Ciro diz que saída de Moro abre caminho para negociações na terceira via

brasil
19.04.2022, 06:57:59
(Mário Miranda/Divulgação)

Ciro diz que saída de Moro abre caminho para negociações na terceira via

O ex-ministro fez um aceno ao MDB, União Brasil, PSDB e Cidadania

Ao saber que políticos da terceira via aceitam conversar com ele para a definição de uma chapa única à Presidência, desde que esteja "desarmado", o candidato do PDT ao Palácio do Planalto, Ciro Gomes, reagiu com ironia.

"Desarmado? Eu nunca andei armado na vida", afirmou Ciro, que estava nesta segunda-feira, 18, em Brasília, onde participou do lançamento da pré-candidatura da senadora Leila Barros (PDT-DF). "Como não podem me chamar de picareta, de desonesto, porque eu tenho 40 anos de vida limpa, não podem me acusar de incompetência, porque também tenho uma biografia que me qualifica, ficam inventando essas coisas, que não sei que diabo é", completou ele.

Apesar do comentário, o ex-ministro fez um aceno ao MDB, União Brasil, PSDB e Cidadania - que decidiram anunciar um candidato de consenso no dia 18 de maio - e disse que a saída do ex-juiz Sérgio Moro da disputa abre caminho para as negociações.

"Ainda bem que vocês saltaram essa fogueira que estava aí", observou o presidenciável do PDT ao citar o Podemos - partido que havia tentado lançar Moro ao Planalto - e mandar um abraço para o "amigo Alvaro Dias", líder do partido no Senado. Moro deixou o Podemos e se filiou ao União Brasil.

Ciro disse que vai procurar outros partidos e espera se mostrar competitivo até julho na disputa com Jair Bolsonaro (PL) e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). O ex-ministro repetiu que é o único pré-candidato com "proposta consistente" contra o sistema econômico em vigor no País e elogiou o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), ao ser perguntado se gostaria de ter um vice mineiro. "Se eu pudesse era bom, sô, era bom demais. O trem seria bom", respondeu ele, usando expressões de Minas.

Na campanha do PDT, a avaliação é a de que Lula estará no segundo turno e, portanto, é preciso atrair votos dos dois lados, além dos indecisos, para tirar Bolsonaro da segunda etapa da eleição. Mesmo assim, Ciro disse que, se for para o segundo turno, pode derrotar Bolsonaro com 20 pontos de vantagem. Afirmou, ainda, que é o único capaz de vencer Lula. "Eu sou da luta, meu irmão. Eu só quero ser presidente se for para mudar o Brasil. Se for para deixar como está aí, chama o Lula e vocês vão ver o que é bom para tosse", provocou.

Até agora, todas as pesquisas de intenção de voto indicam um cenário polarizado entre Lula e Bolsonaro. A terceira via avalia, porém, que tem condições de tirar votos de Bolsonaro para chegar ao segundo turno. No último levantamento do Ipespe e Quaest/Genial, o presidente avançou e atingiu 30% com a saída de Sérgio Moro (União Brasil) da disputa.

Recentemente, Ciro chamou os presidenciáveis da terceira via de "viúvas de Bolsonaro" por terem abandonado o presidente após as eleições de 2018. As críticas incomodaram os outros pré-candidatos do grupo.

"Temos expectativa de que Ciro, em algum momento, se disponha a participar dessa mesa de debates de uma forma desarmada. Mas, até o momento, a estratégia que ele usa é de agredir tudo e todos para tentar marcar algum ponto", disse ao Estadão/Broadcast Político o senador Alessandro Vieira (PSDB-SE) "Ciro é uma viúva do próprio Ciro."

O pré-candidato do PDT já conversou sobre alianças eleitorais com Pacheco e com o presidente do União Brasil, Luciano Bivar, que também se lançou na disputa. Pacheco desistiu de concorrer ao Planalto e pretende ser candidato a novo mandato no comando do Senado, em 2023.

"O que nós temos defendido é que, para além da negação ao Lula e ao Bolsonaro, cada um apresente o seu projeto para o Brasil e a gente veja onde é possível negociar, para não ser só o projeto da negação nem só o projeto pessoal", afirmou o senador Cid Gomes, irmão de Ciro e um dos articuladores de sua candidatura. A senadora Simone Tebet, pré-candidata do MDB que vem sendo elogiada pelo ex-ministro, admitiu procurar o presidenciável do PDT para um "cafezinho".

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas