Com queda de 7,62%, Uber decepciona em estreia na bolsa

economia
11.05.2019, 16:33:54
Atualizado: 11.05.2019, 16:37:35
(Foto: Reprodução)

Com queda de 7,62%, Uber decepciona em estreia na bolsa

Somente nos primeiros três meses de 2019, o Uber perdeu US$ 1,1 bilhão

A jornada do Uber como empresa de capital aberto teve um início decepcionante. Ontem, no primeiro dia de comercialização de ações, os papéis da empresa de mobilidade compartilhada fecharam o dia valendo US$ 41,57, queda de 7,62% sobre o valor inicial de US$ 45. O desafio da empresa é provar que o negócio pode gerar lucro, algo ainda inédito em sua história. 

Somente nos primeiros três meses de 2019, o Uber perdeu US$ 1,1 bilhão. Em entrevista ao canal CNBC, Dara Khorsowshahi, presidente da companhia, disse que 2019 deve ter sido o "pico de perdas" do Uber. 

Além das dificuldades operacionais, o cenário econômico não ajudou a estreia. O impasse na guerra comercial entre EUA e China fez a Bolsa de Nova York ter a pior semana de 2019. Além disso, a Lyft, concorrente do Uber nos EUA que iniciou venda de ações no fim de março, vem tendo desempenho decepcionante: os papéis já desvalorizaram cerca de 30%. 

Khorsowshahi tenta manter o otimismo, embora não dê prazo para retornos. Ele disse que é possível recuperar o desempenho do primeiro dia na Bolsa e vem pregando que a empresa pode ser comparada à Amazon: é uma plataforma tecnológica com diferentes serviços. 

Michael Ramsey, analista da consultoria Gartner, disse que a comparação é limitada. Segundo ele, a empresa fundada por Jeff Bezos ganhava em escala à medida em que crescia - o que não pode ser aplicado ao Uber. "Quando o Uber cresce, seus custos aumentam na mesma proporção", diz. 

Ramsey também aponta para possíveis disputas trabalhistas que forcem a empresa a pagar mais seus motoristas. Durante a semana, a categoria protestou e exigiu da empresa melhores condições de trabalho. "É possível que isso leve a um aumento de tarifas. Atualmente, os preços já são artificialmente baixos porque a companhia está num movimento de expansão." O aumento de tarifas pode colocar o Uber em um outro dilema: preços mais altos podem fazer os concorrentes, como Lyft e a chinesa Didi, ganhar espaço

"O Uber não está mais em uma discussão de inovação. Ele convive agora com questões de operação e problemas reais", diz Luiz Alberto Albertin, professor de administração da Fundação Getúlio Vargas (FGV-SP). "O mercado assimilou a inovação do Uber, mas quer ver algumas das novas ideias funcionando de verdade." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas