Com recursos voltados à pandemia, Fiocruz produziu milhões de comprimidos de cloroquina

brasil
11.02.2021, 07:07:34
Atualizado: 11.02.2021, 07:13:14
(AFP)

Com recursos voltados à pandemia, Fiocruz produziu milhões de comprimidos de cloroquina

Fundação negou que medicamento fosse destinado a pacientes com covid-19

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A Fiocruz produziu 4 milhões de cloroquina com recursos públicos emergenciais destinados ao combate à covid-19. A produção foi solicitada pelo Ministério da Saúde, revelou reportagem da Folha de S. Paulo, nesta quinta-feira (11).

Os recursos são da medida provisória nº940, que foi editada no dia 2 de abril pelo presidente Jair Bolsonaro, para o enfrentamento da pandemia do coronavírus, conforme documentos enviados pelo Ministério da Saúde ao Ministério Público Federal (MPF) em Brasília.

À Fiocruz foram destinados R$ 457,3 milhões para "enfrentamento da emergência de saúde pública de importância internacional decorrente do coronavírus". Os documentos enviados ao MPF apontam gastos de R$ 70,4 milhões, oriundos da MP, com a produção de cloroquina e Tamiflu pela Fiocruz.

Ainda de acordo com a reportagem, as drogas se destinam a pacientes com Covid-19, segundo os mesmos ofícios, elaborados por uma coordenação da Secretaria de Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos Estratégicos em Saúde. No entanto, a fundação negou que os remédios tenham sido produzidos com essa finalidade.

"Farmanguinhos produz cloroquina somente para o que está previsto em sua bula. A bula descreve que a cloroquina é indicada para profilaxia e tratamento de ataque agudo de malária e no tratamento de amebíase hepática, artrite, lúpus, sarcaidose e doenças de fotossensibilidade", disse.

Farmanguinhos entregou 16,8 milhões de doses de Tamiflu para "tratamento e profilaxia de gripe em adultos e crianças com mais de um ano" e outro lote será entregue em 2021, cita a nota.

Nem a Fiocruz nem o Ministério da Saúde comentaram o uso dos recursos da MP voltada a ações contra o coronavírus para a produção dos dois medicamentos.

Em nota, o Ministério da Saúde disse que a aquisição da cloroquina não foi concretizada, que a produção deve ser explicada pela Fiocruz e que o Tamiflu não é para Covid-19, mas para influenza. "Ao atuar no tratamento da influenza, ele favorece a redução da sobrecarga ao sistema de saúde em função do aumento de doenças respiratórias."

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas