Devotos de Nossa Senhora da Vitória saem em procissão pela Av. Sete

salvador
20.08.2017, 17:46:00
Atualizado: 20.08.2017, 18:05:51

Devotos de Nossa Senhora da Vitória saem em procissão pela Av. Sete

Diversos altares foram construídos para homenagear a santa ao longo do Corredor da Vitória

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Um mini trio elétrico invadiu a avenida Sete de Setembro e arrastou uma multidão na manhã deste domingo (20). Não, não era carnaval fora de época. As pessoas saíram às ruas, por volta das 9h, para homenagear Nossa Senhora da Vitória. O grupo partiu do Largo dos Aflitos e seguiu até a sede da igreja matriz, no Largo da Vitória. No trajeto, o que mais impressionou foi a quantidade idosos e de altares construídos na entrada dos condomínios para celebrar a santa.

Imagem de Nossa Senhora da Vitória durante procissão (Foto: Marina Silva/ CORREIO)

Os baianos estão acostumados a ver nas procissões religiosas a imagem do santo homenageado sobre um andor e algumas poucas representações no meio dos devotos, mas na festa de Nossa Senhora da Vitória é um pouco diferente. Os católicos que frequentam a paróquia contaram que muitos dos fieis são bastante idosos e não conseguem acompanhar a procissão.

A solução encontrada pelas famílias desses devotos foi montar um altar para a santa na porta dos condomínios e assistir a passagem da procissão. Resultado: o Corredor da Vitória se transformou em um verdadeiro corredor de altares, desde os mais singelos até o os mais pomposos. As estudantes e amigas Bruna Maria Froes, 11 anos, e Catharina Muniz, 12, foram as responsáveis pela montagem do pequeno altar do Edifício Monte Negro.

Devotos montaram um altar para a santa nas portas e janelas dos condomínios (Foto: Marina Silva/ CORREIO)

"Pensamos que seria uma boa ideia montar o altar e aí fizemos. É bom, para sermos abençoadas", afirmou Bruna. A mãe dela, a estudante de nutrição Eliane Froes, 41, contou que incentiva a filha a alimentar a devoção pela santa. "Ela sofreu uma queda quando era pequena e foi através da fé que eu tinha que ela se recuperou. Todo domingo nós vamos à igreja. Eu incentivo porque do jeito que o mundo está precisamos, cada vez mais, está mais próximo de Deus. Hoje ela teve a ideia de montar o altar e fazer os cartazes e eu apoiei", disse. 

Para o corretor de imóveis Hélio Muniz, 43, o poder da santa é inquestionável. Ele ficou emocionado ao lembrar do assalto que sofreu em março deste ano, foi a sétima vez em que foi vítima de criminsos. "Eu escapei da morte graças a fé que eu tenho em Nossa Senhora", disse. 

Procissão
O grupo de fiéis deixou o Largo dos Aflitos sob o som dos fogos de artificio, cânticos e orações. Muitos optaram por se vestirem de branco e uma legião de anjinhos, de 3 a 6 anos, seguiram à frente da procissão. Todos estudantes da creche Nossa Senhora da Vitória, que fica no bairro da Graça e atende às crianças da Gaboa e adjacências. A pequena Ângela Freire, 4, era só sorrisos enquanto balançava as asinhas e se divertia com a auréola.

(Foto: Marina Silva)
(Foto: Marina Silva)
(Foto: Marina Silva)
(Foto: Marina Silva)
(Foto: Marina Silva)
(Foto: Marina Silva)
(Foto: Marina Silva)
(Foto: Marina Silva)
(Foto: Marina Silva)
(Foto: Marina Silva)

"Esse é o terceiro ano dela na procissão. Ela gosta e eu incentivo. Sou devota de nossa senhora da Vitória, já consegui muitas graças através da fé que tenho nela, mas hoje estou aqui apenas para agradecer pelas bênçãos recebidas a cada dia", afirmou a mãe de Ângela, a cozinheira Ana Patrícia Santana.

Quando a procissão alcançou o Corredor da Vitória a vista parecia de um dia de jogo da seleção, mas nas cores azul e branco. Diversos condomínios decoraram os portões com balões e faixas nas cores da santa, e devotos levaram os terços e as imagens de Santa Vitória para serem abençoados, como dona Maria Mattos, que no alto dos seus 99 anos fez questão de assistir a procissão do calçadão. Mais à frente, dona Tereza Bonfim, 93, também assistia ao cortejo.

Para o padre Luís Simões, que comanda a paróquia de nossa senhora da Vitória, essa demonstração de fé é um dos principais motivos para a realização da festa, que acontece há 13 anos.

"A comunidade resolveu mostrar que era importante fazer uma manifestação pública da sua fé. Isso foi há 13 anos e, desde então, essa festa é realizada no primeiro domingo depois do dia 15 de agosto, que é quando acontece a festa de assunção de nossa senhora da Vitória no mundo. A nossa procissão é uma demonstração de fé para a cidade e para o bairro, para mostrar que a igreja está ativa e viva", afirmou.

Agentes da Transalvador e da Polícia Militar acompanharam a procissão, que seguiu na pista direita da via e atraiu a atenção de curiosos, como os vigilantes e porteiros da região. Quem não pode descer para a avenida, acompanhou a festa da janela, mas nem por isso deixou de fazer as famosas selfs. A festa encerrou na igreja, sob aplausos.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas