Bolsonaro diz a Putin ser solidário à Rússia e cita colaboração entre os países

brasil
16.02.2022, 09:23:51
(Alan Santos/PR)

Bolsonaro diz a Putin ser solidário à Rússia e cita colaboração entre os países

Bolsonaro ainda agradeceu a Putin pelo convite para a visita oficial a Moscou

O presidente Jair Bolsonaro iniciou, no Kremlin, o encontro com o presidente da Rússia, Vladimir Putin, ponto alto da viagem oficial ao país. Nos cumprimentos iniciais, o chefe do Executivo brasileiro destacou ao russo que é solidário ao país e que deseja colaborar nas áreas de defesa, petróleo, gás e agricultura.

A afirmação sobre solidariedade vem em meio às tensões entre a Rússia e a Ucrânia. O presidente, no entanto, não citou diretamente o tema. "Somos solidários à Rússia e queremos muito colaborar em várias áreas, defesa, petróleo e gás, agricultura. As reuniões estão acontecendo", disse o chefe do Executivo brasileiro a Putin, na manhã desta quarta-feira, 16, pelo horário de Brasília, com a ajuda de um intérprete.

Bolsonaro ainda agradeceu a Putin pelo convite para a visita oficial a Moscou. "Estou muito feliz e honrado com seu convite. Nossa passagem por aqui é retrato para o mundo de que podemos crescer muito em nossas relações bilaterais", seguiu.

Em seguida, Bolsonaro agradeceu o apoio do Kremlin ao caso de um brasileiro preso na Rússia. "Estamos à disposição e tenho certeza de que esse encontro será muito produtivo para nossos povos", finalizou, antes de seguir para a parte reservada da agenda.

Já Putin manifestou a Bolsonaro alegria em recebê-lo, comemorou a manutenção do comércio bilateral entre os países durante as restrições da pandemia e disse esperar que o encontro seja produtivo. "Brasil é nosso principal parceiro na América Latina", destacou o líder russo, que também mantém boas relações com a Argentina.

Encontro
A pauta central da reunião entre os dois será a crise dos fertilizantes, mas Bolsonaro também considera falar de cibersegurança, como mostrou a reportagem do Estadão/Broadcast. A crise envolvendo a Ucrânia será outra pauta da reunião, de acordo com o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, apesar da orientação do Itamaraty para que o presidente evitasse o tema.

Para participar da reunião, Bolsonaro teve de se submeter a um teste de covid-19 do tipo RT-PCR nesta manhã em seu hotel em Moscou. Além disso, o encontro bilateral terá a presença apenas dos dois presidentes e de intérpretes. As medidas obedecem protocolos sanitárias rígidos do Kremlin em função da pandemia.

Dois integrantes do Itamaraty ouvidos reservadamente pela reportagem relatam certo temor de um encontro de Bolsonaro e Putin sem a presença de diplomatas.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas