Cenas de Carnaval: Daniela Mercury

salvador
19.02.2019, 05:00:00
Atualizado: 19.02.2019, 08:56:19
(Alice Ramos/23.02.1993/Arquivo CORREIO)

Cenas de Carnaval: Daniela Mercury

Com coroa, microfone e muita atitude

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A quantidade de prêmios, discos vendidos e reconhecimento ao longo da carreira de Daniela Mercury falam por si só sobre o quão grandioso é seu trabalho. 

Em quase 40 anos de carreira, se contarmos o tempo em que cantava em barzinhos, a soteropolitana já fez dueto com Paul McCartney, ganhou os principais prêmios do país - além de um Grammy Latino - e é embaixadora da Unicef, só para resumirmos. 

O título de Rainha do Axé veio ainda no início disso tudo, quando explodiu no país após o memorável show embaixo do Museu de Arte de São Paulo (Masp), que parou a capital paulista. Mas foi ao longo de  sua carreira que provou ser merecedora do título. 

Daniela nunca teve qualquer receio de experimentar. E nem de se arriscar em pleno Carnaval. Algumas das suas expressões de vanguarda deram certo instantaneamente. 

Em 1994, levou o Crocodilo para desfilar somente no circuito Barra/Ondina. Naquela época, as ruas da orla eram palco somente dos blocos chamados alternativos, mais novos, baratos e onde os principais artistas se alternavam com bandas novas nos dias de desfile.

Daniela percebeu que o público dela estava lá. O Circuito Dodô só fez crescer e se tornar mais importante que o Campo Grande, em termos de público, principalmente. 

No ano seguinte, organizou pela primeira vez seu camarote, para receber convidados especiais, outra iniciativa inédita. Já em 2000, a experimentação encontrou resistência. Daniela misturou axé com música eletrônica e o público estranhou. Anos depois, boa parte dos foliões já curte sem ressalvas as batidas de DJs de todo o mundo. 

Hoje, Daniela segue cheia de atitude. Não peca por omissão e em sua música mais recente, Proibido o Carnaval, ao lado de Caetano Veloso, pede o fim da censura. Que baita rainha a música baiana tem. 

*Cenas de Carnaval é um oferecimento do Bradesco, com patrocínio do Hapvida e apoio de Vinci Airports, Fieb, Salvador Shopping, Unijorge, Claro, Itaipava Arena Fonte Nova e Sebrae

Carnaval 2012
Carnaval 2012 (Arisson Marinho/Arquivo CORREIO)
Com Caetano Veloso no Carnaval 2002
Com Caetano Veloso no Carnaval 2002 (Haroldo Abrantes/Arquivo CORREIO)
Carnaval 2011
Carnaval 2011 (Arisson Marinho/Arquivo CORREIO)
Carnaval 2015
Carnaval 2015 (Arisson Marinho/Arquivo CORREIO)
Carnaval 2004
Carnaval 2004 (João Alvarez/Arquivo CORREIO)

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas