Cenas fortes: Veja o momento em que explosão em Beirute atinge hospital

mundo
13.08.2020, 15:04:48
Atualizado: 13.08.2020, 15:26:08

Cenas fortes: Veja o momento em que explosão em Beirute atinge hospital

Unidade de saúde está localizada a cerca de dois quilômetros do epicentro da explosão

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A grande explosão que ocorreu no último dia 4 na região portuária de Beirute, no Líbano, gerou destruição em larga escala. Prédios que estavam a quilômetros de distância do porto da cidade sentiram o impacto causado pela explosão. As câmeras de segurança do hospital St George's University Medical Centre registraram o momento em que o edifício foi atingido. As imagens, que Os foram divulgadas pelos jornais The Telegraph e The Guardian, mostram janelas e portas sendo quebradas, pacientes e funcionários correndo e a estrutura física da unidade de saúde sendo danificada. Quatro enfermeiros morreram.

De acordo com números oficiais do governo, ao menos 171 pessoas morreram devido à explosão, mas estimativas da Agência da Onu para Refugiados (Acnur) apontam que o total de vítimas pode chegar a mais de 200. Mais de 6 mil pessoas ficaram feridas. O Hospital St. George fica a cerca de apenas dois quilômetros do epicentro da explosão. Mais três unidades de saúde ficaram destruídas. Entretanto, a Organização Mundial da Saúde (OMS) prevê que mais da metade dos hospitais de Beirute está sem condições de atender pacientes. A situação é agravada pelo cenário de pandemia do novo coronavírus.

A explosão foi tão intensa que criou uma cratera de 43 metros de profundidade. Segundo o Serviço Geológico dos Estados Unidos (USGS, na sigla em inglês), a força equivale a de um terremoto de magnitude 3,3. O incidente provocou a reativação de protestos contra a classe política do Líbano, país que enfrenta grave crise econômica. O primeiro-ministro Hassan Diab pediu renúncia do seu cargo menos de um ano após seu antecessor, Saad Hariri, também sair em decorrência de manifestações.

*Matéria originalmente publicada em O Povo Online, nosso parceiro pela Rede Nordeste

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas