Devotos de Santa Bárbara e Iansã se adaptam à pandemia

salvador
04.12.2020, 05:00:00
Este ano, a Paróquia do Quartel da Barroquinha vai ficar vazia e a tradicional missa será transmitida pela internet (Foto: Divulgação/CBMBA)

Devotos de Santa Bárbara e Iansã se adaptam à pandemia

Para não passar em branco, vale caruru em quentinhas, missas virtuais e até remarcar a festa

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A pandemia do novo coronavírus mudou a rotina das pessoas, mas ela não conseguiu abalar a fé. Os devotos de Santa Bárbara e Iansã que o digam. A celebrações para a santa e a orixá marcam o início do ciclo das festas populares em Salvador, que este ano vão estar bem diferentes. 

O tradicional caruru oferecido pelo Corpo de Bombeiros Militar da Bahia (CBMBA), de quem Santa Bárbara é padroeira, este ano vai ser em formato de quentinha. Nesta sexta (4), a corporação vai entregar as quentinhas com a iguaria a moradores de rua, acompanhado de um kit com álcool a 70%. Além disso, os militares vão doar cestas básicas, roupas e kits de higiene pessoal.  Às 9h, uma missa vai ser celebrada na Paróquia do Quartel da Barroquinha que será transmitida pelo perfil da corporação no YouTube.

“Nos readequamos para conseguir manter a tradição e as homenagens. Para evitar a aglomeração, vamos levar as quentinhas e os kits diretamente para aqueles em necessidade alimentar em locais pré-definidos por nós. Estamos num ano de muita dificuldade, por isso resolvemos também levar cestas básicas e roupas para os mais necessitados”, explicou o comandante-geral do CBMBA, coronel BM Francisco Telles.

A fé da corporação foi uma das primeiras coisas que Gleisiane Silva, dentista e soldada do Corpo de Bombeiros Militar da Bahia, herdou quando passou no concurso em 2017. Para comemorar a aprovação, ela fez um caruru para a padroeira e, desde então, não passa a data em branco. Esse ano, não seria diferente, com tantas provações a saúde, agradecer é uma obrigação. “O primeiro caruru foi em casa mesmo, minha irmã gosta de decoração e arrumou tudo, foi só com a família e esse ano vai ser do mesmo jeito por causa da pandemia. Esse ano eu vou fazer para agradecer novamente, porque ela nos deu livramento várias vezes. Tem dado resultado, ela tem sido ótima comigo”, falou. 

A devoção por Santa Bárbara acompanha a soldado Gleisiane desde que entrou no Corpo de Bombeiros (Foto: Arquivo pessoal)



A devoção de dona Aída Valtrudes, de 81 anos, é bem mais antiga. Veio do pai, que no primeiro dia de trabalho em um açougue na Vitória, encontrou um quadro de Santa Bárbara todo empoeirado no local. Limpou, pediu ao colega pra ir nos canteiros próximos para coletar umas flores e colocou em um vaso ao lado da imagem. Desse dia em diante, ele se tornou devoto e daqueles fervorosos. Todo ano, fazia a festa para a santa. Quando dona Aída tinha três anos, se mudaram para o bairro da Liberdade e a festa ganhou ainda mais adeptos. Desde a morte do pai, é dona Aída a responsável por tocar a tradição. “Meu pai tinha uma fé muito forte, herdei dele. Tanto que quando minha filha nasceu, batizei de Bárbara”, revelou.

Dona Aída herdou do pai a fé na santa e batizou até a filha com o nome Bárbara (Foto: Arquivo pessoal)

Mas, para tristeza dos familiares e amigos, dona Aída bateu o pé que com pandemia não tem caruru. “Só vou fazer um pequeninho pra botar nos pés dela, e só”, disparou. A festança, com aquela mesa farta, vai ficar pra quando o ‘antigo normal’ voltar a vigorar. “Assim que acabar a pandemia eu vou fazer outro, para compensar”, garantiu. 

A Igreja Nossa Senhora do Rosário dos pretos, no Pelourinho, é o local da tradicional festa da cidade. No entanto, também por lá as adaptações foram necessárias. O Prior da Irmandade dos Homens Pretos, Adonai Ribeiro, contou que a imagem não vai ser levada em procissão até o quartel. A celebração será cheia de restrições e apenas 70 fiéis poderão participar das missas.

Quem não conseguir entrar na igreja pode assistir à cerimônia no Instagram da igreja, onde também serão transmitidas três missas, às 7h, às 9h e às 11h.  

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas