Carro invade calçada e mata mulher atropelada em frente ao TCA

salvador
04.12.2018, 13:13:00
Atualizado: 04.12.2018, 19:04:32

Carro invade calçada e mata mulher atropelada em frente ao TCA

Veículo teria se envolvido antes em um acidente com um ônibus

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

(Foto: Reprodução/Record TV)

Uma motorista perdeu o controle do carro que dirigia e invadiu o ponto de ônibus em frente ao Teatro Castro Alves (TCA), no Campo Grande, na tarde desta terça-feira (4), matando uma mulher e ferindo outra - as vítimas são filha e mãe. De acordo com primeiras informações, o carro é um Fiat Toro que vinha na Rua Leovigildo Filgueiras, no Garcia, e se envolveu em uma batida com um ônibus que vinha da Rua João das Botas, no Canela. Após o choque, o carro acabou sendo lançado sobre a calçada. 

Equipes do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e do Corpo de Bombeiros foram acionadas para prestar socorro. Uma das vítimas, Carla Beatriz Santana Santos, 37 anos, morreu a caminho para o Hospital Geral do Estado (HGE). Já a mãe dela, a doméstica Rita de Cássia Santana, 56, deu entrada na unidade com traumatismo craniano, em estado grave de saúde. Ela mora na Fazenda Grande 1, onde também vivia a filha.

O mototaxista Everaldo Almeida, 56 anos, contou que era por volta de 12h30 quando o acidente aconteceu. Ele estava próximo ao local e ouviu o barulho do impacto entre ônibus e carro.

"Ele bateu na lateral, na verdade no para-choque do ônibus. Aí [o carro] sobe o canteiro", relembra. A motorista perdeu o controle com a batida e subiu na calçada. No caminho, colidiu e derrubou uma placa que informava itinerário das linhas no local, e depois atropelou as duas mulheres. "Faltou pouco para não ser pior. A placa segurou um pouco a velocidade do veículo e muita gente saiu correndo", acrescenta, lembrando que o ponto de ônibus estava lotado de pedestres.

Testemunhas confirmam também que o ponto de ônibus estava cheio no momento do atropelamento. O veículo passou ao lado de uma barraquinha de salgados, por pouco não atingindo a vendedora, que mesmo uma hora depois do acidente ainda estava bastante nervosa e chorando muito. Uma outra mulher passou mal ao ver o atropelamento - havia muito sangue na calçada. Ela foi atendida ainda no local por uma equipe do Samu. 

O jornaleiro Railton Santos, 23, que trabalha na barraca em frente ao ponto, não presenciou o atropelamento, mas chegou quando o carro ainda estava no local. "A condutora ficou dentro do carro, muito nervosa", diz. Policiais chegaram depois e conversaram com a motorista, que saiu do local conduzindo o veículo pouco depois. "É a primeira vez que vejo um acidente como esse. É um cenário que assusta", afirma. 

O ônibus envolvido no acidente fazia a linha Engenho Velho da Federação/Nazaré. "O motorista ficou assustado, mas agora está bem. O carro atingiu a lateral do para-choque do ônibus e depois perdeu o controle. O ônibus estava lotado na hora do acidente, mas nenhum dos passageiros se feriu", contou o supervisor operacional da empresa Concessionária Salvador Norte, Francisco Montes, que está dando assistência ao rodoviário.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas