Decisão da CCJ do Senado sobre armas causa reações distintas

brasil
13.06.2019, 08:18:14
Atualizado: 13.06.2019, 08:21:10

Decisão da CCJ do Senado sobre armas causa reações distintas

Projetos ainda precisam passar pelo plenário da Casa, o que só deve ocorrer no dia 18

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.


A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado aprovou nesta quarta-feira (12) por 15 votos a 9, projetos que anulam o decreto do presidente Jair Bolsonaro que flexibilizou o porte de armas no País. Os projetos ainda precisam passar pelo plenário da Casa, o que só deve ocorrer no dia 18, e pela Câmara dos Deputados.

A decisão dividiu especialistas. Na visão do promotor do Ministério Público de São Paulo (MPE-SP) Felipe Zilberman, a comissão foi "corretíssima". Segundo afirma, o decreto seria inconstitucional porque "viola" o Estatuto do Desarmamento, lei federal de 2004, que não pode ser alterada dessa forma. "Se o presidente quer cumprir uma promessa de campanha, o que não há problema, tem de submeter essas mudanças ao Congresso. Só assim é possível revogar a lei", diz. "O que não é possível é, por uma canetada, fazer do texto legal uma tábula rasa." 

Para Zilberman, a decisão da CCJ deve ser confirmada nas próximas votações no Senado e na Câmara. "Ainda que o texto seja aprovado politicamente, uma possibilidade remota, o decreto não resiste à análise de inconstitucionalidade do Judiciário", projeta.

Já o presidente do Movimento Viva Brasil e líder pró-armas, Bene Barbosa, afirma que a decisão da CCJ foi "ideológica" e "partidária". "Embora o alegado seja que o decreto extrapolou os limites e entrou na seara do Legislativo, em nenhum momento nenhum dos senadores conseguiu mostrar, tecnicamente, onde aconteceu isso."

Para ele, o decreto não apresentaria "problemas legislativos ou constitucionais". "Todos os decretos anteriores, dos últimos 30 anos, que eram sempre a favor de mais restrições a armas, jamais tiveram esse problema. O debate tem sido ideológico, entre quem acredita que o Estado tem o monopólio da força e quem acredita que os cidadãos têm direito à legítima defesa, no que me incluo "

Critérios
"O decreto deu objetividade a critérios, que antes eram subjetivos, para que o cidadão possa ter a posse de arma, se quiser", afirma Raquel Kobashi Gallinati, presidente do Sindicato dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo (Sindpesp). No entanto, a votação da CCJ indica, para ela, que a questão do armamento ainda precisa de uma "discussão mais madura". "Se há rejeição é porque a opinião da sociedade sobre o próprio decreto ainda não está solidificada, apesar de o presidente ter sido eleito com essa proposta."

Coordenador do estudo Mapa da Violência, o sociólogo Julio Jacobo Waiselfisz afirma que a proposta vai "na contramão da história". "Não há prova material mostrando que armar pacifica a população. Todas as pesquisas sérias mostram exatamente o contrário: quanto mais armas maior a quantidade de homicídios e de mortes", diz. 

Em nota, o Instituto Sou da Paz comemorou a "vitória parcial" na CCJ e disse que a diminuição da circulação de armas no Brasil, desde o Estatuto do Desarmamento, está relacionada à redução de índices de assassinato. "Antes, o crescimento anual dos homicídios era de 8,1% - índice que foi reduzido para 2,2%." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas
Correio.play
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/suspeitos-de-assaltos-no-horto-florestal-morrem-em-troca-de-tiros-com-a-pm-veja-video/
Um deles tinha sido preso no ano passado após invadir casa, na Santa Cruz e manter família refém por cerca de três horas
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/del-feliz-traz-o-clima-junino-para-os-leitores-do-correio/
Forrozeiro é o convidado da segunda live do jornal, neste sábado (6)
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/em-audio-neymar-xinga-padrasto-e-parca-sugere-enfiar-o-cabo-de-vassoura/
Papo revela comentários homofóbicos de jogador e preocupação com namoro da mãe, que teria sofrido tentativa de agressão de Tiago Ramos; Nadine nega
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/patroa-ajudou-crianca-que-caiu-de-predio-a-entrar-no-elevador/
Miguel, de 5 anos, morreu; petição que pede justiça tem mais de 77 mil assinaturas
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/morre-aos-85-anos-atriz-maria-alice-vergueiro-do-meme-tapa-na-pantera/
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/manifestantes-ateiam-fogo-em-onibus-na-paralela-veja-video/
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/rodamos-na-nova-versao-da-ranger-a-storm/
Em vídeo, jornalista automotivo analisa a cabine dupla diesel
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/idoso-de-81-anos-e-o-100o-paciente-com-covid-19-a-ter-alta-no-hospital-portugues/
Unidade comemorou liberação do homem, que deu entrada há seis dias com 50% do pulmão comprometido
Ler Mais