Caixa deve investir cerca de R$ 85 bilhões no mercado imobiliário

economia
17.02.2017, 16:20:00
Atualizado: 17.02.2017, 16:27:47

Caixa deve investir cerca de R$ 85 bilhões no mercado imobiliário

Gilberto Occhi não comentou quando passará a valer as novas propostas de financiamento do Minha Casa Minha Vida anunciadas no início do mês pelo presidente Temer

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

 

O presidente da Caixa Econômica Federal, Gilberto Occhi, esteve hoje (17/2) em Salvador para conversar com construtores e incorporadores baianos sobre financiamentos habitacionais, programa Minha Casa Minha Vida (MCMV) e análise de risco das empresas. Durante o evento, que aconteceu no auditório do Sindicato da Indústria da Construção do Estado da Bahia (Sinduscon-BA), na Pituba, Occhoi anunciou que a Caixa aprovou um investimento de R$ 84,2 bilhões no setor imobiliário e de habitações para este ano. O número é um pouco maior do que os R$ 83,5 bilhões investidos em 2016.

 

Durante o evento, o presidente da Caixa não comentou quando passará a valer as novas propostas de financiamento do Minha Casa Minha Vida, que foram anunciadas no início do mês pelo presidente Michel Temer. Mas revelou que a expectativa é que se utilize cerca de R$ 500 milhões do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) para a compra de novos imóveis. Ele lembrou ainda que as medidas para a recuperação do setor começaram ainda no ano passado, quando foi anunciado o aumento para R$ 1,5 milhão no valor máximo das unidades habitacionais que podem ser adquiridos pelo Sistema Financeiro da Habitação (SFH), que cobra juros menores que os demais financiamentos de mercado.

 

“Significa dizer que você inclui mais pessoas quando você aumenta o valor do imóvel que é passível de compra com o uso do FGTS. Você insere mais pessoas e dá a oportunidade de esses requerentes, que tiverem algum recurso no FGTS, de usar na compra desse imóvel”, afirmou Occhi. O presidente da Caixa citou ainda o saque das contas inativas do FGTS e as novas regras do MCMV como medidas adotadas pelo governo para aquecer o mercado imobiliário. “A redução da taxa de juros e da inflação já está ocorrendo. O que precisamos agora é resgatar a geração de emprego. É por isso que a Caixa está aqui hoje com Sinduscon e Ademi, porque precisamos ouvir o setor empresarial, e já estamos fazendo isso no Brasil inteiro”, concluiu.

 

Estiveram presentes no evento o presidente do Sinduscon-BA, Carlos Henrique Passos, o presidente da Associação de Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário (Ademi-BA), Cláudio Cunha, o vice-presidente de Habitação da Caixa Econômica Federal, Nelson Antônio de Souza, o vice-presidente de Risco da Caixa Econômica Federal, Paulo Henrique Ângelo de Souza, e o vice-governador da Bahia, João Leão.

 

Para o presidente da Ademi-BA, Cláudio Cunha, o ano de 2017 começou com saldo positivo para o setor imobiliário. “Começamos 2017 com boas notícias, como o controle de inflação, redução de taxas de juros, os programas de incentivos do governo para a construção civil e isso agora (novas regras do MCMV e aumento do limite para compra de imóvel com o FGTS). Temos também a segurança jurídica com a nova Lei de Uso do Solo e o novo Plano Diretor, que passou a valer a partir de janeiro”, comentou. Ele ressaltou ainda que novos empreendimentos já estão em fase de análise ou procura de terrenos.

 

Já o presidente do Sinduscon-BA lembrou a importância da aproximação entre as empresas de construção civil com a Caixa. “Há um desejo da construção civil em operar com a Caixa, em trabalhar com a Caixa. Alguns, muitas vezes, já são clientes da Caixa, mas precisam também ser clientes da carteira habitacional da Caixa”, disse.  

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas