Brasil vai à final no 4x100m masculino no Mundial de Atletismo

esportes
04.10.2019, 16:41:26
Atualizado: 04.10.2019, 17:06:43
(Foto: Wagner do Carmo/CBat)

Brasil vai à final no 4x100m masculino no Mundial de Atletismo

Quarteto nacional igualou recorde de Sydney-2000

O Brasil garantiu sua presença na final do revezamento 4x100m masculino do Mundial de Doha. Rodrigo Nascimento, Vitor Hugo dos Santos, Derick Silva e Paulo André avançaram na segunda colocação da bateria eliminatória após cravar 37s90, igualando o recorde brasileiro dos Jogos de Sydney 2000.

Com a classificação, país está praticamente assegurado nos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020 - precisa apenas completar a final, que acontecerá neste sábado (5), às 16h15, para carimbar o passaporte no Japão.

A vencedora da bateria 1, que ficou à frente do Brasil, foi a a Grã-Bretanha, que fez 37s56. Em terceiro, apareceu os Estados Unidos, com 38s03. Além dos três, também estarão na final a África do Sul (37s65), Japão (37s78), China (37s79), França (37s88), Holanda (37s91) e Canadá (37s91).

O grupo brasileiro, aliás, é o atual campeão do Campeonato Mundial de revezamento no 4x100m, torneio que foi disputado em maio em Yokohama. Lá, a equipe fez o tempo de 38s05. Mas havia uma diferença: Jorge Vides estava no lugar de Vitor Hugo dos Santos. A troca foi feita pois Vides está lesionado.

No Mundial de Doha, o time masculino do Brasil busca sua terceira medalha - já ganhou o bronze em Sevilha 1999 e a prata em Paris 2003.

Na prova feminina, as brasileiras não tiveram boas notícias. Bruna Jessica Farias, Vitória Rosa, Lorraine Martins e Rosângela Santos ficaram em quarto em sua bateria, com o tempo de 42s68. Porém, pouco depois da realização da prova, a Federação Internacional de Atletismo (IAAF) desclassificou a equipe por uma suposta invasão de raia de Bruna. A Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt) vai recorrer.

Pelo lançamento de disco, a brasileira Fernanda Borges terminou na sexta colocação após disputar a final feminina e alcançar a marca de 62,44m. Essa foi a melhor posição do país em uma prova de campo em um Mundial. A vencedora foi a cubana Yaimé Perez, com 69,17m, seguida por Denia Cabllero, também de Cuba, com 68,44m, e pela croata Sandra Perkovic, com 66,72m.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas