Cenas de Carnaval: Claudia Leitte

salvador
02.02.2019, 05:00:00
(Arisson Marinho/Arquivo CORREIO)

Cenas de Carnaval: Claudia Leitte

A festa é um espaço para imaginar e fazer

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Quando a gente é criança, sonha em ser muita coisa. A cada idade, uma ideia diferente: astronauta, super-herói, jogador de futebol. Com o tempo, entretanto, o sonho vai perdendo o lugar para a realidade. Mas há um momento na vida adulta que esses sonhos podem ser retomados. No Carnaval, as pessoas podem ser o que quiserem. É só botar uma fantasia e cair na gandaia. É nisso que acredita Claudia Leitte.

“Eu sempre fiz tema de Carnaval, sempre levei fantasia pro trio. Vem do meu coração, acredito no Carnaval como um espaço onde a gente pode ser o que quiser, dar vazão as nossas fantasias. Sempre cabe, é muito divertido quando se está lá mascarado, usando roupa de super-herói. A festa ganha mais cor e  a galera, misteriosa, pode se soltar”, conta.

Em 2017, após sair num trio sem cordas, levou o tema “Claudia Leitte a bordo” para a farra. Teve fantasia de salva-vidas, de pirata e de capitã. Até o trio elétrico “se fantasiou”, ficando parecido com um carro alegórico de escola de samba.

São mais de 15 anos de festa, com a Babado Novo e, depois em carreira solo. Inúmeros encontros, parcerias e momentos emocionantes, como sua despedida do Babado, em 2008. 

(Evandro Veiga/Arquivo CORREIO)
(Arisson Marinho/Arquivo CORREIO)
(Antonio Saturnino/Arquivo CORREIO)
(Marina Silva/Arquivo CORREIO)
(Antonio Saturnino/Arquivo CORREIO)
(Evandro Veiga/Arquivo CORREIO)
(Arisson Marinho/Arquivo CORREIO)
Com Gilberto Gil, em 2008
Com Gilberto Gil, em 2008 (Evandro Veiga/Arquivo CORREIO)
Hebe Camargo e Claudia em 2011
Hebe Camargo e Claudia em 2011 (Arisson Marinho/Arquivo CORREIO)
Claudia, grávida de seu segundo filho, Rafael
Claudia, grávida de seu segundo filho, Rafael (Arisson Marinho/Arquivo CORREIO)


Claudia não consegue eleger um só deles como o mais marcante. “Não tenho como elencar um Carnaval porque todos, até os mais difíceis, foram importantes. Tudo coopera para a construção de uma história que é muito maior, que funciona como um testemunho de alegria, de superação, de força. Óbvio que tenho momentos que foram muito fortes, que marcaram a vida de outras pessoas também, não só a  minha. Mas não posso dizer que todos não foram especiais”, analisa.

Não duvide: a festa é muito mais do que música quando se a vive intensamente.

*Cenas de Carnaval é um oferecimento do Bradesco, com patrocínio do Hapvida e apoio da Claro, Fieb, Salvador Shopping, Vinci Airports e Unijorge

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas