'Desde os 3 anos já sabia', diz gêmea trans que fez cirurgia de readequação de sexo

brasil
15.02.2021, 09:46:17
Atualizado: 15.02.2021, 09:53:56
(Foto: Reprodução)

'Desde os 3 anos já sabia', diz gêmea trans que fez cirurgia de readequação de sexo

'Sou uma mulher completa', disse Mayla

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Mayla e Sofia, duas irmãs gêmeas de 19 anos, viraram notícia no Brasil após passarem, juntas, por uma cirurgia de readequação de sexo em um hospital de Blumenau, em Santa Catarina. Mayla teve alta no sábado (13) e Sofia, no início da tarde deste domingo (14).

Após a saída do hospital, Mayla disse, em entrevista ao G1, que teve o apoio de todos da família. Ela não sente dores, apenas um desconforto. As gêmeas nasceram com o sexo biológico masculino e discutiam a transição para o feminino desde antes da maioridade.

"Eu sempre me identifiquei com o sexo feminino, desde 3 anos. Sabe um dente de leão, que você assopra e faz um pedido? Pedi a Deus para me transformar numa menininha", lembra.

As gêmeas têm uma irmã mais velha e uma mais nova. O avô delas vendeu uma casa para custear o procedimento. Apesar disso, a cirurgia está disponível pelo SUS.

As meninas são de Tapira, no interior de Minas Gerais. Mayla contou alguns preconceitos que sofreu. "No ensino médio, me chamaram de viado, fizeram gozação com minhas calças apertadas, diziam que eu não podia andar com meninas porque era feia".

"Nunca tive rejeição familiar. O medo dos pais não é de a gente ser quem a gente é, mas dos outros machucarem a gente". Mesmo assim, ela ainda teme a violência contra as pessoas trans. "Eu ainda tenho medo, de um cara na rua me xingar e me bater". Ela também lembrou o Brasil é o país que mais mata transexuais no mundo.

Atualmente, Mayla faz faculdade de medicina e gostou tanto de Blumenau que sonha em transferir o curso para a cidade catarinense. "Eu sou uma mulher completa, posso adotar, posso ter uma família, uma carreira".

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas
  • Assinaturas: 71 3480-9140
  • Anuncie: 71 3203-1812
  • Ache Aqui Classificados: 71 3480-9130
  • Redação: 71 3203-1048