Caso Atakarejo: segurança e traficantes são presos por mortes de tio e sobrinho

salvador
10.05.2021, 07:02:11
Atualizado: 10.05.2021, 09:50:55
(Alberto Maraux/SSP-BA)

Caso Atakarejo: segurança e traficantes são presos por mortes de tio e sobrinho

Operação conta com 200 policiais e cumpre mandados em Salvador e Conceição do Jacuípe

Um segurança do Atakarejo e três traficantes do Nordeste de Amaralina foram presos, na manhã desta segunda-feira (10), durante a Operação Retomada. As prisões têm relação com os homicídios dos tio e sobrinho Bruno e Yan Barros da Silva, no mês passado, após serem acusados de furtarem carnes em uma das unidades do mercado.

Além das ordens de prisão, mandados de busca e apreensão estão sendo cumpridos em residências e também no estabelecimento comercial.

As ações ocorrem simultaneamente nos bairros de Nordeste de Amaralina, Mata Escura, Fazenda Coutos e no município de Conceição de Jacuípe. Participam da operação equipes dis Departamentos de Homicídios e Proteção a Pessoa (DHPP), de Repressão e Combate ao Crime Organizado (Draco), de Inteligência Policial (DIP), de Crimes Contra o Patrimônio (DCCP), de Polícia Metropolitana (Depom), além da Coordenação de Operações da Polícia Civil, da Coordenações de Operações Especiais (COE), do Graer da Rondesp Atlântico, 40a CIPM, SI da SSP e DPT.

"Aqui no supermercado estamos colhendo provas através de computadores, documentos, entre outros eletrônicos", explicou a delegada responsável pela investigação, Zaira Pimentel.

Em nota, a assessoria do Atakarejo informou que não comenta decisões judiciais e vai continuar colaborando com as autoridades competentes para que o fato policial seja esclarecido o mais rapidamente possível". O estabelecimento disse ainda que "reitera a solidariedade aos familiares das vítimas de um fato brutal e lamentável. A empresa não tolera qualquer tipo de violência".

Relembre o caso
Os corpos de Bruno e Ian foram encontrados, no dia 26 de abril, no porta-malas de um carro com marcas de tortura e de tiros, e foram identificados pela polícia. Segundo os familiares das vítimas, após serem supostamente acusados de furto no supermercado, os dois teriam sido entregues a traficantes por funcionários do estabelecimento. 

“Ficamos sabendo que um gerente chamou os traficantes da área, que botaram os dois na mala de um carro. Se eles estavam roubando, tinham que chamar a polícia, e não fazer isso”, disse uma das familiares dos rapazes, enquanto aguardava a liberação dos corpos no Instituto Médico Legal (IML) Nina Rodrigues, no último dia 27.

Fotos que circulam nas redes sociais mostram tio e sobrinho em três momentos. O primeiro logo após eles terem sido flagrados roubando carne na rede de supermercado. Os dois estão agachados numa área interna do estabelecimento, ao lado dos produtos que teriam sido furtados e de um homem, apontado como segurança da loja.

O segundo momento mostra tio e sobrinho sentados numa escadaria do Boqueirão. As últimas fotos mostram os corpos, ambos com os rostos deformados por conta dos disparos.  Uma testemunha diz ter visto dupla ser entregue a homens armados após tortura em mercado. Nesta quinta (7), o Atakarejo anunciou o afastamento dos seguranças até o fim das investigações.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas