Chamado de Judas, Fábio Mota rebate afirmações de Paulo Carneiro: 'Cumpri o regimento'

e.c. vitória
03.09.2021, 13:58:00
Atualizado: 03.09.2021, 14:54:04
Fábio Mota rebateu afirmações de Paulo Carneiro (Max Haack/ Agecom)

Chamado de Judas, Fábio Mota rebate afirmações de Paulo Carneiro: 'Cumpri o regimento'

Presidente do Conselho Deliberativo do Vitória apoiou Paulo Carneiro na eleição de 2019

Presidente do Conselho Deliberativo do Vitória, Fábio Mota comentou as afirmações feitas por Paulo Carneiro na noite de quinta-feira (2), momentos depois de ter sido afastado da presidência do Vitória. Em áudio compartilhado através de aplicativo de celular, o dirigente o acusou de traição ao se referir a ele como 'Judas Mota'. 

"O que eu fiz foi cumprir o regimento do clube. O sócio que votou em mim votou por me conhecer, por saber da minha transparência e por saber que o Conselho Deliberativo é um poder autônomo e com independência. Não é um apêndice nem é um poder auxiliar do Conselho Diretor. O Conselho Deliberativo tem a obrigação de apurar e dar conhecimento aos conselheiros dos processos e concluir o seu desfecho. É o que a gente está fazendo", afirmou Fábio Mota na tarde desta sexta-feira (3).

A decisão pelo afastamento de Paulo Carneiro do cargo por 60 dias se deu durante reunião extraordinária do Conselho Deliberativo. Nela, foi aprovado o parecer da Comissão de Ética que aponta indícios de gestão temerária. 

O estatuto prevê que o vice-presidente, Luiz Henrique, assume a função de presidente temporariamente, algo que também foi questionado por Paulo Carneiro durante a gravação.

"Não existe processo contra Luiz Henrique", afirmou Fábio Mora. "O processo que existe é contra ele. O relatório da Comissão de Ética se atém ao presidente do Conselho Diretor. A denúncia do Conselho Fiscal, que começou o processo, é contra o presidente do Conselho Diretor. Não tem denúncia ainda contra Luiz Henrique nesse momento. Quem assume é ele, o presidente hoje do clube é ele", completou o presidente do Conselho Deliberativo. 

Fábio Mota foi um dos apoiadores de Paulo Carneiro na eleição de 2019, cujo mandato termina em dezembro de 2022. "Nós apoiamos ele porque ele era o nosso candidato, com propostas de campanha que não aconteceram, mas não foi isso que me fez, nem os resultados em campo, que fizeram eu fazer meu trabalho no Conselho Fiscal. O Conselho Fiscal é um órgão autônomo e se recebeu denúncia tinha obrigação de apurar, o que foi feito", disse Fábio Mota.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas