Com poucas caras novas, Bahia se reapresenta na Cidade Tricolor

e.c. bahia
06.01.2020, 20:17:00
Atualizado: 06.01.2020, 20:19:30
Elenco tricolor começou os trabalho de pré-temporada na cidade tricolor (Foto: Tiago Caldas/CORREIO )

Com poucas caras novas, Bahia se reapresenta na Cidade Tricolor

Tricolor aproveitou o primeiro dia de trabalho para oficializar o atacante Clayson

No primeiro dia da temporada 2020 para o Bahia, o novo CT foi a grande atração. Na tarde desta segunda-feira (6), os jogadores do tricolor se reapresentaram em um ambiente que ainda não é rotineiro para o próprio clube e membros da imprensa que fazem a cobertura diária do Esquadrão. 

Essa é a primeira vez que o elenco do Bahia, comissão técnica e demais funcionários utilizam a Cidade Tricolor, ou Centro de Treinamentos Evaristo de Macedo - como o local será chamado em homenagem ao técnico campeão Brasileiro de 1988 -, desde que ele foi apresentado em 2013. 

De lá para cá, a Cidade Tricolor passou por um grande imbróglio na Justiça e só foi recuperada pelo clube em 2016. Por conta do tempo de inatividade, foi preciso uma grande reforma antes do clube mudar de vez para o equipamento que tem entrada pela cidade de Dia D’Ávila, mas possui boa parte do terreno em Camaçari.

Os últimos retoques ainda estão sendo feitos. Entre a chegada de um atleta e outro, o vai e vem de operários é constante. A meta é adiantar o máximo possível para sábado, quando o CT vai ser inaugurado oficialmente com a presença dos sócios e do Mestre Evaristo. 

Nos próximos dias, novos equipamentos vão ser entregues, entre eles a sala de imprensa, que vai levar o nome de Armando Oliveira, um dos mais renomados da crônica esportiva baiana, falecido em 2005. 

Além do ganho esportivo por contar com um local de treinos mais moderno, o Bahia enxerga na Cidade Tricolor um potencial econômico e de integração com os torcedores. 

“Não é um CT da porta para dentro. Não vai ser assim. Tem parquinho na Cidade Tricolor, porque crianças virão aqui mais do que iam no Fazendão. Faremos mais treinos abertos, por isso temos arquibancadas. Em janeiro faremos um para 500 pessoas no campo da base. Ter arquibancada é sinal de que queremos o torcedor mais perto”, explicou Guilherme Bellintani, antes de concluir: 

“O hotel do futebol, vamos detalhar no fim do mês, será preparado para os atletas. Chega muito perto de hotéis quatro ou cinco estrelas. Queremos que eles tenham estrutura de hotéis de futebol. A ideia é que pessoas possam vir passar o fim de semana aqui, jovens, no estilo acampamento. Quando o time estiver viajando, o espaço será aberto para que as pessoas se hospedem em grupos. Vivendo a realidade do futebol, se hospedando no quarto dos jogadores”.

Além do potencial econômico, o Bahia prevê uma maior integração com a comunidade local. Uma das ações será instalação de uma horta comunitária no CT. Além disso, o tricolor tem priorizado a contratação de mão de obra local e até um baba da comunidade já foi realizado na Cidade Tricolor.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas