Dado lamenta derrota, mas diz que Bahia está perto de 'virar chave'

e.c. bahia
06.01.2021, 22:54:00
Atualizado: 07.01.2021, 00:04:43
Dado acredita que Bahia precisa vencer a primeira para tirar peso e engatar sequência positiva (Foto: Tiago Caldas/Arquivo CORREIO)

Dado lamenta derrota, mas diz que Bahia está perto de 'virar chave'

Tricolor perdeu últimos sete jogos na Série A e pode entrar no Z4

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O Bahia não tem vivido dias de alegria na temporada 2020. Diante do Grêmio, na noite desta quarta-feira (6), em Porto Alegre, o tricolor voltou a ser superado e foi derrotado por 2x1, somando o sétimo revés seguido na Série A. Mas, para o técnico Dado Cavalcanti, a impressão deixada pela equipe no confronto com os gaúchos foi positiva. 

No segundo jogo no comando do time, Dado analisa que o detalhe impediu um melhor resultado na Arena do Grêmio e afirma que o Esquadrão está próximo de voltar a pontuar no Campeonato Brasileiro. 

"As derrotas pesam. Elas magoam, machucam. Não tem ninguém satisfeito aqui, eu sinto pela derrota, sei que o torcedor está machucado, mas também não posso ficar cego e não visualizar como perdemos hoje e a partida que fizemos. Tenho certeza de que estamos muito próximos de virar a chave. Trabalhando confiando. Nossa equipe não merecia perder hoje. Existem derrotas que a equipe fraqueja, é neutralizada pelo adversário, mas não foi o caso. Nós jogamos melhor, tivemos mais chances de gol. O detalhe fez a diferença para que o resultado não viesse hoje, mas com muita fé de que estamos no caminho e que quando o primeiro resultado vier vamos tirar o peso e outros vão vir", afirmou.

Ainda sobre a partida contra o Grêmio, Dado Cavalcanti explicou a preferência pelos atacantes Clayson e Rossi, que entraram no segundo tempo do duelo. De acordo com o treinador, a ideia era não alterar as características da estratégia montada. 

"São características diferentes. Eu fiz um investimento na condução do meio com Ramírez, Ramon e Daniel, essa situação nos trouxe uma vantagem numérica no meio-campo. Com a saída do Thiago eu tentei preservar essa condição no meio, precisava de alguém de profundidade, o Thiago é um jogador de espaço, e o outro jogador de espaço que temos no elenco é o Rossi. A opção foi permanecer com o jogador que cai nos espaços vazios, empurra a defesa para trás e cai entre linhas", disse ele, antes de concluir:  

"O Clayson também tem por característica ser um jogador que joga mais por dentro. Fiz essa opção por entender que nos traria mais agressividade no jogo por dentro e a gente teria o padrão de um homem a mais no meio-campo, que nos trouxe muita vantagem em relação ao nosso adversário", analisou.

Com 28 pontos, o Bahia vive situação delicada no Brasileirão. O tricolor é o 16º colocado, mas pode entrar na zona de rebaixamento no complemento da rodada. O Vasco, primeiro time no Z4, soma os mesmos 28 pontos e tem dois jogos a menos. O time carioca entra em campo nesta quinta-feira (7), contra o Atlético-GO e precisa de apenas um empate para superar o Esquadrão. 

O próximo adversário do Bahia no Brasileirão será o Atlético-GO, domingo (10), às 18h15, em Goiânia. 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas