Eficácia maior com dose menor é 'intrigante', diz líder do estudo da vacina de Oxford

coronavírus
23.11.2020, 11:47:00
Atualizado: 23.11.2020, 11:48:50
(Arquivo AFP)

Eficácia maior com dose menor é 'intrigante', diz líder do estudo da vacina de Oxford

Meia dose seguida de uma dose teve eficácia de 90%; duas doses, de apenas 62%

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A vacina contra a covid-19 desenvolvida pela Universidade de Oxford com a AstraZeneca tem eficácia de 90% quando aplicada em meia dose, seguida por uma dose completa, segundo os cientistas anunciaram nesta segunda-feira (23). A eficácia de duas doses completas foi menor: apenas 62%. 

Os pesquisadores analisaram dados de 11.636 pessoas vacinadas para chegar aos números. Dessas, 8.895 receberam as duas doses completas e 2.741 receberam a meia dose seguida de uma completa. 

Ainda não há certeza do porquê uma dose menor tem maior eficácia. O cientista Andrew Pollard, diretor do Grupo de Vacinas de Oxford, que lidera o estudo, classificou de "intrigante" o fato. 

"Esses 90% são um resultado intrigante. Acho que é um resultado realmente excitante e intrigante que precisamos aprofundar mais", disse ele à BBC.

A mesma palavra foi usada por outro cientista, que não participa dos estudos. “Esses resultados são intrigantes, com duas estimativas diferentes de eficácia, dependendo da dose usada com a vacina", comentou Michael Head, pesquisador sênior em saúde global da Universidade de Southampton, na Inglaterra.

Ele acrescentou que se os resultados finais mantiverem esse dado, isso seria bom, porque se gastaria menos vacina. "Ainda não está totalmente claro por que meia dose e uma dose completa eram potencialmente mais protetoras, mas se os resultados finais continuarem a mostrar esse padrão de cerca de 90% de eficácia, isso permitiria um maior suprimento de vacina não apenas no Reino Unido, mas também em todo o mundo", avaliou.

Os resultados são provisórios e ainda não foram revisados por outros cientistas. "Assim como com os outros anúncios recentes da Pfizer e Moderna, devemos ser um pouco cautelosos com essas descobertas", diz Head. 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas