Damares defendeu prisão de prefeitos e governadores em reunião ministerial

brasil
12.05.2020, 21:00:31
Atualizado: 12.05.2020, 21:16:03
(Valter Campanato/Agência Brasil)

Damares defendeu prisão de prefeitos e governadores em reunião ministerial

Encontro foi apontado por Sergio Moro como prova de que Bolsonaro queria ter acesso a investigações sigilosas e interferir na Polícia Federal

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Em reunião ministerial no dia 22 de abril, a ministra Damares Alves (Mulher, Família e Direitos Humanos) defendeu a prisão de prefeitos e governadores, segundo o portal UOL. O encontro foi apontado pelo ex-ministro da Justiça Sergio Moro como prova de que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) queria ter acesso a investigações sigilosas e interferir na Polícia Federal.

De acordo com o UOL, a assessoria de imprensa da ministra confirmou as falas e afirmou que Damares se manifestou dentro de um contexto de defesa dos direitos humanos e da administração pública. Ainda segundo a assessoria, Damares já defendeu esse posicionamento em outras falas, antes da reunião.

Ainda de acordo com a pasta, a ministra defende a prisão dos quem violar os direitos humanos como prisões de pessoas que furem isolamento nas ruas, comerciantes algemados e agressão a idosos. Para Damares, também é válido o encarceramento de prefeitos e governadores que desviarem verbas e cestas básicas. 

Nesta terça-feira (12), o vídeo de cerca de duas horas da reunião foi reproduzido para partes integrantes do processo - Moro, investigadores, integrantes da Advocacia-Geral da União e Procuradoria-Geral da República. O material foi apresentado pelo governo Bolsonaro à Polícia Federal, que investiga as denúncias de que o presidente queria interferir politicamente na corporação e ter acesso a investigações sigilosas.

Na mesma ocasião, o ministro da educação Abraham Weintraub xingou os ministros do Supremo Tribunal Federal ao afirmar que a Corte era composta por onze filhos da puta.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas