Criança aprende brincando

especiais patrocinados
12.12.2019, 17:35:00
Atualizado: 12.12.2019, 17:36:05
Os alunos da Paraisoteca desfrutam de atividades em espaços lúdicos como a Refeitoteca (Foto de Bruno Sarraf)
Estúdio Correio -

Criança aprende brincando

Escola Paraisoteca é especialista em educação na primeira infância

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Ao contrário do que a maioria dos pais com espírito protetor acredita, levar o filho ou filha para escola e oferecer educação desde primeira infância (0 a 6 anos de idade) é uma das melhores coisas que podem fazer. Um estudo do professor e economista James J. Heckman, ganhador do Prêmio Nobel de Economia em 2000, mostra que oferecer um aprendizado de qualidade nesta fase da vida pode aumentar as habilidades das crianças e influenciar no seu desenvolvimento.

“É na primeira infância que se forma a base para a vida adulta através de estímulos que favoreçam o desenvolvimento motor, cognitivo, social, psíquico e emocional, respeitando a individualidade, promovendo uma aprendizagem significativa”

Stéfane Neves, psicóloga que atua em sala diretamente com as crianças

Com 42 anos de experiência, Valéria Barth, coordenadora pedagógica e neuropsicopedagoga da Paraisoteca, escola voltada para o ensino na primeira infância, ressalta a importância do acompanhamento de um profissional especializado: “A criança só fará apreensão efetiva de conhecimentos se realmente houver o desejo de aprender e, para isso, precisa de educadores, professores, mediadores atentos, sensíveis e conectados aos seus anseios, para que tenha prazer de aprender brincando, efetivando assim seus diferentes e inúmeros saberes”, diz.

É brincando que se aprende
Com uma equipe de especialistas - como nutricionista, psicólogo, técnica e, enfermagem, enfermeira e segurança e bombeiro -, a escola Paraisoteca investe, há dois anos, em educação para a primeira infância em Salvador. A instituição, que fica no Horto Florestal, acredita que criança tem que aprender como criança: brincando. Lá, o aluno é estimulado no desenvolvimento cognitivo, afetivo, motor e social por meio de um programa de aprendizagem com atividades planejadas que desenvolvem os potenciais de cada um.

“A proposta pedagógica da Paraisoteca é baseada em múltiplas referencias teóricas. Dentre elas estão Jean Piaget, que tem a criança como o agente de seu saber e nós como estimuladores e mediadores; Maria Montessori, que fala do respeito por si, pelo outro e pelos espaços circunscritos; Feuerstein, que é o positivismo fundamental; e Waldorf, que defende a autonomia da criança como ser capaz de executar suas demandas e produções”

Carla Patricia Rivero, diretora da Paraisoteca

A escola oferece serviço de berçário (0 a 1 ano e meio), educação infantil (com grupos de pequenos e bem pequenos), contraturno (período do dia em que a criança não está na escola) e colônia de férias. Na Paraisoteca todo o interesse do aluno é incentivado de forma espontânea, com oferta do ensino do inglês, sendo optativo o programa bilíngue, e atividades de harmonia com a natureza. 

“A Paraisoteca possibilita, através dos planejamentos pedagógicos, espaços circunscritos e olhar atento e respeitoso a todos às crianças, atividades variadas, desafiadoras, estimulantes e lúdicas, que estimulam seus diferentes saberes. Além de uma necessidade real de desenvolvimento globalizado, são experiências, lembranças e lições de uma infância feliz e saudável para a formação de um adulto consciente, crítico, responsável e com a certeza de seu papel na sociedade para um mundo cada dia melhor”, ressalta a coordenadora pedagógica.

Em uma estrutura de sete andares, área verde e capacidade para 120 crianças, os alunos da Paraisoteca desfrutam de atividades em espaços como a Sala de Teatro, espaço cultural com recursos audiovisuais lúdicos; o Quintalzão, onde diversão e aventura são garantidas; o Cantinho de Leitura, feito para estimular a imaginação e gosto pelos livros; a Sala de Movimento, para as atividades como musicalização, capoeira, ioga, funcional kids e teatro; e a Zooteca, local onde as crianças têm amplo contato com plantas e animais. 

Sala de Movimento para as atividades como musicalização, capoeira, ioga, funcional kids e teatro (Foto de Bruno Sarraf)

“As brincadeiras planejadas realmente ajudam no desenvolvimento infantil. Essas atividades influenciam nos estímulos neurais, nutrindo o cérebro para receber signos, informações prazerosas, buscando constantemente o desejo de aprender. As atividades lúdicas no processo de ensino-aprendizagem são, comprovadamente, muito mais eficazes no que se refere aos estímulos e apreensões cerebrais do que o método tradicional de aprendizagem, em que a criança só recebe informações, não é estimulada a pensar, independentemente de seus desejos”, explica Valéria. Construindo assim, o verdadeiro aprendizado, sem ser através de injeções de informações ‘’ que só geram réplicas, explica Carla Rivero.

Brincadeiras sensoriais
As brincadeiras sensoriais possibilitam o uso de todos os sentidos da criança. Na Paraisoteca, os alunos participam de atividades em ambientes com texturas naturais, como grama, areia, água e barro, além de diversos estímulos, ao mesmo tempo, como sons, cheiros, sabores e texturas para novas aprendizagens e conexões neurais.

“Ao possibilitar o uso de todos os sentidos da criança através de atividades que estimulam estas competências, estamos contribuindo com o seu desenvolvimento neurológico. O cérebro precisa ser exercitado e exposto à diversas experiências para ser fortalecido. Os jogos, brincadeiras e outras atividades sensoriais estimulam a inteligência, ou seja, as áreas cognitivas, assim como ajudam na criatividade, fazendo com que o cérebro tenha a oportunidade de acionar diferentes canais para a entrada de conhecimento, contemplando todos os saberes”

Valéria Barth, coordenadora pedagógica e neuropsicopedagoga da Paraisoteca

A escola estimula ainda a alimentação consciente. Para isso, são oferecidas atividades de educação nutricional, além de oficina culinária e vivência em uma hortinha plantada em um dos ambientes da escola. Outra atividade de destaque é a Aula de Emoção, que, de forma lúdica espontânea, mostra como é natural a demonstração de sentimentos como raiva, felicidade, tristeza e então como lidar de forma consciente consigo e com o próximo.

A escola também promove a interação dos alunos com a natureza (Foto de Bruno Sarraf)

BNCC
Até o próximo ano, todas as escolas terão que se adequar à proposta da nova Base Nacional Comum Curricular (BNCC) para o desenvolvimento das crianças na Educação Infantil. Na hora de matricular o filho, os pais precisam ficar atentos se a instituição atende as propostas do documento, que determina as competências, habilidades e aprendizagens essenciais para que todos os alunos possam se desenvolver melhor em cada etapa da educação básica.

Entre as principais mudanças está a proposta de uma nova organização curricular e colocar a criança como centro do processo criativo, além de investir em atividades recreativas. Em Salvador, a Paraisoteca é pioneira em atender 100% da proposta da BNCC. Antes mesmo das normas serem homologadas, a escola já atuava de acordo com o documento há dois anos. 

Ainda em 2019, toda a equipe da Paraisoteca estará em conformidade com a Lei Lucas (capacitação de 100% dos colaboradores no curso de primeiros socorros).

O Estúdio Correio produz conteúdo sob medida para marcas, em diferentes plataformas.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas