Diretora que faz bingos para pagar reforma de escola na Bahia desabafa; assista

bahia
30.11.2017, 05:00:00

Diretora que faz bingos para pagar reforma de escola na Bahia desabafa; assista

Ela ameaçou abandonar cargo por falta de atenção do governo, que enviou técnicos

“Estou muito cansada, sentindo um peso muito grande nas costas, e que não dá mais para carregar só”, desabafa Ana Célia Santana sobre a situação da escola onde trabalha. A diretora do Instituto Ponte Nova (IPN), no município de Wagner, região da Chapada Diamantina, gravou e publicou o desabafo em vídeo, na internet, na última segunda-feira (27). 

Ao CORREIO, ela contou que todas as reformas da escola são pagas com dinheiro do próprio bolso - para isso ela vem organizando bingos, vendendo bolos e tortas.

A diretora explicou que a estrutura do IPN, que foi fundado em 1906, sofre com a falta de recursos - na segunda-feira, o teto do auditório da instituição de ensino desabou. A unidade possui 722 alunos de 12 a 70 anos.

“Não podemos deixar a escola cair! Eu não aguento mais ir pra rua vender bolo pra arrecadar dinheiro”, afirmou a diretora, em entrevista ao CORREIO.

Ana Célia afirma que decidiu fazer o vídeo por estar “angustiada”. “Foi um pedido de ajuda aos apaixonados pela escola”, explica ela.

A professora ressalta que a manutenção da unidade é importante para a história e formação dos alunos da região. “Sou cria da escola, fiz meu ginásio e me formei aqui. Eu sou um exemplo vivo de que a educação transforma vidas”, conta orgulhosa a diretora, que é chamada por alunos e colegas de Cecéu.

"Eu não sei mais quantos e-mails, quantos ofícios eu mandei pra Secretaria (estadual da Educação). A gente tem muita promessa de reforma, muita promessa de visita técnica, mas a gente até agora não tem nada”, diz a diretora na gravação.

No ano passado, a escola passaria por uma reforma. No entanto, o projeto apresentado alteraria características da construção, por isso a própria unidade não permitiu a modificação. “A empresa queria mudar a estrutura centenária da escola. A gente não pode mexer na história assim”, justifica a intervenção. A diretora, que está à frente da instituição desde 2012, afirma que as redes elétrica e hidráulica do IPN são as que mais anseiam por reforma.

Entrada da escola, fundada há 111 anos, no município de Wagner (Foto: Reprodução)

Ana Célia chega a afirmar no vídeo que deixaria a direção da escola por estar cansada de esperar uma resposta. “Eu tava me sentindo impotente. Não quero que digam que fiquei cinco anos na direção sem fazer nada. Desde 2012 eu peço ajuda para reforma aqui”, conta Cecéu.

Posicionamento da SEC
Após a publicação e repercussão do vídeo nas redes sociais, representantes da Secretaria da Educação do Estado (SEC) estiveram no local para perícia, na tarde desta quarta-feira (29). De antemão, a assessoria da pasta afirmou ao CORREIO que os serviços de manutenção civil e elétrica serão iniciados em breve.

História centenária
O município de Wagner é localizado na Chapada Diamantina, a 390 km de Salvador, e surgiu devido à criação do IPN - há 111 anos - por missionários presbiterianos dos Estados Unidos da Missão Central do Brasil. Na época, somente três outras cidades possuíam estabelecimentos de ensino médio: Salvador, Ilhéus e Caetité.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas