Deputado aciona PF contra Fátima Bernardes por suposta apologia às drogas

em alta
07.01.2020, 15:00:00
Atualizado: 09.01.2020, 18:44:54

Deputado aciona PF contra Fátima Bernardes por suposta apologia às drogas

Denúncia ocorre após a funkeira Ludmilla cantar 'Verdinha' no programa 'Encontro'

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Ludmilla e Fátima Bernardes nos bastidores do programa 'Encontro'
(Foto: Bruna Luiza/TV Globo)

O deputado federal e pastor evangélico Otoni de Paula (PSC-RJ) protocolou na Polícia Federal uma notícia-crime contra a apresentadora Fátima Bernardes por causa de uma apresentação de Ludmilla no 'Encontro', da TV Globo.

De acordo com o site da revista Veja, o motivo foi a atração, na perspectiva do deputado, ter feito apologia ao cultivo, uso e venda de maconha no dia 23 de dezembro, quando a funkeira esteve no palco do programa e cantou 'Verdinha'. 

Na música, a letra diz: “Eu fiz um pé lá no meu quintal / Tô vendendo a grama da verdinha a um real”.

No pedido ao diretor da Polícia Federal, Maurício Valeixo, o deputado critica a apresentadora por mostrar no horário matutino uma música que, segundo ele, faz apologia às drogas. 

Otoni ainda ressalta que Fátima afirmou que 'Verdinha' será “o hit do ano de 2020”. “Pelo horário, deduz-se que, dentre os telespectadores, estejam considerável número de menores”, argumentou o deputado no documento. 

Fátima não se posicionou sobre o assunto, mas a cantora Ludmilla, através de sua assessoria de imprensa, enviou uma nota ao CORREIO. Leia abaixo:

"A cantora Ludmilla, através de sua assessoria jurídica, representada pelo advogado José Estevam Macedo Lima, vem a público externar veemente repúdio ao cerceamento à liberdade de expressão cultural que, sistematicamente, vem sendo manifestado contra as letras das músicas de sua autoria.

Com efeito, a cantora tem sido alvo de postagens em redes sociais que constituem flagrante violação ao seu direito da livre manifestação cultural, que lhe é assegurado pela Constituição Federal, em seu art. 5º, inciso IX.

Nessa oportunidade, a artista e sua equipe lamentam a veiculação de textos mascarados de mera reprovação ao que canta a artista, mas que na verdade servem como pano de fundo para  disseminação do ódio, da discriminação e do preconceito.

Por fim, a cantora esclarece que não poupará esforços para adotar todas as medidas cíveis e criminais que se fizerem necessárias, de modo a repelir e responsabilizar os autores das postagens de conteúdo discriminatório, preconceituoso, calunioso, infame e difamatório a seu respeito."

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas