Dia das Crianças: veja lista com dez opções de presente entre R$ 2 e R$ 30

salvador
10.10.2018, 04:00:00
Atualizado: 10.10.2018, 09:28:43

Dia das Crianças: veja lista com dez opções de presente entre R$ 2 e R$ 30

Levantamento foi feito em lojas de Salvador, que não devem abrir no feriado

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Foto: Marina Silva/CORREIO

Quem costuma deixar pra comprar o presente de Dia das Crianças de última hora, inclusive levando o pequeno no dia 12 pra escolher algo de sua preferência, esse ano não terá essa possibilidade, ao menos em Salvador, onde as lojas de shopping e comércio de rua devem estar fechadas na sexta-feira. 

Diante desse quadro, é melhor adiantar o lado. E para quem tem pressa de garantir o mimo, mas não tem dinheiro sobrando, o CORREIO preparou uma lista de 10 brinquedos encontrados no comércio popular da capital que chegam a custar até R$ 30.

Um dos brinquedos da vez, de acordo com os comerciantes, tem sido os piões luminosos, item simples, que contém LED, utilizado por eles para simular “batalhas”.

No comércio, é possível encontrar o produto entre R$ 4,50 a R$ 10, dependendo da marca. Outros itens bastante cobiçados são os heróis da Marvel, como o Homem-Aranha e o Capitão América, que saem a R$ 49 na rede Le Biscuit.

Alguns itens talvez não caibam no bolso de todos os papais e vovós: são as minibonecas LOL. Há, no mercado, modelos que variam entre R$ 80 a R$ 5 mil – no caso das mais raras.

A Baby Alive, que fez muito sucesso no ano passado, ainda é tendência, e o valor não mudou muito: fica entre R$ 70 e R$ 100.

Little Dolls saem por R$ 29,99
Little Dolls saem por R$ 29,99 (Foto: Marina Silva/CORREIO)
Carrinhos saem por R$ 7,99 na Le Biscuit
Carrinhos saem por R$ 7,99 na Le Biscuit (Foto: Marina Silva/CORREIO)
Baby Alive tem preços mais salgados: R$ 70 a R$ 100
Baby Alive tem preços mais salgados: R$ 70 a R$ 100 (Foto: Marina Silva/CORREIO)

Mas se o brinquedo não cabe no seu bolso, há no mercado popular bonecas mais em conta, sem as mesmas funcionalidades, mas que também podem agradar.

As clássicas Barbies, que custam R$ 30 na rede Le Biscuit, também são boas opções.

Tem ainda as de marcas menos conhecidas, com preços que variam entre R$ 4,50 a R$ 25. Todas, é bom lembrar, com o selo do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro), que garante segurança às crianças.

A boneca Júlia, que vem com uma peça de roupa e mini-acessórios de beleza, e que lembram as originais Barbies, na Loja Água Bela, localizada na Rua Lafaiete, no Nazaré, custa R$ 25. A mesma peça, sem os acessórios, é vendida por R$ 15.

Se a criança já conta com uma boneca e prefere incrementar algumas pecinhas a mais, os pais podem optar por comprar apenas os acessórios, como de beleza e cozinha. Na Loja Jade, na Rua do Paraíso, é vendido um kit cozinha por R$ 16,59.

A gurizada também pode ficar feliz com os carros colecionados da Hot Wheels vendido, nas unidades da Le Biscut, por R$ 7,99. Os maiores, de pilha, que podem ser controlados pelo dono, são achados por R$ 30 na Água Bela, que fica na Rua Engenheiro Silva Lima, em Nazaré. Na mesma loja, o item, sem a função de controle remoto, é encontrado por R$ 24,95.

Filantropia
Nas entradas das lojas mais populares, nada dos brinquedos do momento. Na verdade, estão aos olhos dos clientes aquelas peças mais singelas, como flautas, pequenos pandeiros, bonecas de marcas desconhecidas e bolas (preços variam entre R$ 2 a R$ 4,50). Produtos que, contam os comerciantes, são os mais vendidos nesta época do ano.

Isso porque a maioria dos clientes são pessoas que praticam a filantropia e compram em grande quantidade para doar em instituições carentes e creches.

Embora ainda haja muita gente de bom coração e pais que não deixam de presentear seus filhos, mesmo que isso pese no bolso, as vendas, ano a ano, vêm caindo.

De acordo com o comerciante Rogério Gomes, 37, quem chega à loja dele, a Fest Brinks, com a intenção de comprar em grande quantidade, gasta no máximo R$ 200, valor que, no final das contas, não chega a ajudar a superar a expectativa de vendas da época do ano.

As compras, que já deveriam estar a todo vapor desde segunda (8), ainda estão a passos lentos. “Essa é a semana chamada de ‘Semana da Criança’. Só que vimos uma queda comparado ao ano passado”, diz.

A baixa das vendas ele atribui a “uma crise política e financeira que passa o país”. Mesmo assim, acredita que até sexta as vendas aumentem em até 80% em relação ao ano passado que, também, destaca, “não foi lá essas coisas”.

Na Loja Jade não é diferente, segundo a atendente Sandra Souza, 48: em anos anteriores, as vendas costumavam estar a todo vapor desde o dia 1°. Neste ano, os pais têm preferido comprar produtos mais em conta. Por lá, as vendas, em relação ao ano passado, caíram 30%.

Já nas grandes redes, o cenário é um pouco mais animador. A gerente comercial da categoria da Rede Le Biscuit, Flávia Santana, espera que o consumo nas lojas durante o período cresça 13%.

“Nós tivemos boas vendas nos últimos dois anos, uma excelente vendagem em todas as nossas lojas. As compras dos pais acontecem em cima da hora, só mais próximo do dia 12 vamos ter um termômetro”, disse.

Presente
O fato é: mesmo com o dinheiro mais curto, quem tem criança em casa não deixa de investir na vontade dos filhos, sobrinhos e netos. Tem também quem pense nos alunos. É o caso da microempresária Cristiane de Lima, 41, saiu da cidade de Candeias, Região Metropolitana de Salvador (RMS), para comprar vários presentes para os estudantes da escola em que é diretora, ao lado da filha Micaele, 8, que já estava avisada que neste ano o presente ia ser mais singelo.

A microempresária Cristiane de Lima foi às lojas com a filha escolher presentes para crianças carentes (Foto: Marina Silva/CORREIO)

“Como estou comprando em grande quantidade, vou ter que reduzir no da minha filha, mas ela tem consciência disso. Desde o início do ano, ela vem juntando dinheiro; o que faltar eu completo para comprar uma casa na árvore, que custa R$ 200”, conta.

O açougueiro Nilton Andrade, 28, queria fazer a vontade da filha. Apreçou, mesmo sem levar no final, uma bicicleta que custa R$ 400, que era possível ser parcelada em até 6x sem juros no cartão. “A gente se programa para fazer a vontade dos nossos”, conta.

O açougueiro Nilton Andrade em busca do brinquedo ideal para a filha (Foto: Marina Silva/CORREIO)

Veja a lista de presentes de até R$ 30:

  1. Boneca Júlia c/acessórios R$ 25

  2. Boneca Júlia s/acessórios R$ 15

  3. Carro de controle remoto R$ 30

  4. Boneca Sovertinho R$ 10

  5. Kit com 12 peças de cozinha R$ 16,59

  6. Carro BigRacer R$ 24,95

  7. Jogo Bingo R$ 5,25

  8. Carrinho colecionável da Hot Wheels R$ 7,99

  9. Jogo de dama R$ 25,10

  10. Little dools R$ 29,99

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas