Convidada critica CNN Brasil ao vivo por colocar Waack para comentar racismo

em alta
03.06.2020, 10:21:13
Atualizado: 03.06.2020, 10:26:38

Convidada critica CNN Brasil ao vivo por colocar Waack para comentar racismo

Jornalista foi demitido da Globo após vídeo com comentário racista vazar

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A jornalista e ex-consulesa francesa Alexandra Loras criticou a CNN Brasil ao vivo por colocar William Waack na cobertura das manifestações antirracistas que têm ocorrido nos últimos dias. Ela relembrou que o âncora já havia sido demitido da TV Globo após o vazamento de um vídeo com comentário de cunho racista, em 2017.

"Hoje, a CNN e toda mídia brasileira têm o poder de convidar acadêmicos negros para conversar sobre essa temática. Quando vejo o William Waack, que foi mandado embora por um episódio de racismo, e hoje ele debater tanto tempo sobre o racismo... Eu acho que deveríamos também convidar negros para debater sobre essas questões", disse ela, enquanto era entrevistada por Daniela Lima no programa "CNN 360º".

Loras referia-se ao vídeo em que mostra William Waack conversando nos bastidores durante a cobertura do "Jornal da Globo" da vitória de Donald Trump na eleição presidencial, em 2016. As imagens vazadas mostravam o jornalista tecendo comentários racistas a um motorista que passou buzinando.

"Está buzinando por que, seu merd* do cacete? Deve ser um, com certeza, não vou nem falar de quem, eu sei quem é, sabe o que é?", disse ele, que cochicha supostamente a palavra "preto" no ouvido do entrevistado ao seu lado.

No mesmo dia que o vídeo vazou, em 8 de novembro de 2017, Waack foi afastado pela direção da TV Globo, que alegou em nota oficial: "Ao que tudo indica, [o comentário foi] de cunho racista".

Um mês depois, a Globo finalmente anunciou a rescisão do contrato com Waack, depois de um acordo entre as duas partes. No comunicado, a emissora ressaltou que não tolera "racismo em todas as suas formas e manifestações", embora o jornalista negue ter agido de forma preconceituosa.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas