Caminhoneiros decidem continuar as manifestações na Bahia

bahia
29.05.2018, 21:43:00
Atualizado: 29.05.2018, 22:33:47

Caminhoneiros decidem continuar as manifestações na Bahia

Reunião entre governo e autônomos não agradou categoria

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Os caminhoneiros decidiram nesta terça-feira (29) que vão continuar obstruindo as rodovias baianas e impedindo a passagem de caminhões após reunião com representantes do governo do estado. Um grupo de 11 caminhoneiros autônomos que estão à frente do movimento no estado levaram a pauta de reivindicações da categoria para o governo, na tentativa de avançar nas negociações para o fim da paralisação na Bahia. Como não houve avanços, saíram de lá decididos a manter os bloqueios. 

"Vamos manter nossa paralisação. Não iremos desobstruir vias nem liberar caminhões até que o presidente e o governador façam uma intervenção a favor da redução do preço da gasolina, do gás de cozinha,do  etanol e do óleo diesel. Esse é um anseio da sociedade. Estamos clamando para que o povo abrace nosso movimento", pontuou o caminhoneiro Marcos Nogueira, um dos líderes do movimento, que esteve presente na reunião. 

Foto: Divulgação
Entre as pautas colocadas na reunião entre as partes, esteve a redução do ICMS nos combustíveis e no gás de cozinha. (Foto: Divulgação)

Foram tratados temas como a redução do ICMS nos combustíveis, não cobrança de pedágio nos eixos suspensos e redução do custo do exame toxicológico. Os onze motoristas autônomos foram recebidos na Secretaria de Relações Institucionais (Serin), onde foi garantida a suspensão da cobrança do pedágio sobre o terceiro eixo dos caminhões, quando vazios, e a continuidade do diálogo. 

Sobre a redução do ICMS, segundo os caminhoneiros, a representante da Serin disse que não poderia tratar do tema sem falar antes com o governador. O governo do estado não respondeu aos questionamentos do CORREIO sobre o tema. Ficou acertada uma nova reunião entre as partes, porém sem data definida. 

Outro grande motivo de frustração pelos manifestantes foi o fato de não terem sido recebidos pelo governador Rui Costa. A Secretaria de Comunicação do Estado da Bahia (Secom) informou que ele estava em um compromisso previamente agendado. 

Segundo nota divulgada pela Secom, outros pontos foram apresentados aos representantes do governo estadual, mas as pautas eram de responsabilidade do governo federal.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas