Delegada é investigada por permitir que 'estranho' fizesse parte de operação na Pituba

salvador
22.09.2021, 09:11:00
(Arisson Marinho/Arquivo CORREIO)

Delegada é investigada por permitir que 'estranho' fizesse parte de operação na Pituba

Homem que não é policial participou com submetralhadora; Maria Selma está afastada

A delegada Maria Selma Pereira Lima é investigada por permitir que uma pessoa "estranha aos quadros" da Polícia Civil participasse de uma operação em uma casa de jogos de caça-níquel na Pituba, em Salvador. A decisão de instaurar um processo administrativo disciplinar para investigar o caso foi publicada no Diário Oficial, assinada pela delegada-geral da Polícia Civil, Heloísa Campos de Brito. 

Segundo a portaria, na ocasião o estranho portava uma "arma longa, tipo submetralhadora", que tem uso restrito. A delegada já é alvo de  ação penal oferecida pelo Ministério Público do Estado da Bahia (MP-BA) e o novo fato surgiu de informações que fundamentam essa denúncia.

A operação policial aconteceu em 26 de abril de 2018, na Pituba - Maria Selma era na época titular da 16ª Delegacia, que atua na região.

O homem "estranho" que participou da ação policial é identificado pelas iniciais C.M.V.S. e possivelmente se trata de Cláudio Marco Veloso Silva. Cláudio foi denunciado junto em agosto desse ano por usurpação de cargo público, na Operação Dublê, que denunciou também a delegada e outros dois homens.

A delegada-geral destaca que, se comprovadas, essas condutas configuram infrações disciplinares previstas pela legislação e a Maria Selma pode até ser demitida do cargo, como determina a lei estadual 6.677/1994.

As infrações investigadas incluem cometer pessoa estranha à repartição, fora dos casos previstos em lei; valer-se do cargo para lograr proveito pessoal ou de outrem; praticar ato definido como infração penal que, por sua natureza e configuração, torne-o incompatível para o exercício da função policial e utilizar pessoal ou recursos materiais da repartição em serviços ou atividades particulares.

Leia mais: MP denuncia delegada e mais três pessoas envolvidas na 'Operação Dublê'

Leia também: Delegada acusada de tortura fala pela 1ª vez após expor dossiê sobre Maria Selma

Veja mais: Delegada da Bahia tem casa revistada em São Paulo e parceiro é preso em Salvador

Delegada está afastada
A delegada foi afastada das suas funções por 1 ano, em decisão tomada em julho pela Justiça. Ela é suspeita de envolvimento com uma quadrilha que roubava e clonava carros na Bahia. A denúncia sobre o caso foi encaminhada pelo Ministério Público da Bahia (MP-BA) em agosto. O órgão afirma que a delegada usava sua influência obtida com o cargo para facilitar crimes e garantir a impunidade para comparsas.

Por conta da denúncia, Maria Selma responde por falsificação de documento público, falsidade ideológica, uso de documento falso, denunciação caluniosa e fraude processual.

A defesa da delegada sempre negou suas participações no crime. Na época do cumrpimento de mandados de busca na casa da delegada, o advogado de Maria Selma, Sérgio Habib, classificou como “medida extrema” a decisão. Ele disse que  o MP não conseguiu provar a ligação direta entre a delegada e os suspeitos e por isso insinuavam que ela teria relacionamento amoroso com um deles.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas