Caruru em casa: veja 20 opções de delivery de comida baiana para manter a tradição

salvador
13.09.2021, 05:00:00
Atualizado: 13.09.2021, 07:26:39
Em tempos de pandemia, a tradição de comer caruru em setembro ganhou o incremento dos serviços de entrega (Divulgação)

Caruru em casa: veja 20 opções de delivery de comida baiana para manter a tradição

Em tempos de pandemia, baianos organizam delivery para não abandonar a tradição de comer caruru de São Cosme e Damião

Na casa de Marilena Teles da Paixão, 60, a tradição de oferecer caruru em setembro nasceu junto com um dos filhos, Alan, que veio ao mundo prematuro, mas que esse ano, está completando três décadas de existência. A oferta desse banquete baiano para os santos Cosme e Damião era um pedido para que a criança vingasse.  Hoje, ainda vivendo a pandemia do corona vírus, a família não apenas oferece o caruru como também comercializa e entrega, através do restaurante Cozinha da Mari.

O incremento do delivery nas tradições baianas ganhou reforço esse ano, uma vez que a situação ainda exige cuidados, mas quando, talvez por conta do distanciamento social de quase dois anos, as pessoas estão ainda mais saudosas da possibilidade de comer bem e abraçar a identidade cultural. Para garantir que seu setembro não passe em branco, o Correio escolheu alguns dos serviços mais elogiados pelos leitores, que sugeriram e recomendaram os melhores carurus servidos em Salvador. (Confira abaixo).

A pesquisadora e mestre em Família na Sociedade Contemporânea Anaildes Santana, na sua dissertação No Caminho do Sabor e da Cultura - Transmissão Geracional de Receitas Típicas Baianas, defendida na Universidade Católica do Salvador, defende o argumento de outros estudiosos como Câmara Cascudo, onde o Caruru, embora tenha um nome indígena, é um prato nascido da miscigenação brasileira, com fortes traços da cultura africana. 

Na Bahia, o Caruru de Cosme e Damião constitui um verdadeiro banquete onde os pratos vão além da comida feita com quiabo, camarão seco, cebola, amendoim e castanha (Foto: Luna Garcia/Divulgação)

No entanto, quando se fala de Caruru para Cosme e Damião, preciso levar em consideração que a mesa será colocada não apenas o prato com quiabo, azeite de dendê, cebola, camarão seco, amendoim e castanha; mas o vatapá, acarajé, abará, arroz branco, xinxim de galinha, farofas de dendê e mel, feijão fradinho, feijão preto, cana cortada, rapadura, doces, balinhas e tudo o que possa agradar os santos crianças.  

Setembro e sextas

Segundo Anderson Teles da Paixão, responsável por tocar o negócio com a família, no restaurante Cozinha da Mari, todas as sextas feiras é dia de comida baiana, no entanto, no mês setembro, as demandas aumentam e, além de cozinhar para manter as tradições de origem islâmica (o islamismo chegou à Bahia junto com os primeiros povos negros escravizados e, num misto de resistência e sobrevivência, se dissolveu em meio aos costumes de outros povos africanos) de não comer carne vermelhas às sextas, eles também atendem às demandas de famílias, amigos e empresas que oferecem caruru nesse período. 

“Fazemos um caruru completo na melhor tradição baiana e de Cosme e Damião, com direito aos doces e balinhas”, conta Anderson. Ele diz que entre os seus clientes tem aqueles que mantém, inclusive, a tradição de oferecer o banquete para as crianças e para a população, independente da parte da comida servida para a família. 

“Para esses, geralmente, não apenas preparamos os pratos, como também fazemos à entrega em áreas como o Aquidabã e o Largo dos Mares”, conta, ressaltando que a tradição não apenas cumpre os rituais culturais e da fé, seja católica ou das matrizes africanas, como também atendem um papel de solidariedade importante nesse momento em que a inflação é alta e a fome volta a ser uma preocupação no País.

Embora tenha nome indígena, o Caruru possui fortes influências africanas e é oferecido nos festejos dos Ibéjis ou santos crianças nas tradições dos terreiros (Foto: Divulgação)

Inflação que atinge, inclusive, os produtos usados para preparar os pratos que integram o caruru de Cosme e Damião (Ibéjis ou santos gêmeos, numa alusão aos cultos afros), que festejam o dia 27 como seu. 

De acordo com o superintendente de políticas do Agro Negócio da Secretaria de Agricultura do Estado da Bahia, Claudemir Nonato diversas variáveis explicam a alta dos preços dos produtos que compõem o caruru de Cosme e Damião: desde a procura maior que a oferta, a alta dos preços dos combustíveis que impactam no valor nas feiras livres e mercados, até a inflação que vem crescendo desde o início da pandemia. 

Inflação e tradição

“A saca do quiabo, por exemplo, saltou de R$ 50,00 para R$ 125,00. A falta de empregos, as dificuldades econômicas resultado da pandemia gerou uma crise sem precedente, fazendo com que o Brasil voltasse a apresentar índices de fome compatíveis com aqueles vistos em 2004”, explica. Nonato faz questão de salientar um levantamento realizado pela Universidade Federal da Bahia, que mostra os índices de insegurança alimentar no Brasil e na Bahia.

 “Até mesmo os estados do Sul que, historicamente, são mais ricos, estão atravessando um período muito delicado”, esclarece, reforçando que esse quadro torna a manutenção das tradições de oferecer caruru para muitas pessoas algo ainda mais difícil.

Que o diga Jomar Garcia, batizado pela apresentadora Ana Maria Braga como o Jô da Bahia. Há 13 anos, ele fazia uma festa com samba, onde as pessoas se serviam e tinham a possibilidade de desfrutar de outros sabores além dos pratos tradicionais, a exemplo das saladas de siri catado e bacalhau e as frigideiras. Quem comparecia ao caruru ganhava um avental confeccionado especialmente para a ocasião.  

“Ano passado fiz o caruru no esquema de drive thru em virtude das medidas sanitárias. Esse ano, meu desejo é oferecer o caruru tradicional, com o avental,  e um caruru vegano, com direito a vatapá de inhame, leite de licuri e coco defumado para substituir os camarões”, conta.

Jô da Bahia deseja esse ano inovar no Caruru e oferecer opções veganas para aqueles que não comem proteína animal, mas desejam manter a tradição (Foto: Arquivo pessoal)

Atravessando tradições: do Caruru de Dona Detinha ao Ajeum da Diáspora 

Por Angélica Moreira 

Setembro chega mais uma vez e a cozinha da minha casa já está repleta de azeite de dendê, camarão seco, gengibre, castanha, amendoim e etc. Como uma legítima mulher baiana de candomblé, que trabalha com comida, vou fazer meu Caruru, mais um ano.  

E só de pensar em Caruru, já faço uma viagem a minha infância, no início da década de 70, em Pirajá, o bairro mais ecumênico que já conheci. Todos viviam em harmonia, independente das religiões. Na minha rua morava Dona Detinha ou Camucesse (nome pelo qual ela era chamada depois da iniciação no candomblé), uma mulher séria e respeitada, nós crianças endiabradas morríamos de medo do olhar dela. Uma mulher de iniciada para o inquice Angorô, mãe de santo famosa, que socorria a rua toda. Na casa dela só tinha as obrigações, não batia e não fazia festa pública, pois marido não gostava. Bem é uma longa história. Então vamos falar logo do caruru de Dona Detinha? 

Ela não chamava ninguém para ajudar, gostava de fazer tudo sozinha. Começava uma semana antes a catar o camarão seco, ralar o coco para o vatapá, os grãos eram selecionados e colocados em latas de alumínio brilhantes. No dia preparação do caruru, o trabalho começava de madrugada. 

Tinha que matar as galinhas, descascar e cortar a cebola para passar na máquina de moer, tudo era triturado nesta máquina, castanha amendoim e camarão seco. O caruru era de preceito, oferecido aos Ibejis. Ainda levava cana cortada, balas de mel, rapadura, inhame, acarajé, abará, banana da terra frita, farofa de dendê, etc. Tudo que os Ibeji gostam. Para nós, crianças, o apogeu era às 17 horas, depois que ela despachava a porta com três tipos de farofa e colocava os pratinhos fartos no altar, com as imagens de Cosme e Damião. Chamava as primeiras sete crianças da rua, que a essa altura já tinham disputado este lugar a tapas. 

Então começávamos a cantar “São Cosme mandou fazer duas camisinhas azul, no dia da festa dele São Cosme quer caruru. Vadeia Cosme, vadeia.....”. Ela vestia uma saia branca rodada e chegava com uma bacia farta e arriava três vezes e suspendia em seguida. Aí começava a balburdia, cada criança deveria segurar com toda força seu pedaço de galinha, enquanto comia os outros alimentos. Depois de tudo, limpávamos as mãos e as bocas na saia de Dona Detinha e ela sorria. Não vou nem contar, que certa vez a derrubamos em um caruru e ela riu como uma Ibeji. 

No mesmo dia, 27 de setembro, aconteciam outros carurus na rua e não tínhamos tempo a perder. Ainda tinha os pacotes de balas das galinhas gordas. Era um dia de muita atividade para nós, crianças da Segunda Travessa Alvora, em Pirajá. 

O primeiro caruru que ofereci completou 35 anos, foi no primeiro aniversário da minha filha primogênita, Daza. Havia me mudado para o Morro da Sereia fazia pouco tempo e resolvi fazer um caruru, como era recém chegada, achei que ninguém do bairro iria, mas quando os vizinhos sentiram o cheiro, invadiram literalmente a casa. Meus convidados chegaram depois e não tinha nem a pipoca. Depois disso, passei alguns anos fazendo um pouquinho, só para a família, em sinal de agradecimento. 

Nesses oito anos do Ajeum da Diáspora, no Tororó, venho fazendo Caruru para distribuir na rua, além de algumas quentinhas solidárias. Como também recebo encomendas já fui a Feira de São Joaquim, comprar alguns itens para este banquete. Aprendi com Dona Detinha, gosto de deixar tudo adiantado!


Onde pedir caruru

Cozinha da Mari   (@cozinhadamari.ssa)
Onde: Travessa Silvano, 66, Federação
Pedidos: Instagram ou whatsapp (71 9139-3748)
Valor: Pessoa – R$35,00/400g/vai completo

Jô da Bahia (@jodabahia)
Onde: . Rua Prof Francisco Goes Calmon, 47 E, São Caetano
Pedidos: Instagram ou whatsapp (71 8878-7072)
Valor: R$70,00/900 ml

Espaço cultural Casa da Mãe (@casadamaeoficial)
Onde: Rua Guedes Cabral 81, Rio Vermelho
Pedidos: 71999262101zap
Não vai ter delivery mas vai ter entrega na porta e encomenda 
Valor: R$ 75 para duas pessoas

Restaurante Caipira Express no Salvador Shopping
Onde: Salvador Shopping Online (www.salvadorshoppingonline.com.br), frete grátis no primeiro pedido ou nas compras acima de R$200
•         Comida baiana: R$35,90 (Vatapá, caruru, feijão fradinho, xinxim de galinha e arroz)
•         Moqueca de peixe: R$32,90 (moqueca, arroz, pirão e farofa de dendê
•         Moqueca de camarão: R$41,90 (moqueca, arroz, pirão e farofa de dendê)
•         Bobó de camarão: R$32,90 (bobó, arroz e farofa de dendê)
 Pedidos: Cesar Scariot (71 98138-7813)

Caranguejo do Pascoal (@caranguejodopascoal)
Onde: Rua Olhos d'Agua, 128 - Itapuã
Pedidos: Instagram e no local com reservas pelo: (71) 3249-4360

Casa da Carmem (@acasadacarmem)
Onde: Beco Dos Artistas, Garcia
Estamos no IFood
Whatsapp: 5571988854218

Dona Mariquita (@donamariquita)
Onde: R. do Meio, 178 - Rio Vermelho
⏰ | Delivery - Ifood - Pedidos e cardápio no 71
3334-6947 ou 71 3334 6988 
www.globalmenu.com.br/donamariquita

Restaurante Casa de Tereza 
Onde: Rua Odilon Santos, 45, Rio Vermelho.
No cardápio, o prato da culinária afro-brasileira é o famosos Caruru convencional, que chega à mesa servindo uma pessoa e acompanha vatapá, arroz, xinxim de galinha, feijão fradinho, banana da terra frita e farofa de dendê. 
Pedidos: WhatsApp (71) – 99170-6475 ou no (71) (71)3329-3016. 

Dendêlirando (@dendelirando)
Onde: Rua Albino Fernandes, 73. Sussuarana
Valor: O valor do caruru para duas pessoas comendo até 3 de tão caprichado é de R$75,00 reais com xinxim de frango e R$90,00 com moqueca de peixe, esses valores são para todas as Sextas-feiras. Acompanha: arroz, vatapá, feijão fradinho, farofa de dendê, caruru e banana frita.Para uma pessoa temos a opção de xinxim de frango R$37,00 e moqueca de peixe R$45,00, também às sextas-feiras. 
Aceitamos encomendas de caruru para Setembro, outubro e novembro, pode encomendar por nosso Whatsapp: (71) 99324-6582 ou pelo instagram @dendelirando . Um kit para 5-7 pessoas fica em torno de R$ 350,00.
Pedidos: linktr.ee/dendelirando
Whatsapp: 71 9324-6582

Dorival
Onde: Pituba Dorival na Pituba entrega pelo Ifood. Geralmente na quinta de noite as pessoas Pedidos: IFood/Whatsapp: 71 8816-4914, ZAP
Panela da Lulu (@paneladalulu.ssa)
Onde: Rua 24 de Junho, n9 casa 03- Cidade Nova.
Pedidos: Retirada, encomenda ou delivery pelo Whatsapp 8820-5001.

Garagen’s Frango
Onde: Rua Antônio Passos, Federação
Pedidos: IFood/Whatsapp(9305-3587)
Comida baiana todas as sextas (R27,90/R$49,90 – duas pessoas)
Cantina dos Artistas (@cantina_dos_artistas)
Quinta a Segunda.
Pedidos: WhatsApp/ Delivery 71999334842

Baiana Cida (@baianacida)
Pedidos: (71) 99155-3466

MIdispache (@midispache)
Restaurante Midispache™
Restaurante (cozinha regional)
opções veganas: @midispachevegan
Pedidos:midispache.com.br

Tempero da Rainha (@temperodarainhaa)
Petiscaria, Comida Baiana e Culinária Fitness com delivery em Lauro de Freitas e Salvador
Pedidos: Ifood /UberEats @carolvasconcelosf
Whatsapp: 5571993388794

Quentinha da Sica(@quentinhadasica)
A melhor quentinha da Bahia
Pedidos: 987893190/Delivery

Cozinha da G (@cozinha_da_g)
Trabalha com comida baiana todas as sextas
Xinxim de frango $18,00
Moqueca de camarão $25,00
Acompanha: arroz, feijão fradinho , farofa de dendê c camarão seco, vatapá , caruru, banana da terra frita
Pedidos: Whatsapp 71 991599422

Ajeum da Diáspora

Caruru distribuído para clientes e amigos em troca de leite para doação do Hospital Infantil Martagão Gesteira

R. Amparo do Tororó, 157 – Tororó 
Pedidos:(71) 99160-8933

Caruruzin da Chef Gleiciane Ramos 
Um kit para quatro pessoas que acompanha Caruru, Vatapá de pão, Farofa de dendê e camarão, Xinxim de frango, Feijão fradinho, Feijão preto, Banana frita, cocada. No mês de setembro, aberto de segunda a sábado. No valor de R$140,00. Entregam em Salvador e Lauro de Freitas mediante taxa. Aceitamos cartão.de crédito
Pedidos: Whatsapp -  9204-5294

Restaurante Encantos Da Maré (@encantosdamare)
Onde: Ao lado da Igreja do Bonfim /Quarta a Domingo 11h às 18h 
Pedidos:WhatsApp: (71) 98772-6375 
@deliene_mota
www.encantosdamare.com.br/links

Eddy Delivery (@eddydelivery)
Onde:Rua Cabo Astrogildo Saldanha número 5B Itapuã- 
Pedidos: @eddygastronomia

Cozinha do Dido (@cozinhadodido)
Pedidos:Whatsapp/5571993047920

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas