Dona de navio suspeito de derramar óleo diz que 'descarregou toda a carga' na Malásia

brasil
02.11.2019, 16:55:00
Atualizado: 02.11.2019, 16:58:15

Dona de navio suspeito de derramar óleo diz que 'descarregou toda a carga' na Malásia

Petroleira grega Delta Tankers alega não ter sido procurada por autoridades brasileiras

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Apontado pela Polícia Federal como principal suspeita de ter derramado óleo no litoral brasileiro em agosto, o navio-tanque Bouboulina chegou à Malásia "sem qualquer falta [da carga]", de acordo com a petroleira grega Delta Tankers, proprietária da embarcação.

Em comunicado divulgado neste sábado (2), a companhia alega não ter sido procurada pelas autoridades brasileiras, e afirma que o navio não parou nem fez qualquer tipo transferência de óleo. Ainda segundo a nota, a empresa fez uma "pesquisa completa do material nas câmeras e sensores que todos os seus navios carregam como parte de suas políticas de segurança e ambientais".

As manchas de petróleo em praias da região atingiram pelo menos 286 localidades em 97 municípios de 9 estados. De acordo com os investigadores, 2,5 mil toneladas de óleo foram derramadas no oceano. A substância é a mesma em todos os locais: petróleo cru. O fenômeno tem afetado a vida de animais marinhos e causado impactos nas cidades litorâneas.


Leia, abaixo, a íntegra da nota da Delta Tankers:

"Atenas, 2 de novembro de 2019.

DELTA TANKERS LTD., responsável pelo navio-tanque de petróleo bruto Bouboulina, sob uma bandeira grega, informa agora que eles realizaram uma pesquisa completa do material nas câmeras e sensores que todos os seus navios carregam como parte de suas políticas de segurança e ambientais, para monitorar as atividades a bordo e ao redor da embarcação, bem como alternâncias de curso, de paradas, velocidade etc.

Não há provas de que o navio tenha parado, realizado qualquer tipo de operação STS [sigla para ship to ship; navio para navio], vazado, desacelerado ou desviado do curso, em seu caminho para Melaka, na Malásia.

Este material será compartilhado de bom grado com autoridades brasileiras, caso entrem em contato com a empresa com relação a esta investigação. Até agora, esse contato não foi feito.

Como relatado ontem, dia 1º de novembro, no comunicado inicial da Delta Tankers, o navio partiu da Venezuela em 19 de julho de 2019, indo diretamente, sem paradas em outros portos, para Melaka, na Malásia, onde descarregou toda a carga sem qualquer falta.

DELTA TANKERS LTD. opera seguindo rigorosas políticas ambientais, cumprindo os regulamentos internacionais, e as câmeras e sensores a bordo de todos os seus navios fazem parte dessas políticas".

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas