Carros que até estacionam sozinhos por menos de R$ 80 mil

Assinatura Digital - Exclusivo para Assinante
31.05.2020, 05:04:00
Atualizado: 02.06.2020, 10:16:02
Quando há alguma pessoa ou objeto fora do campo de visão do motorista uma luz laranja acende nos retrovisores do Chevrolet Onix na versão Premier (Fabio Gonzalez / GM)

Carros que até estacionam sozinhos por menos de R$ 80 mil

Se o dinheiro não for problema, há ainda sistema de visão noturna, comandos de voz e por gestos

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Até um passado recente, para o carro para ser considerado completo bastava ter ar-condicionado, direção com assistência hidráulica e o trio elétrico, que é composto por travamento automático das portas, vidros com elevadores elétricos e retrovisores com comandos remotos. Mas tudo mudou rapidamente. Hoje, são oferecidos itens como piloto automático adaptativo, sensor de colisão, alerta de ponto cego, assistente de estacionamento e até detector de fadiga.
 
Há alguns anos, quando surgiram, muitos desses equipamentos eram oferecidos apenas em modelos considerados premium, de marcas como Audi, BMW, Mercedes-Benz e Volvo. Mas essas tecnologias estão sendo ampliadas e já estão presentes em vários modelos que custam menos de R$ 100 mil. Ou seja, ainda não são acessíveis a todos os consumidores de automóveis, mas já estão alcançando um público mais amplo.
 
Dessa forma, veículos como Chevrolet Onix, Hyundai HB20, Renault Duster e Volkswagen Polo, por exemplo, oferecem alguns cobiçados itens de segurança e conforto que anteriormente só estavam presentes em automóveis de luxo. Em uma versão que custa R$ 78.690, a Premier com o pacote R7M ou R7R, o Chevrolet Onix oferece sistema de estacionamento automático, que detecta se o veículo cabe em determinada vaga e ainda gira o volante para o motorista. Perfeito para quem não gosta de fazer baliza.
 
Tem ainda um alerta de ponto cego, quando uma luz se acende nas extremidades dos retrovisores quando um objeto, pessoa ou outro veículo estão posicionados em uma área oculta aos olhos do condutor. Na versão Iconic, que custa R$ 90.690, o Renault Duster também oferece esse equipamento.

Por R$ 78.690 a Chevrolet oferece no Onix câmbio automático, wifi, sensor de ponto cego e um assistente que faz baliza para o motorista
Por R$ 78.690 a Chevrolet oferece no Onix câmbio automático, wifi, sensor de ponto cego e um assistente que faz baliza para o motorista (Fabio Gonzalez / GM)
A nova geração do Hyundai HB20 conta com um radar que pode até parar completamente o carro para evitar uma colisão frontal
A nova geração do Hyundai HB20 conta com um radar que pode até parar completamente o carro para evitar uma colisão frontal (Hyundai / Divulgação)
O equipamento de segurança é oferecido na versão Diamond Plus, que custa R$ 77.990 e conta com motor turbo e câmbio automático
O equipamento de segurança é oferecido na versão Diamond Plus, que custa R$ 77.990 e conta com motor turbo e câmbio automático (Hyundai / Divulgação)
Atualizado este ano, o Renault Duster passou a contar com um detector de ponto cego em sua configuração topo de linha, a Iconic
Atualizado este ano, o Renault Duster passou a contar com um detector de ponto cego em sua configuração topo de linha, a Iconic (Rodolfo Buhrer / Renault)
Para avisar se há algo que o motorista pode não ver, uma luz laranjase acende nas extremidades dos retrovisores externos
Para avisar se há algo que o motorista pode não ver, uma luz laranjase acende nas extremidades dos retrovisores externos (Rodolfo Buhrer / Renault)
A versão Highline do Polo tem um detector de fadiga. O sistema é capaz de checar, por meio de alguns parâmetros, se o condutor está cansado
A versão Highline do Polo tem um detector de fadiga. O sistema é capaz de checar, por meio de alguns parâmetros, se o condutor está cansado (Antônio Meira Jr. / CORREIO)
A versão Altis da nova geração do Toyota Corolla tem bastante tecnologia, como o piloto automático adaptativo e farol automático
A versão Altis da nova geração do Toyota Corolla tem bastante tecnologia, como o piloto automático adaptativo e farol automático (Toyota / Divulgação)
A Ranger Limited tem leitor de faixas, ACC e um detector de fadiga. Se entender que o motorista está cansado sugere uma pausa
A Ranger Limited tem leitor de faixas, ACC e um detector de fadiga. Se entender que o motorista está cansado sugere uma pausa (Antônio Meira Jr. / CORREIO)
A opção mais cara do Mitsubishi Eclipse Cross, a HPE-S, tem uma tela que projeta várias informações na altura do capô
A opção mais cara do Mitsubishi Eclipse Cross, a HPE-S, tem uma tela que projeta várias informações na altura do capô (Mitsubishi / Divulgação)
Todos os modelos da Volvo, como o XC40, contam com um sistema que evita acidentes com veículos que transitam na pista oposta
Todos os modelos da Volvo, como o XC40, contam com um sistema que evita acidentes com veículos que transitam na pista oposta (Antônio Meira Jr. / CORREIO)
Por meio de uma câmera infravermelha alguns modelos da Audi conseguem detectar pessoas e animais mesmo no escuro
Por meio de uma câmera infravermelha alguns modelos da Audi conseguem detectar pessoas e animais mesmo no escuro (Audi / Divulgação)
O assistente de visão noturna é oferecido como opcional no mercado brasileiro em quatro modelos: A6, A7 (foto), Q8 e elétrico e-tron
O assistente de visão noturna é oferecido como opcional no mercado brasileiro em quatro modelos: A6, A7 (foto), Q8 e elétrico e-tron (Antônio Meira Jr. / CORREIO)
O Mercedes Classe A aceita comandos de voz para algumas funções, como o ajuste da temperatura e para abrir ou fechar persiana do teto-solar
O Mercedes Classe A aceita comandos de voz para algumas funções, como o ajuste da temperatura e para abrir ou fechar persiana do teto-solar (Daimler / Divulgação)
Essa é a chave oferecida a alguns modelos da BMW.  Chamada pela marca de Display Key ela se parece com um smartphone
Essa é a chave oferecida a alguns modelos da BMW. Chamada pela marca de Display Key ela se parece com um smartphone (BMW / Divulgação)
No país a central multimídia do Série 7, X5, X6 e X7 podem ser comandas com gestos. É possível atender chamadas e mudar estações, por exemplo
No país a central multimídia do Série 7, X5, X6 e X7 podem ser comandas com gestos. É possível atender chamadas e mudar estações, por exemplo (BMW / Divulgação)
 

Alertas e monitoramentos  
O Hyundai HB20 também tem um pacote tecnológico interessante na versão Diamond com o pacote Plus, que custa R$ 77.990. O modelo, produzido no interior de São Paulo, conta sistema anticolisão, alerta de mudança de faixa e monitoramento dos pneus. O sistema de alerta e frenagem autônoma identifica pedestres e outros veículos à frente, e, se houver de risco de colisão, emite um alerta sonoro. Caso não haja qualquer intervenção do motorista, ativa os freios automaticamente. Em velocidades de até 50 km/h, o recurso proporciona a parada completa do veículo antes de uma batida.
 
Já o alerta de mudança de faixa monitora as faixas de rodagem da via. Se o veículo sair de sua trajetória sem indicação de mudança de direção, o sistema avisa o condutor por meio de uma luz no quadro de instrumentos e um alerta sonoro. Mesmo quando não há a pintura adequada das faixas, o monitoramento consegue “entender” a trajetória adequada e permanece eficiente.
 
O monitoramento de pressão dos pneus, além de equipar o HB20, está presente em outros modelos, como o Onix e o Fiat Argo. Em alguns casos, ele mostra individualmente a pressão de cada pneu, em outros, avisa somente se algum deles está com a pressão errada.
 
No Polo, a Volkswagen instalou um sistema que detecta se o motorista está cansado. Funciona verificando o modo de condução no início do trajeto. Monitora o ângulo de esterçamento do volante, a pressão aplicada nos pedais e as acelerações lateral e longitudinal do veículo. Está disponível na versão Highline, que custa R$ 86.680.
 
Ao longo do percurso, ele compara todos esses parâmetros com os do início da viagem, e avalia se vai “recomendar uma pausa” ao motorista. Que pode ser por um aviso no quadro de instrumentos e/ou um sinal sonoro. O símbolo é bem lúdico: uma simpática xícara de café quente.
 
Freia e acelera sozinho
O piloto automático, programa que mantém o veículo em uma velocidade constante, é antigo. Foi desenvolvido pela Chrysler em 1958. Já o primeiro automóvel produzido no Brasil com esse recurso foi o Chevrolet Omega em 1993. Já o piloto automático adaptativo, ou ACC (de adaptive cruise control), é uma evolução do controle cruzeiro.
 
O ACC é a base dos sistemas de condução autônoma. Por meio de sensores ou radares, ele acelera ou freia automaticamente o veículo para manter a velocidade selecionada de acordo com o fluxo do trânsito, sem a necessidade de intervenção do motorista. Assim, se você selecionou que quer rodar a 80 km/h na Avenida Paralela e encontra na via um veículo trafegando a 70 km/h na mesma faixa, o seu veículo irá reduzir automaticamente o ritmo. Depois da ultrapassagem irá acelerar até retomar à velocidade pré-programada.
 
Entre os modelos mais baratos do mercado com esse recurso estão o Volkswagen Jetta R-Line, oferecido por R$ 128.040, e o Toyota Corolla Altis, que custa R$ 134.990. No modelo japonês há outro item que não foi citado ainda, o farol automático. Com a função acionada, o faixo de luz é mudado de alto para baixo assim que detecta as luzes de um veículo em sentido contrário. Outro sedã que equipado com esse equipamento é o Chevrolet Cruze Premier II (R$ 125.590). 
 
Quem também tem esse sistema de iluminação é a Ranger na versão Limited. Por R$ 205.990, a Ford também entrega o ACC, o que faz da Ranger a única picape com esse equipamento, e também o leitor de faixas e o detector de fadiga. A Chevrolet S10 na configuração High Country, que custa R$ 213.290, tem esse último item e o aviso de colisão frontal, assim como outros três modelos da marca: Cruze, Equinox e Tracker - a depender da versão.
 
Entre os SUVs, o Jeep Compass oferece o ACC dentro de um pacote de equipamentos para a versão Limited Flex 4x2. O veículo custa R$ 153.990 e a empresa cobra mais R$ 7 mil para agregar o comando avançado de velocidade, aviso de mudança de faixas, alerta de colisão frontal com frenagem de emergência e dois itens de conforto, o som da Beats e a abertura elétrica do porta-malas.
 
Por R$ 165.990, a Mitsubishi também oferece esse o piloto automático inteligente no Eclipse Cross HPE-S. Entre outras tecnologias, o SUV também conta com o monitoramento de pontos cegos e um head up display, uma tela que projeta várias informações na altura do capô, no campo de visão do motorista.
 
Mercado premium
Se tudo que falamos até agora já fazia parte dos carros de luxo há vários anos, as atrações desse segmento agora são outras. Inclusive, utilizando as diversas engenhocas já citadas, é possível que o veículo ande sozinho. Associando o piloto automático adaptativo, que reduz e aumenta a velocidade; o alerta de colisão, que freia em emergências; e o detector de faixas, que conduz o veículo dentro das marcações da pista; é possível que o motorista seja apenas um passageiro. 
 
Mas no Brasil ainda é preciso pistas adequadas e ajustes na legislação de trânsito. De qualquer forma, rodar com tudo isso ativado auxilia bastante. Assim, uma eventual distração do motorista poderá ser corrigida. 
 
Criadora do cinto de segurança de três pontos, em 1959, a Volvo é umas referências no quesito de proteção a bordo dos seus veículos. Depois de melhorar a estrutura dos automóveis e agregar itens que protegem os ocupantes, foi além: a velocidade máxima dos seus automóveis será limitada a 180 km/h. A expectativa da empresa sueca é zerar as mortes de ocupantes dentro dos seus carros a partir do ano que vem.
 
Entre os aparatos que a Volvo utiliza para atenuar acidentes, há um radar que monitora o trânsito e freia o carro automaticamente para reduzir o dano de colisão com um veículo que se aproxima na contramão - esse sistema funciona em velocidades entre 60 km/h e 140 km/h. Todos os modelos da marca oferecidos no Brasil contam com esse atributo. Custam a partir de R$ 199.950, preço do XC40 na versão Inscription do SUV.
 
Na Audi um dos destaques é o Night Vision. O artifício tem o objetivo de mostrar obstáculos da pista de forma iluminada no quadro de instrumentos digital. Para garantir eficiência e alertar o motorista em casos de perigo, o recurso alcança uma distância de até 300 metros.
 
A tecnologia funciona por meio de uma câmera infravermelha, que reage ao calor e converte esse processo em imagens. É um bom auxílio para evitar, por exemplo, o atropelamento de animais que costumam invadir a pista à noite. No Brasil, a Audi oferece o Night Vision Assist no A6, A7, Q8 e no recém-lançado e-tron. Desses, o mais barato é o A6, que custa a partir de R$ 439.990 e o assistente de visão noturna é oferecido por mais R$ 16 mil.
 
Fala que eu te escuto
Para atrair quem tem orçamentos maiores, há diversas opções. Em alguns modelos da Mercedes-Benz é possível falar com o carro, e ele te responde. Basta estar a bordo e falar “Oi”, “Olá” ou “E Aí” seguidas por “Mercedes” para ativar a função. Em seguida, basta ordenar o que deseja, como ajustar o ar-condicionado, mudar a estação de rádio e abrir a persiana do teto-solar. Lembra a Siri dos equipamentos da Apple ou a Alexa da Amazon. Alguns veículos da fabricante oferecem, como todas versões do Classe A, que custa entre R$ 139.990 (A 200 Sedan Style) e R$ 337.900 (A 35 Sedan 4M).
 
Entre outras coisas, a BMW, que tem um sistema de “bate-papo” similar ao da Mercedes, oferece para alguns dos seus veículos uma chave que parece um smartphone. Denominada como smartkey, ou chave inteligente, ele se parece com um celular atual e precisa até ser carregada. Por meio de um display, informa a autonomia e dá acesso a diversas funções do computador de bordo. Com ela, é possível também ligar remotamente o veículo e ajustar a temperatura interna. No mercado brasileiro, é integrada ao M5, Série 7, Série 8, X5, X6, X7 e i8. Desses, a opção mais barata é o X5 que custa R$ 524.950.
 
A fabricante alemã também desenvolveu um detector de gestos, que podem ser habilitados para comandar algumas funções da central multimídia. Assim, basta fazer um sinal giratório com a mão para aumentar o volume ou um lateral para mudar a estação do rádio. No país é oferecido no Série 7 (R$ 583.950), X5 (R$ 524.950), X6 (R$ 567.950) e X7 (R$ 815.950).
 
Faça uma boa escolha
Muitas vezes, o orçamento não permite ter as melhores tecnologias a bordo, sejam elas voltadas ao conforto ou à proteção. Por isso é importante pesquisar na hora da compra. No caso dos modelos abaixo de R$ 100 mil, por exemplo, tenha em foco que seu dinheiro precisa ser muito bem aplicado e leve em consideração quais são os recursos de segurança que aquele carro irá oferecer para você e a sua família. Para os modelos premium, diversos dos itens citados aqui são mandatórios.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas