Cidade em Alagoas proíbe 'Que tiro foi esse' no carnaval

brasil
02.02.2018, 16:59:00
Atualizado: 02.02.2018, 18:34:44
Hit de Jojo Todynho se espalhou pelo país (Divulgação)

Cidade em Alagoas proíbe 'Que tiro foi esse' no carnaval

Além disso, músicas "impróprias" não podem ser tocadas na festa

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A prefeitura de Joaquim Gomes, cidade de Alagoas, proibiu o hit "Que tiro foi esse", da funkeira Jojo Todynho, de ser tocado durante as festas de Carnaval da cidade.

A Polícia Militar da cidade fez uma reunião durante a semana com representantes da prefeitura e dos blocos de rua e fez a solicitação da proibição da música, justificando que é uma medida de segurança. 

"A música traz esse som de disparo de arma de fogo. O uso de armas de fogo é proibido pelo Estatuto do Desarmamento. Não se pode incentivar o uso de armas. A música também incentiva a violência contra a mulher. Todos os dias temos ocorrências com mulheres. A polícia tem a obrigação de proteger a população e evitar o incentivo à violência", explicou em entrevista ao G1 o Capitão Queiroz, da 2ª CPM.

Segundo a prefeitura, a medida é para proteção da população da cidade. Além do hit da funkeira, há outras canções proibidas. O Ministério Público de Estado de Alagoas (MP-AL) expediu uma recomendação na semana passada orientando que músicas consideradas "impróprias" não devem ser executadsa. 

"A Prefeitura Municipal de Joaquim Gomes obriga-se a, nas atrações contratadas e/ou articuladas pelo Poder Público Municipal, orientar as bandas e atrações artísticas para que se abstenham de executar músicas com letras e/ou coreografias que façam apologia à violência, especialmente contra mulher ou tenham conteúdo sexual explícito", diz trecho do Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) que inclui ainda o município de Flexeiras.

O TAC estabelece uma multa no valor de R$ 2 mil, por evento, caso alguém descumpra o que foi acordado no documento.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas