, fizeram posts relacionados ao movimento.

A ação teve início na indústria da música, com vários artistas se comprometendo a passar o dia sem promover nenhum trabalho, com a tag The Show Must Be Paused (O show deve ser interrompido). A ideia era fazer um dia desconectado do trabalho e mais ligado à comunidade. 

O Spotify, maior plataforma de streaming de música do mundo, se comprometeu a ficar 8 minutos e 46 segundos em silêncio em playlists e podcasts selecionados - tempo em que Floyd permaneceu imobilizado pelo policiaal em Minneapolis. O Apple Music cancelou a programação regular da rádio Beats 1, usando o espaço para promover músicas produzidas por artistas pretos. Gravadoras como Warner e Atlantic também anunciaram que não vão funcionar hoje.

A ideia do apagão é mostrar a apoio à comunidade negra e também permitir que os feed mais quietos ajudem a dar visibilidade a posts de pessoas negras. 

Os protestos acontecem desde a última semana nos EUA depois que Floyd, um homem preto, foi morto por um policial branco durante uma abordagem. Ele alertou que tinha dificuldades para respirar e apesar dos protestos de testemunhas presentes no momento continuou sendo contido com um joelho no pescoço. Floyd chegou a ser socorrido depois, mas não resistiu.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas