'Deus me livrou da morte', diz dançarina da La Fúria após deixar hospital

salvador
25.04.2019, 11:29:00
(Foto: Reprodução)

'Deus me livrou da morte', diz dançarina da La Fúria após deixar hospital

Ela foi esfaqueada por mulher no dia 16 de abril em Itapuã

A dançarina do grupo de pagode La Fúria, Elisabeth Gonçalves, conhecida como Japa, se manifestou pela primeira vez desde que deixou, no domingo, o Hospital Municipal de Salvador, onde estava internada após levar uma facada no dia 16 deste mês, no bairro de Itapuã.

Segundo a Polícia Civil ela deverá ser ouvida hoje ou  amanhã na 12ª Delegacia (Itapuã), onde o caso é investigado. 

A suspeita de ter desferido o golpe responde pelo crime em liberdade. À frente da investigação, o delegado Nilton Tormes disse que, além de Japa, outras pessoas serão ouvidas. “Precisamos de mais interrogatórios para ver se alguém conta algo diferente”, disse o delegado.

No perfil da dançarina na rede social Instagram, Japa diz: “Meus amores estou de alta já, como todos já sabem. Porém estou em repouso”. 

Em outra mensagem, ela comunica que se mantém no grupo. “Permaneço na banda, sim, porém preciso me recuperar, pois as lesões foram graves e perfuraram o meu pulmão. Então, preciso de repouso para ter uma boa recuperação”. 

Foto: Reprodução

Numa outra frase, ao que tudo indica, ela manda um recado para a autora da facada. “Meus sonhos ninguém vai destruir, cada dia ganho mais força e essa força vem do Deus que faz milagres e me livrou da morte”. 

A dançaria comenta também a recuperação. “Estou cada dia melhor, respirando melhor e os ferimentos com uma ótima cicatrização”. Por fim, ela agradece o apoio dos fãs. “Peço que continuem na oração e dando esse apoio, porque vocês estão fazendo uma grande diferença na minha vida e através de cada mensagem linda e oração, que minha força se renova a cada amanhecer”. 

Foto: Reprodução

Interrogada
O delegado Nilton Tormes informou que como a dançarina já teve alta deve ser ouvida na delegacia. “Ela deverá ser interrogada entre hoje e manhã”, disse Tormes. A acusada de cometer o crime já compareceu na 12ª Delegacia. “Ela reservou o direito de permanecer calada e se manifestar em juízo”, disse o delegado. 

O delegado pontuou ainda que de imediato outras pessoas deverão ser ouvidas, mas, a princípio, adiou o interrogatório do homem com quem a Japa teria se envolvido, motivo pela qual a dançarina levou a facada da rival.

“Primeiro, vamos saber o que as pessoas vão dizer. Tudo depende do que foi apurado no decorrer da investigação, para saber se ele será interrogado na condição de suspeito ou de testemunha”, declarou o delegado, que aguarda os laudos periciais do Departamento de Polícia Técnica para juntar ao inquérito. 

O CORREIO tentou falar com a assessoria de comunicação da banda, mas não obteve sucesso. 

Vídeo
Recentemente, a Japa gravou um vídeo dizendo que teria sido vítima da ex-mulher de um homem com quem estava se envolvendo. A dançarina disse também que está sendo ameaçada pela acusada e por amigos dela nas redes sociais.

Confira o depoimento da dançarina na íntegra:

"Olá, meus amores! Peço desculpas pela demora em me pronunciar devido o acontecido. Mas, estou aqui sendo franca, sendo verdadeira para todos vocês que merecem sim a minha resposta. Estou recebendo muitas perguntas, críticas entre outras coisas.

Primeiramente venho agradecer o carinho de vocês, as orações, que foram ouvidas por Deus. Graças a meu bom Deus eu estou tendo uma boa recuperação e estou podendo aqui agora gravar esse vídeo para vocês.

Devido aos boatos que estão acontecendo, que estão dizendo aí eu vim falar com vocês a real do que aconteceu.

Eu estava em uma festa, em um aniversário na semana retrasada onde estava entre amigos/ conhecidos. E conheci essa pessoa. Primeiramente a gente teve um contato normal quando duas pessoas se conhecem numa festa normal. Não teve algo de intimidade nenhuma.

Só que daí dessa festa a gente marcou de se encontrar em outro lugar para beber, conversar e coisa e tal. Saímos na segunda-feira, bebemos, passamos a tarde toda bebendo entre amigos também. Quando chegou na segunda fomos para a casa dele. E na terça-feira pela manhã aconteceu isso [as facadas].

Ele tinha dito para mim que era um cara solteiro e desimpedido. Inclusive, tenho conversas, tenho prints, tenho a voz dele fazendo as coisas exatamente que eu estou dizendo aqui. [Ele dizia que] era uma pessoa desimpedida, uma pessoa solteira que realmente tinha terminado um relacionamento recente de três meses.

Então, eu achei que seu eu era solteira e ele era solteiro não vi nada de mais a gente sair, beber  e curtir juntos.

Na terça-feira, no dia do ocorrido, pela manhã mais ou menos umas 8h30 essa pessoa , essa indivídua [mulher, que segundo a dançarina se dizia namorada do rapaz] chegou já me golpeando e me deu uma facada nas costas, puxando meu cabelo e me chamando de 'talarica'.

[Ela ficava] dizendo que eu sabia que ele tinha namorada e coisa e tal. Porém, eu não sabia. E ele, constantemente, falava em todas nossas conversas que ele não tinha mulher e não tinha nenhum relacionamento.

Ele dizia que tinha terminado recentemente [o namoro] e que não estava mais em um relacionamento. Ele me mostrou conversas dele e dela, ele terminando com ela.

Então, venho esclarecer isso para vocês. Eu não roubei o namorado de ninguém. Eu não sou 'talarica' porque 'talarica' também é quando mulheres que tem amizade com outras que pega o namorado da outra. E eu não a conheço. Também não o conhecia. Eu conheci ele nessa festa. A gente só se encontrou duas vezes. A primeira vez não teve nada. A segunda saímos para beber e aconteceu isso aí.

Venho agradecer a todos pelas orações, pelas mensagens lindas que tenho recebido. E pedir misericórdia a todas as pessoas que desejaram a minha morte. Eu perdoo todo mundo. Perdoo ela também. Sei que cada um tem seus motivos. Porém tirar a vida do outro não tem motivo nenhum. Que Deus abençoe a vida de cada um e tenha uma boa noite.

***

Em tempos de desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informações nas quais você pode confiar. E para isso precisamos de uma equipe de colaboradores e jornalistas apurando os fatos e se dedicando a entregar conteúdo de qualidade e feito na Bahia. Já pensou que você além de se manter informado com conteúdo confiável, ainda pode apoiar o que é produzido pelo jornalismo profissional baiano? E melhor, custa muito pouco. Assine o jornal.


Relacionadas