Corpo de idosa encontrada morta em motel no Costa Azul é enterrado

salvador
10.07.2018, 18:12:36
Atualizado: 10.07.2018, 19:00:47

Corpo de idosa encontrada morta em motel no Costa Azul é enterrado

Familiares não falaram com a imprensa; caso ainda está sendo investigado

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O corpo da corretora imobiliária Sônia Souza Soares, de 74 anos, foi sepultado na manhã desta terça-feira (10). Menos de 30 pessoas compareceram ao velório, ocorrido no cemitério Campo Santo. Ninguém quis falar com a imprensa.

Familiares de Sônia prestaram depoimento à polícia por duas horas na última segunda-feira (9). A suspeita é que ela tenha se matado após matar o namorado, o microempresário Alfons Ludwig Boness, 72. Sônia não tinha antecedentes criminais.

Alfons também foi enterrado no cemitério do Campo Santo, na tarde da última segunda-feira (9). Sônia e Alfons foram encontrados mortos na manhã do último domingo (8) em uma suíte de um motel no bairro do Costa Azul. Segundo a Polícia Civil, as vítimas apresentavam marcas de ferimentos por objeto cortante.

A suspeita inicial é que Alfons tenha sido morto a facadas  por Sônia, que seria sua namorada há cerca de 5 meses. Logo após o crime, ela teria se matado. Segundo a polícia civil, a participação de uma terceira pessoa no crime não é descartada. A investigação está em andamento e só será concluída após o resultado da perícia técnica.

O laudo pericial elaborado pelo Departamento de Polícia Técnica (DPT) tem o prazo legal de 10 dias para ser concluído. Entretanto, o prazo pode ser estendido para mais de 30 dias a depender dos exames requisitados.  

Amigos de Alfons contestam a versão preliminar da Polícia Civil para explicar o crime. “Como uma mulher idosa ia conseguir matar a facadas um homem daquele? Ele era forte”, ponderou um amigo. 

Relacionamento
No sábado, Alfons saiu de casa para ir ao mercado, última vez que a irmã, a médica pediátrica Edlice Boness, 74 anos, o viu com vida. "Ele sempre ia ao mercado aos sábados. Mas estranhei que ele não havia chegado e sequer tinha ligado, como era de costume. Então, comecei a procurá-lo e só no dia seguinte que soubemos o que, de fato, havia acontecido". 

Alfons morava com a irmã e o filho em um apartamento no Corredor da Vitória. Segundo testemunhas, o porta-malas do carro dele estava cheio de compras, o que pode indicar que ele foi ao mercado antes de encontrar com Sônia.

Alfons e Sônia foram encontrados mortos no último domingo (8) no Costa Azul (Imagem: Reprodução)

Edlice diz que não conhecia a suposta namorada do irmão. "Meu irmão sempre foi solteiro, nunca trazia mulher nenhum para casa. Ela era mais uma que ele conheceu, mas não queria nada sério", declarou. 

No entanto, amigos afirmaram que sabiam do relacionamento de Alfons com Sônia. “Ele contou que tinha conhecido uma corretora de imóveis depois de uma reforma em um apartamento dele”, disse um amigo que não quis se identificar. Segundo ele, os dois estavam namorando há ‘cinco ou seis meses’.

Sônia era baiana e filiada ao Conselho Regional de Corretores de Imóveis da Bahia (CRECI) 9ª Região desde 1989. A corretora nasceu no dia 16 de outubro de 1943.

Prevenção do suicídio
Para quem busca ajuda, além de psicólogos e psiquiatras, o Centro de Valorização da Vida (CVV) oferece apoio online no site http://www.cvv.org.br, pelo telefone 188, via Skype (acesso pelo site), ou e-mail (mensagem enviada também pelo site).

Você também pode enviar uma carta ou conversar pessoalmente com um voluntário do CVV em horário comercial na Rua do Bângala, Nº 47/99, Nazaré, Salvador. Dessa maneira, como em qualquer outra forma de contato com o CVV, você é atendido por um voluntário, com respeito, anonimato, e que guardará estrito sigilo sobre tudo que for dito.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas