Desaparecida após deixar filha na escola em Pernambués, jovem é achada morta

salvador
26.09.2018, 16:47:00

Desaparecida após deixar filha na escola em Pernambués, jovem é achada morta

Pai buscava informações há cinco dias; corpo foi encontrado em Simões Filho

Rafaela, 22 anos, foi encontrada morta em Simões Filho (Foto: Acervo Pessoal)

“Painho... Cadê o senhor? Disse que vinha em minha casa. Te esperei”, dizia a mensagem de Rafaela Souza Alves, 22 anos, enviada pelo WhatsApp ao pai, dois dias antes do seu desaparecimento. Mas o motorista Hamilton de Jesus Alves, 46, só leu no dia seguinte, no trabalho, onde tem acesso à internet. “Ela queria me dizer algo importante, tenho certeza, mas não pude ajudá-la”, declarou ele, depois de sair do Instituto Médico Legal Nina Rodrigues (IMLNR), onde esteve para liberar o corpo da filha na manhã desta quarta-feira (26). 

Rafaela estava desaparecida desde o último dia 20, depois de deixar a filha de um ano na escola, no bairro de Pernambués, em Salvador. O corpo da jovem foi encontrado na tarde desta terça (25), na cidade de Simões Filho, Região Metropolitana de Salvador (RMS). Como o corpo estava em estado avançado de gigantismo, segundo a polícia, vai ser realizado um exame de análise das impressões digitais.

“Será apenas uma formalização, pois sei que é minha filha. A reconheci pelo short de malha estampado que ela tanto gostava”, declarou Hamilton, que trabalha como motorista do Conselho Tutelar da Federação. Uma perícia também identificará a causa da morte.

O caso é investigado pela 22ª Delegacia (Simões Filho). O CORREIO tentou falar com o delegado Ciro Carvalho, titular da unidade, para saber como está o andamento da investigação, mas ele não atendeu às ligações. 

Desaparecimento
Rafaela morava na localidade de Jardim Brasília, em Pernambués. No dia 20, ele deixou a filha na escola – a cerca de um quilômetro de sua residência – por volta das 12h30. No retorno para casa, a jovem desapareceu misteriosamente.

“Ninguém sabe dizer o que aconteceu. Perguntamos a todo mundo e nada. Rodamos tudo e nenhuma informação que nos levasse até a minha filha”, comentou o pai da vítima. 

Desde então, foram dias e dias percorrendo delegacias, hospitais, postos de saúde e o próprio IML em busca de Rafaela, mas tudo isso em vão. Nessa terça, uma ligação à casa da família levou seu Hamilton ao corpo de uma mulher, numa localidade chamada Tiro Certo, em Simões Filho.

“No fundo, não queria acreditar no que estava vendo, mas era verdade. Era a minha filha mais velha ali”, declarou, bastante emocionado. 

Segredos
Rafaela estava desempregada e ficava em casa cuidando da filha. A mensagem enviada dias antes ao pai é a certeza de que algo de errado estava acontecendo, e que Rafaela precisava de ajuda.

“Pra ela querer falar comigo, é porque era algo muito urgente. Ela era uma pessoa muito reservada. Não costumava falar muito sobre sua vida, a não ser com um primo, com quem desabafava, contava seus segredos”, comentou o motorista, que ainda não teve tempo de conversar com o sobrinho.

O que deixa a família intrigada é que Rafaela sempre dizia para onde ia e que ela poderia ter saído na companhia de pessoas conhecidas dela. Questionado sobre a possibilidade de a jovem estar se relacionando com alguém, Hamilton afirmou não estar a par da vida pessoal da filha. “Se tinha, a gente (família) não tinha conhecimento. Quando os filhos chegam à fase adulta, às vezes escondem as coisas dos pais. Talvez a mensagem era o momento de ela abrir o jogo, mas não teve tempo”, lamentou o motorista.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas