CPI: Araújo diz que ajudou na importação de insumos da Índia para cloroquina

coronavírus
18.05.2021, 12:31:00
Atualizado: 18.05.2021, 12:34:57
(Jefferson Rudy/Agência Senado)

CPI: Araújo diz que ajudou na importação de insumos da Índia para cloroquina

Na época, havia expectativa de que remédio tratasse a covid, diz ex-chanceler

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Em depoimento à CPI da Covid, o ex-chanceler Ernesto Araújo confirmou sua atuação à frente do Ministério das Relações Exteriores na importação de insumos da Índia necessários para a produção da cloroquina. Araújo defendeu o trabalho da pasta neste caso dizendo que com a alta procura do fármaco, "um remédio muito importante que tenha seu estoque preservado", foi necessário garantir a reserva do medicamento.

Araújo afirmou que em março do ano passado havia uma expectativa com relação ao uso do fármaco no tratamento da covid-19 "não só no Brasil", como disse, o que levou a uma diminuição do estoque do medicamento utilizado contra doenças reumatológicas e malária Segundo Araújo, era importante trabalhar na importação dos insumos para manter o estoque do medicamento para seu uso prescrito. "Isso independente dos testes para o tratamento da covid-19", afirmou.



Na relação do uso do fármaco para o tratamento contra o novo coronavírus, Araújo disse nunca ter recebido uma relação de testes comprovando a eficácia do medicamento no tratamento contra a covid-19, reafirmando que o pedido de importação foi feito por solicitação do Ministério da Saúde. Araújo também confirmou que o presidente Jair Bolsonaro pediu que o Itamaraty intermediasse um telefonema dele com a Índia para tratar sobre o tema.

Com relação à doação de dois milhões de doses de cloroquina ao Brasil pela Estados Unidos no ano passado, o ex-chanceler negou que a entrega tenha sido feita por solicitação de qualquer autoridade brasileira.

Covax
No depoimento, o ex-chanceler disse que "jamais" foi contra a iniciativa do Consórcio Covax Facility para recebimento de vacinas contra a covid-19. Segundo ele, a decisão de o País participar apenas com 10% e não 50% foi do Ministério da Saúde. "Jamais fui contra. O Itamaraty esteve atento desde abril de 2020, assim que o Covax tomou forma, em julho, assinei carta para o gestor do consórcio dizendo que o Brasil tinha interesse em entrar. O contrato ficou pronto em setembro e assinamos naquele momento", afirmou Araújo.

Reagindo as respostas do ex-ministro, o presidente da CPI, Omar Aziz (PSD-AM), disse que o Brasil optou pela fatia de 10% porque "agiu politicamente". "Por isso o Brasil perdeu tempo e não comprou a vacina. Por isso tivemos só 10% na adesão", comentou Aziz.

O ex-chanceler também tentou justificar uma oposição a Organização Mundial da Saúde (OMS) em razão de "idas e vindas" por parte da OMS, e disse ter atuado para solucionar impasse na importação do IFA vindo da China.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas
  • Assinaturas: 71 3480-9140
  • Anuncie: 71 3203-1812
  • Ache Aqui Classificados: 71 3480-9130
  • Redação: 71 3203-1048