Comprar ingresso antecipado para réveillon na Bahia pode dar prejuízo de até R$ 5 mil

salvador
13.08.2021, 05:00:00
(Divulgação/Réveillon Mil Sorrisos)

Comprar ingresso antecipado para réveillon na Bahia pode dar prejuízo de até R$ 5 mil

Se festas não forem liberadas pelo governo do estado, empresas não têm obrigação de reembolsar clientes

As festas para o Réveillon 2021 já começaram a ter ingressos vendidos na Bahia. Pelo menos cinco grandes eventos têm previsão de ocorrer no estado, com público de até 3 mil pessoas. No entanto, por conta da pandemia, se o governo do estado não liberar os eventos, o prejuízo para o consumidor pode chegar a quase R$ 5 mil reais. Isso porque, em caso de cancelamento, os organizadores tendem a acatar a Lei 14.046, emitida em agosto de 2020 pelo governo federal, que, no artigo 2º, desobriga as empresas a reembolsarem os clientes. As condições são uso do crédito para outro serviço ou um próximo evento, no caso, o Réveillon de 2022.  

A programação dos réveillons listados pela reportagem não se limita à noite da virada e dura até seis dias. Todas são em locais de praia, destinos turísticos fortes ou ilhas paradisíacas, como Itacaré, Porto Seguro, Barra Grande, Morro de São Paulo, Boipeba e a Ilha de Maré.  

Uma das festas previstas é a ‘Mil Sorrisos’, em Barra Grande, que pertence ao município de Maraú. De acordo com o site oficial, o evento vai de 27 de dezembro a 2 de janeiro, custa R$ 4.900 e está no quinto lote de vendas. Wesley Safadão, Vintage Culture, Bell Marques, Jorge e Mateus, Gustavo Lima e Pedro Sampaio são alguns dos nomes na programação, que pode sofrer alterações, segundo regulamento.

O evento ainda precisa de liberação do governo do estado, além do alvará da prefeitura de Maraú. No site oficial, a produção diz que, caso o cliente queira cancelar após o dia 15 de dezembro, não é possível o reembolso do ingresso.  

A produção do Mil Sorrisos, no site oficial, é otimista, diante do atual cenário pandêmico: “Temos a real expectativa, neste momento, que haverá o Réveillon em decorrência da queda no número de infectados, mortes e hospitalizações", diz o texto. 

“Acreditamos haver a disponibilidade vacinal para toda a população alvo dos imunizantes para a covid-19 até a data de realização do evento. Recomendamos fortemente que você se submeta à vacinação tão logo ela lhe seja disponibilizada na campanha nacional de imunização contra o coronavírus”, completa a nota.

O goianiense Ricardo Martins, 41, já arrumou as malas e garantiu seu ingresso para o evento em Barra Grande. Ele, que já veio à Bahia para curtir a virada em Morro de São Paulo e Trancoso, dessa vez alugou uma casa com 15 amigos, para ficar de 26 de dezembro a 3 de janeiro. “O Réveillon é uma das principais datas festivas do ano para mim, por isso, acho que deve ser bem comemorada. Com o avanço da vacinação e com o seguimento correto de protocolos, é possível sim participar com segurança dos eventos”, opina o empresário, que tomará a segunda dose da vacina contra covid-19 em setembro.  
Protocolos
A previsão do Mil Sorrisos é ter 1500 pessoas e a condição para participar é apresentar exame PCR ou cartão de vacinação. À reportagem, a organização do evento respondeu que a ausência das licenças e alvarás se deve ao fato da estrutura do evento ainda não estar pronta. “As licenças e alvarás sempre são concedidas após a finalização das montagens estruturais seguidas das devidas fiscalizações e aprovações. É o procedimento padrão. Isso só deve ocorrer próximo ao evento”, diz a nota.

Os organizadores enfatizam ainda que têm o apoio da prefeitura de Maraú para a realização do evento “desde que os impedimentos sanitários por conta da covid cessem, e o governo do estado enxergue segurança na realização desde tipo de evento”, acrescentam. Mas garantem, ainda, que desenvolveram um protocolo de segurança que será validado pelos órgãos públicos e que, caso o cenário da pandemia não seja favorável, o evento será adiado.

Outros eventos

Em Itacaré, a única grande festa é a Réveillon Nº 1. Artistas como Anitta, Barões da Pisadinha, Dennis DJ, Vintage e Banda Eva fazem parte da programação, que dura quatro dias. O evento está no terceiro lote, com custo de até R$ 3.200. A produção do evento foi procurada, mas não respondeu. Pelo site oficial, a capacidade da festa é para 3 mil pessoas.  

No site, a produtora diz que “está acompanhando em parceria com as autoridades municipais, estaduais e federais, a evolução da vacinação no Brasil e preparando a festa de réveillon com toda a responsabilidade que a situação exige”.  

De acordo com o secretário de turismo de Itacaré, José Alves, a expectativa é grande. A cidade, que tem aproximadamente 42 mil habitantes, recebe cerca de 20 mil pessoas neste período. São 8 mil leitos, em pousadas, hotéis e casas de aluguel. 

“A expectativa é muito alta para o réveillon. Com esse grande evento, privado, outras pequenas festas vão ser feitas em hotéis e pousadas, de 200, 300 pessoas. Então Itacaré vai viver um grande momento do turismo, com visitantes de São Paulo, Goiânia, Brasília e Rio de Janeiro”, prevê Alves. 

Sobre o Réveillon Nº 1, ele diz que todos, provavelmente, terão de apresentar ou o cartão de vacinação ou o teste PCR negativo. Outros protocolos deverão ser esclarecidos após publicação de decreto do governo estadual. Nenhuma festa ainda tem alvará da prefeitura.  

“O governo estadual ainda não liberou festas com essa quantidade de pessoas. Mas é preciso planejar com antecedência os eventos desse porte, porque são muitas pessoas e artistas envolvidos. Teremos um rígido protocolo, assim que houver definição do governo”, esclarece.  

O secretário acredita, pessoalmente, que haverá condições de realizar eventos. “Estamos vacinando pessoas acima de 18 anos e esperamos que no próximo mês, se for liberado, aplicaremos nos menores de idade. Então, vamos estar prontos a nível de vacinação”.  

Em Morro de São Paulo e Boipeba, no município de Cairu, apenas uma festa por destino está confirmada, conforme regulamentado pela portaria 001/2019. Em Morro, será a festa Amaré 22, com cinco dias de programação e artistas como Vintage e Banda Eva. A expectativa do evento é reunir aproximadamente 1500 pessoas por noite.

De acordo com a produção, a venda dos ingressos teve início no final de julho e a procura está alta em todas as regiões do Brasil. Quanto à obtenção de um alvará da prefeitura, afirmaram que deram entrada "conforme os protocolos dos órgãos competentes e obtivemos a liberação para o lançamento do evento condicionado ao cumprimento de todos os protocolos sanitários e documentações exigidas para o período de realização dos eventos".

Já em Boipeba, alguns dos confirmados são Dennis DJ, Durval Lelys e Kevin o Chris, para cinco dias de festa. O segundo lote masculino está esgotado e o feminino está custando R$ 2.750. Procurada, a produção do evento não retornou.

Em Porto Seguro, o Réveillon Axé Moi ocorre em uma área de mais de 30 mil m², com capacidade para 6 mil pessoas. Contudo, a produção não divulgou o público deste ano. São três noites de festa, com seis atrações - Leo Santana, Marília Mendonça e Zé Neto e Cristiano entre elas. Os produtores não retornaram telefonemas ou e-mails. A prefeitura de Porto Seguro não sabia dizer se algum alvará já tinha sido emitido e não pôde responder as perguntas até o fechamento da edição.  

Em Praia do Forte, serão quatro dias de festa. A prefeitura de Mata de São João disse que nenhuma produtora de eventos pediu ainda o alvará de licenciamento. Além disso, o executivo municipal informa que “os eventos particulares programados estão autorizados, porém condicionados à situação pandêmica do município, da Bahia e do Brasil, no período da realização dos mesmos”, informa, por meio de nota.  

“Entendemos que, com a queda absoluta nos casos de contaminação com a covid-19, aliada ao avanço das vacinações, há uma tendência natural para uma normalidade epidemiológica até final de dezembro”, completa a prefeitura.  

Eventos em Salvador 

Em Salvador, duas festas de menor porte do que aquelas programadas no interior do estado estão sendo comercializadas – o Réveillon Bate e Volta, em Ilha de Maré, e o Luau na Escuna de Luxo. O empresário Fernando Venep, dono da empresa Axé Bahia, que organiza a festa da virada na escuna, diz que o barco tem três andares, com capacidade para 180 pessoas. 

O embarque será no Terminal Náutico, no Comércio. “Estamos aguardando a normatização, mas o réveillon vai acontecer, só que dentro dos protocolos”, garante Venep. Uma banda também está prevista, de 6 a 7 integrantes, segundo ele. 

Na Ilha de Maré, a festa tem previsão de ter até 90 pessoas e deve ocorrer na pousada do empresário Elmo Lobão. É o primeiro ano que ele fará uma festa de Réveillon, então será um tipo de evento ‘experimental’.  

De acordo com a Secretaria Municipal de Desenvolvimento e Urbanismo (Sedur) de Salvador, nenhuma festa ou show está liberado para acontecer na capital. O que está permitido, até então, são eventos sociais e infantis de até 300 pessoas, como formaturas, casamentos, aniversários, feiras e eventos científicos

*Com a orientação da chefe de reportagem Perla Ribeiro.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas